Odeio Indiferentes - Gramsci

A trincheira da hipocrisia

Ontem publiquei post com o título “O Tapume da Discórdia“, na sequência, continuo a ver o mundo (na realidade, o Brasil) com um olhar diferente. O tapume comprovou a hipocrisia, bárbaros e “civilizados” construíram seus muros e comemoram suas vitórias de Pirro (posteriormente farei publicar explicando o Pirro …).

A guerra

Na realidade, continuaremos em guerra. Política, religião e até futebol, são motivos para guerras e paz. Este negócio de ficar em cima do muro é para gente canalha ou covarde. Isentões não prosperam e são, na quase totalidade massa de manobra em todas as guerras. A chamada terceira via tem que ser construída pelas partes e não pelos isentões.

Como em toda guerra, a estratégia é a vitória ao final de todas as batalhas. Perder ou ganhar uma batalha pode significar muito mas não é o fim. Depois do primeiro e segundo turnos eleitorais, em 2014, vivemos o terceiro turno ontem e preparamos para o quarto turno daqui alguns dias. Alguns entendem que o processo começou ontem, ledo engano. Começou na derrota do segundo turno. Derrotados desrespeitando vencedores… ali começou a guerra.

Trincheira

Como em toda guerra, existem dois lados (existe um terceiro não-confiável, que é aquele que vende as armas para os dois lados e que no caso brasileiro são aqueles que se locupletam desde 1808). Os dois lados da guerra político-partidária-eleitoral do Brasil não tem, como muitos propagam, dois partidos ou dois lados. Existem duas trincheiras, de um lado os que defenderam e conquistaram a abertura de processo de impeachment da presidente Dilma, de outro, os que eram contra a abertura do processo.

Duas trincheiras que precisam ser bem definidas e entendidas pelas pessoas… Usando aqui um exemplo. Estou na trincheira ao lado do Chico Buarque, do outro lado está o Lobão. Estou na trincheira ao lado da presidente Dilma, do outro lado o vice-presidente Temer.

Numa guerra, mais do que saber ou debater sobre os motivos de um impeachment, é vital saber de qual lado está. Não é possível você estar numa trincheira dormindo com inimigos. Por isso guerras e batalhas são perdidas. Não saber quem é amigo ou inimigo. Ou pior, não saber identificar o fogo amigo.

Por isso, com todo respeito a todos que estão nos meus círculos de amizade, e conhecimento, eu escolhi um lado da trincheira, para assuntos político-eleitorais-partidários. Assumo! Então assumam o lado da trincheira e não me venham com postura de isentões pois isto não existe. A democracia não prevê gente amorfa mandando, não prevê um quarto poder orientado as pessoas. Não me importo em qual trincheira cada pessoa escolhe, que seja feliz ao escolher. Não escolher um lado, com todos os prós e contras, é mais covarde do que dizer que “… eu não votei em nenhum destes …”

Por estas e por outras, sou como Gramsci.

Reprodução: Internet

2 comments for “A trincheira da hipocrisia

  1. Lourença
    17/06/2016 at 21:48

    Obrigada, pela aula

    • 18/06/2016 at 01:30

      Lourença, às vezes, a forma da aula pode ser um pouco dura e rude, alguns conteúdos assim o exigem. Vejo que o país, especialmente depois da explosão das redes sociais, virou um mar de hipocrisia consentida. Leia os posts sobre falácia e sofismas e manipulação de massas… eles tem muito a ver com este tema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.