Barragem Samarco

Não foi acidente (3)

O Crime Ambiental

Uma barragem da mineradora Samarco, localizada no município de Mariana (MG), rompeu-se no dia 5 de novembro de 2015, deixando um rastro de 19 mortos (um corpo ainda não encontrado) e o maior desastre ambiental, não natural, do Brasil e possivelmente do mundo, nos últimos tempos. Não foi devido a força da natureza ou acidente natural. Era a crônica de um crime anunciado. Crime que segue cheio de desculpas, cheio de atos duvidosos, cheio de enrolação.

Cinco meses depois …

Desculpem a insistência. Foi crime, ambiental e contra milhares de  pessoas. Mesmo que eu saiba da pouca relevância e audiência deste blog, estou solidário a todos que tiveram suas vidas invadidas por uma lama que fede, que trás a irresponsabilidade técnica e política. Uma tragédia que tem escondido toda a perversidade que os governantes de nosso país, aliados de grandes oligopólios mundiais, são capazes de produzir.

Estou com todos da sociedade civil que se mantêm vigilantes. Não ficaremos calados. Não esqueceremos.

Continua a empulhação

O Ministério Público entende que a Samarco, empresa controlada pela Vale e pela anglo-australiana BHP, “não está realizando as intervenções necessárias para interromper o vazamento da lama remanescente no complexo de barragens de Germano”.

Ainda segundo o MP,. três diques construídos pela mineradora após a tragédia de Fundão não estão sendo suficientes para conter o despejo de rejeitos sólidos no rio Gualaxo do Norte, que é um dos afluentes do rio do Carmo.

A lama CONTINUA VAZANDO. E ainda encontramos pessoas para defenderem o retorno às operações em Mariana. Irresponsabilidade coletiva ou conivência criminosa?

Impunidade

Quando vejo milhões no país pedindo fim da impunidade, e volto cinco meses atrás quando muitos deram mais destaque para evento na França do que para este crime acontecido no Brasil, fico pensando sobre qual impunidade estes milhões estão falando.

O IBAMA aplicou cinco multa à Samarco no valor de R$250 milhões. A Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento sustentável exige R$112 milhões da mineradora referentes a outra multa. A empresa recorreu de todas as punições. Suas controladoras estão impassíveis aguardando recursos até o CARF (aquele que os grandes conglomerados buscam para se socorrerem e “amortizarem” as multas e punições).

A mineradora, com aval de suas controladoras, fez acordo em que desembolsaria R$4,4 bilhões para recuperar toda a bacia do Rio Doce afetada com o crime. Estimativas de profissionais do setor de Meio Ambiente estimam que a conta poderia chegar fácil aos R$ 20 bilhões durante a vigência do acordo. Sabem quanto foi desenbolsado? ZERO!

A Samarco ainda vai criar uma fundação para cobrir este crime e o passivo financeiro. Já desembolsou pouco mais de R$150 milhões para as despesas emergenciais e que estavam sendo exigidas pela população atingida.

Querem impunidade maior do que esta?

Que fim de impunidade estão querendo os brasileiros? Que seletividade é esta?

O que vem por aí

É provável que nos próximos dias, algumas coisas comecem a ficar claras. As investigações avançaram e relatórios conclusivos devem ser apresentados em breve pela polícia. Aliás, algumas Intervenções foram cerceadas pelo STJ no sentido de não deixar que suspeitos de serem responsáveis pelo crime fossem presos. Parece engraçado, mas não é… Num dia, esta justiça federal prende um borracheiro, leva-o para Curitiba sob suspeita de ser alguma coisa numa operação importante e depois descobre que era somente um borracheiro com o mesmo nome de um bandido do colarinho branco. No mesmo momento, suspeitos de terem proporcionado um crime de larga escala, tem sua prisão preventiva impedida. É destas contradições que temos vivido.

Vamos aguardar ! e continuar de olhos abertos…

 

Foto: O Globo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.