Minority Report

Dê adeus a sua pretensa privacidade (*)

Diga adeus à sua privacidade

A maior conferência sobre segurança da informação acontece, anualmente, nos EUA. A RSA Conference (#RSAC) deste ano, encerrada agora, revela muitas coisas e esconde outras tantas. Mas segurança é a palavra-chave deste mundo virtualizado.

Uma coisa que tem sido determinante, e favas contadas, nestes eventos e nos relatos em todo o mundo, sobre segurança, é que a sua privacidade, literalmente, já era. Esqueça esta coisa de Big Brother, de “grande irmão do norte”, das denuncias (todas comprovadas) do Snowden e Assange ( Ver Post Assange, Sanders, Hillary e … ), viraram lenda.

A coisa ficou séria

Ao ver o relato de alguns conhecidos na #RSAC lembrei-me da ficção “Minority Report” do Spielberg, distribuído em 2002 e ambientado em 2054. Spielberg é fraco. Errou por quase 40 anos. Que ficcionista é este?

Fiz buscas na Internet sobre estas questões de perda de privacidade e achei um artigo pra lá de interessante: “Crimes Biométricos“. Vale a pena ler. Nada de ficção.

O Facebook quando vê uma foto que você postou no seu álbum, imediatamente quer que você marque pessoas. LEGAL! você ajudando o face a primorar a ferramenta dele e eles usando uma das ferramentas mais poderosas de biometria.

É real

Ainda hoje, no Brasil, para se obter um certificado digital, a biometria está em ação. Ao fornecer suas digitais, elas serão comparadas com cadastros de secretarias de segurança. Em países avançados, lojas ao efetuarem vendas, fotografam a face e se o coprador tiver problemas com a polícia, será denunciado. Em países mais avançados tecnologicamente, ao passear na rua, você pode ser filmado, ter seu perfil comparado em relação ao seu gosto por restaurantes e um painel luminoso gritar seu nome indicando o local para seu almoço. SIM. é cena do filme e realidade.

PERDEU !!!

 

(*) Em processo de revisão e mudança de data

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.