Pebolim - Totó - Fla-Flu

Deu Zebra !

Às vezes somos surpreendidos por algumas situações que ficamos sem saber a razão de existirem.

Vivemos a nossa cultura e esquecemos das culturas seculares que alguns povos ou nações são submetidos. O poder de tiramos é uma coisa louca. A Internet tem proporcionado algumas reviravoltas. É como disse algum filósofo (se não disseram, fica dito!): A Internet e redes sociais tem mostrado para alguns povos e algumas culturas que existe um outro mundo, não podemos afirmar que é melhor ou pior, é diferente, cada indivíduo, independente da cultura a que está subjugado, tem o direito a experimentar o diferente, tem o direito de escolher o que deseja pra ele.

Costumo dizer que assuntos de uma determinada cultura, povo, país, civilização, sejam eles quais forem, devem ser decididos e resolvidos entre eles. A não ser que algum organismo internacional ou mediador isento, seja chamado a intervir.

Fiquei assustado com  a decisão do governo turco de legalizar o pebolim (totó ou fla-flu dependendo da região do Brasil) de forma que os cidadãos turcos pudessem brincar com o artefato sem correrem os riscos de uma condenação. E aqui não tem como esquecer o excepcional “Expresso da Meia-Noite”. Já imaginaram? Um turista brasileiro na Turquia sendo preso por brincar com totó?

Pois é…

Os turcos agora podem jogar pebolim à vontade, pancada vai comer solta entre fanáticos do Fener e do Galatassaray. Quero nem saber, pelo menos eles poderão se divertir.

Incrível é os caras do governo demorarem 48 anos para desqualificar o pebolim como “jogo de azar” e identificarem que o jogo serve para exercitar “aptidões manuais”.

Acho que vou montar uma linha de produção de pebolim no Brasil e exportar para a Turquia. Vai bombar !!!

Será que o Jogo do Bicho seria considerado crime na Turquia?

 

Foto: Newton Santos

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.