Cachoeira na Gandarela

Passeio bate e volta a partir de BH (19)

Inspirado em um artigo do site cultural sobre Minas Gerais, resolvi recomendar roteiros de passeio, atividade de um ou dois dias de puro lazer e cultura, algo do tipo vai cedo, almoça e volta ao final do dia ou no dia seguinte.

Chegou a vez de indicarmos uma região que está relacionada a vários municípios. É uma área grande que envolve área territorial de Barão de Cocais, Caeté, Itabirito, Rio Acima, Santa Bárbara e localiza-se entre a Serra do Curral e a Serra do Caraça.

Parque Nacional

Em  outubro de 2009 iniciaram estudos para criação do Parque Nacional da Serra do Gandarela. Em setembro de 2010 o Instituto Chico Mendes – ICMBio lança a proposta de Criação do Parque englobando os municípios indicados anteriormente.

Grande parte dos mananciais de água da Região Metropolitana de Belo Horizonte -RMBH está localizado na Serra da Gandarela. É nesta região que se localiza a segunda maior área contínua de Mata Atlântica de Minas Gerais, com vários pontos de mata primária.

A região está seriamente ameaçada, especialmente a nascente e afluentes do Rio das Velhas Ribeirão da Prata e do Rio Doce, pelos projetos de mineração da Vale do Rio Doce e os efeitos que crimes ambientais podem provocar como os ocorridos em Mariana. Visitar a região da Gandarela, maciçamente, é uma forma de exigir das autoridades a delimitação e tombamento definitivo do Parque Nacional.

Aquífero

No alto da Serra do Gandarela há uma cobertura rochosa chamada canga. Canga é uma rocha que apresenta porosidade e estrutura que facilita a penetração profunda da água de chuva. Durante este processo a água é filtrada naturalmente e é armazenada abaixo da superfície, nas camadas onde está o minério, formando uma imensa caixa d’água ou aquífero.

Atrativos

Cachoeiras, lagoas, regiões de passeio, e área verde podem ser acessíveis por qualquer um os municípios. A cidade que tem alguns dos maiores atrativos é Rio Acima. Adeptos do trekking e bikers tem na região um verdadeiro paraíso por um dia inteiro.

São várias as opções de alimentação e pousadas nas cidades do Parque. Dirija-se a uma delas e pergunte pelas atrações e passeios. O Parque fica em grande parte na RMBH e é acessível por uma maioria de estradas de terra. Recomenda-se que o acesso somente com veículo próprio (carro alto ou moto) e passeios em trilhas somente com a luz do dia.

A implantação do Parque Nacional potencializa a vocação turística e histórica dos municípios da região, todos eles originados no Ciclo do Ouro, detentores de rico patrimônio histórico e cultural e integrantes do circuito da Estrada Real.

Defendermos a população destes municípios é defendermos a sustentabilidade de todas as cidades próximas e integrantes da RMBH e Zona Metalúrgica. Praticar turismo na região, além de defender nossa água, é criar alternativas de geração de renda para praticarmos a proteção ambiental da região.

Prepare-se para longas caminhadas e trilhas difíceis. Calçados confortáveis, muita água alimentação saudável, e muita bateria nas máquinas fotográficas.

Foto: www.aguasdogandarela.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.