Acessibilidade

Acessibilidade e cidadania

Às vezes ficamos tristes aos constatarmos que estamos certos.

Acessibilidade

Há muitos anos tenho preocupações sobre acessibilidade e usabilidade. Cheguei ao ponto de rejeitar uma ajuda, no âmbito profissional, porque quem faria o serviço por mim solicitado só poderia fazer usando a sua lógica de compreensão do mundo.

Quatro anos atrás sofri um acidente e fiquei (na realidade ainda estou) dependente de muitas pessoas para várias coisas. É sofrido ouvir as respostas “Calma!” ou ter que ficar calado sem poder dizer para as pessoas que se colocam à disposição para ajudar que devem fazer diferente. É muito comum as pessoas serem solícitas e não estarem preparadas para conduzir um deficiente visual, conversar com um portador de necessidades especiais e ajudar quem precisa. Sem contar aqueles que não conseguem enxergar nenhuma necessidade nos outros. Tudo tem sido um excelente aprendizado.

Acessibilidade na Web

Quando vejo profissionais de TI, a maioria que eu (des)qualifico colocando-os na condição de “arrastadores de objetos” ou “mestres do crtl-C/crtl-V”, não se importando em colocar a tecnologia flash, de maneira abusiva, em sites, quando vejo designers de altíssima qualidade ignorando completamente aqueles que tem problemas visuais e colorindo sites e portais como se fossem crianças que sabem distinguir as 256 cores de um pantone, dá uma tristeza indescritível.

Aí aparecem as contrapartidas, aqueles momentos em que vale a pena elogiar e louvar o trabalho abnegado de quem tem a compreensão perfeita do que significa acessibilidade.

No caso,agradeço o trabalho do W3C Brasil ( http://www.w3c.br ) que realiza um trabalho fantástico e que destaco, dentre outros, as cartilhas de Acessibilidade na Web. Ano passado participei do lançamento da primeira cartilha e este ano recebo com alegria, outro exemplar.

Sítios com problemas de acessibilidade existem aos montes, sítios com pseudo-ferramentas de acessibilidade outros tantos, mas sítios com acessibilidade com requisitos compatíveis com as orientações W3C são poucos no Brasil, mas estão crescendo, ainda bem.

Cidadania

Parabenizo e agradeço ao W3C Brasil pela cartilha e demais trabalhos.

Entendo que somente O respeito e educação para com todos aqueles que tenham alguma necessidade de acesso, físico ou lógico, à qualquer recurso é determinante para evolução de uma sociedade. O abuso ou mau uso destas prerrogativas conquistadas pelo cidadão deve ser cerceado. Até para que aqueles necessitados não sejam prejudicados.

Profissionais de TI que entendem que fazer sites e portais com cores que podem ser confundidas ou nem visualizadas pelos usuários é desrespeito. O poder  público deveria se espelhar nas cartilhas do W3C antes de fazer qualquer atividade na WEB.

Uma sociedade que não entende isto esta, irremediavelmente, deteriorada.

Charge: Ricardo Ferraz

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.