Presidenta

As antas se esbaldam, sem razão

Deixei este post para esta data pois deve ter algum significado.

A sua cara

O Brasil é visto por muitos estrangeiros como um país singular no planeta. Dito laico, possui restrições e preconceitos, chegando ao ponto de desrespeito constitucional ao direito de escolha relacionado à religião. Uma sociedade com grande miscigenação mas que não aceita mistura de classes sociais. Negros e pobre sofre (a hipocrisia é tanta que se passam por negros para obter benefícios e escondem a origem para se enturmar). O preconceito é grande, mas o país é visto como o mais democrático do mundo. Temos estrangeiros que defendem mais o Brasil do que brasileiros.

Desde a eleição de uma mulher para a presidência da república que a coisa desandou. Não vinha bem quando um nordestino, de origem do trabalho, sem Instrução formal, assumiu a presidência.

Esta sequência provocou os instintos mais selvagens, dignos de torcida organizada. O Fla-FLu mostrou a cara após a reeleição da presidente.

Presidenta

A presidente Dilma, fez questão, ou fizeram por ela, de usar o termo presidenta com A no final. Aí até professores de português, sem tirar a camisa que vestiram, tomaram partido. Perdoe-os, eles não sabem o que escrevem. Ou escrevem com o fígado.

As antas

Num claro desrespeito à pessoa, chamaram-na de anta, associaram o título do cargo à palavra “presidanta”, de forma “pejorativa” e encontraram na mídia espaço para a polêmica, que aproveitando a questão da reforma ortográfica, colocou asnos a falarem sobre o assunto.

Uma vogal

A vogal “e” presta-se para atribuir aos gêneros masculino e feminino alguns nomes. Entretanto, desde o século XIX na língua portuguesa, e até mesmo antes, no francês e espanhol. algumas palavras admitem a vogal “a” na palavra quando o artigo é feminino.

No caso de presidente, a desinência formadora do feminino (a) é possível há muito tempo, incluídas em dicionários, reconhecida pela Academia Brasileira de Letras e vários filólogos. Nem perdi tempo discutindo isto com ninguém. Bastou uma pesquisa simples.

Fla-Flu

A questão é que vejo, nas redes sociais (AH! estas redes sociais cheias de néscios…), muita gente que se diz letrada, muita gente que tem dezenas de carimbos no passaporte, muita gente que não votou na presidente, cometendo crimes ortográficos e falando do uso do feminino de presidente. A data de hoje pode marcar o fim desta discussão, mas não por muito tempo. Haverão outras presidentas, em vários locais.

Não sou “radicalóide”. Coloco o artigo feminino e uso presidente. Evito trombar e perder tempo debatendo com jumentos.

Imagem: Reprodução Grupo Aurélio/IG

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.