Advogado do Diabo - Stock Imagens

Advogado do Diabo – Tarefa Difícil

Prolegômenos

Oficialmente, este blog teve seu primeiro post publicado em 4 de fevereiro de 2016 e, assim sendo, fica esquisito ver textos anteriores a esta data. Então peguei o texto de apresentação, e recuei para janeiro de 2016. Uma vez que usei desta “licença poética”, decidi que os posts do mês de janeiro são destinados a explicar quem sou e o que sou. Dessa forma, este é mais um que apresento as motivações para um dos papéis que melhor exerço, ser o advogado do diabo.

Advogado do Diabo

A Origem

A expressão pode parecer absurda ou popularesca, no entanto é do mundo real e tem origem na igreja católica.

Anteriormente, a Igreja Católica quando iniciava um processo de canonização, colocava alguém cético e crítico, para contrapor tudo a favor do candidato à canonização. este alguém era um Promotor da Fé (Promotor Fidel, em Latim) que buscava falhas, lacunas e inconsistências contra o processo de canonização.

Esta figura durou desde a Idade Média até, acreditem, o ano de 1983 e, dessa maneira, vamos combinar que o pessoal “foi pra galera”. O advogado do diabo (do Latim advocatus diaboli) perdeu a boquinha e o planeta ganhou milhares de santos e beatos.

Advogado do Diabo Mundano

Nesse meio tempo, chegamos à Idade Moderna e os hábitos mudara, hoje em dia o termo foi vilipendiado e serve para designar qualquer um que se meta a discordar das ideias, mesmo que apresenta falhas, lacunas e inconsistência em qualquer coisa.

Tarefa Difícil

Comecei a trabalhar muito cedo (por volta dos 15 anos de idade) e, desde então, sempre tive a mania de perguntar sobre as coisas. Por quê era um termo que eu utilizava bastante e nem me lembro quando e o que motivou-me  a usá-lo.

Com toda a certeza, desde a adolescência e primeiros empregos, enfrentei as mais terríveis adversidades por fazer o papel de advogado do diabo. era quase instintivo. De certa forma, arrumei muita confusão que nem era minha praia ou da minha alçada (para ser fiel ao termo advogado).

Como se não bastasse, fui entrando em caminhos, atividades e ações que visavam mais interesses coletivos e menos individuais, sacrificando a mim e meus familiares. Mas não tem jeito, é como no ditado mineiro, “… um boi para não entrar numa briga, e uma boiada para não sair …!”.

Advogado do Diabo - O Pensador

Advogado do Diabo – O Pensador

Advogado do Diabo Moderno

Eu gostei do comportamento e, com certeza, serviu para que a minha evolução do conhecimento, fosse, sem falsa modéstia, consistente. Observei que questionando, somos obrigados a prender as “razões” e fundamentos de quem pensa de forma contrária, isto é muito bom. Numa determinada empresa que trabalhei, exerci a quase plenitude da função de advogado do diabo, adorava defender pontos de vista, aparentemente, indefensáveis.

Por outro lado, o processo de perguntar e contrapor exige muito mais na identificação da qualidade dos argumentos, na identificação dos erros de estruturação das ideias.

Se bem que, com o passar dos anos, consigo fazer menos perguntas, passei a ouvir, ler e entender muito mais coisa e exercer umas das atividades que mais gosto. Em outras palavras, adoro ser advogado do diabo para destruir falácias e paralogismos e gosto de trocar ideias com sofistas e epistemólogos.

A frase ““Não deve ser fácil em lugar nenhum.” dita pelo Advogado do Diabo no filme homônimo é de uma profundidade ímpar.

Por isso, este texto não será divulgado em redes sociais, será deixado aqui comigo controlando as leituras e os possíveis comentários. É como se fosse um texto laboratório, num mundo de gente imediatista e rasteira.

Vamos ver até onde a curiosidade humana permite que as pessoas não se interessem nestes textos auto-biográficos de janeiro. Espero que antes de morrer todos os textos de auto-conhecimento e “filosóficos” estejam liberados aqui nesta “trilha de apresentação.

 

AVISO LEGAL – DISCLAIMER – RENÚNCIA

Os textos com publicação anterior à data da inauguração deste blog pessoal, são auto-biográficos ou do tipo “conteúdo de base estrutural”. Alguns são remanejados de datas posteriores para abrir espaço para outros temas.

São, da mesma forma, uma reflexão sobre tudo e sobre todos, especialmente sobre as avaliações que os outros fazem da gente, em redes sociais, sem saberem do que estão falando.

Não deixem que crianças leiam, a menos que sejam crianças inteligentes e que os pais as deixem pensar.

São expressamente proibidos para menores de 16 anos e para quem não sabe ler, escrever e interpretar.

 

 

Imagens: Stock

 

Nota do Autor

Reitero, dentre outras, o pedido feito em muitos textos deste blog e presente na página de “Advertências“.

  • Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas.
  • Coloquem aqui, nos comentários, ou na página do Facebook, associada a este Blog.
  • Alguns textos são revisados, outros apresentam erros (inclusive ortográficos) e que vão sendo corrigidos à medida que tornam-se erros graves (inclusive históricos).
  • Algumas passagens e citações podem parecer estranhas mas fazem parte ou referenciam-se a textos ainda inéditos.

Agradeço a compreensão de todos e compreendo os que acham que escrevo coisas difíceis de entender, é parte do “jogo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.