Anitta

A Olimpíada da hipocrisia

Admito que fui um dos que defendeu a Copa do Mundo e a Olimpíada no Brasil. Em certa medida, o que imaginei que aconteceria, aconteceu. Alguns efeitos não estão sendo da forma como imaginei, mas tá valendo.

Imaginário

Eu imaginei que a corrupção ia comer solta, aconteceu. Supus que os corruptos e corruptores seriam pegos. Estão sendo, não diretamente pela Copa e Olimpíada mas estão. Torcia para um novo “maracanazzo”, não esperaram nem chegar no Maracanã e foi melhor que a encomenda. No caso dos elefantes brancos, fui defensor da REFORMA sempre. Nada de coisa nova. Tava na cara. Quando resolveram aumentar as sedes para 12, tava selada a maracutaia.

No caso dos esportes olímpicos, torci para dezenas de cidades no país tornarem-se referências mundiais, uma em cada esporte, aconteceu de forma torta e enviesada. Admito que fiquei esperançoso pela conquista de muitas medalhas inéditas. Parece que não vai dar certo.

Festa paralela

Não ligo para festas paralelas mas adorei ver os complexados de vira-latas quebrarem a fuça a respeito da Copa do Mundo. Cagaram regrinhas e proselitismo de que não ia acontecer ou que seria um fracasso. Os déspotas midiáticos enfiaram o microfone na fonte do que disseram.

Olimpíada

Aí vejo o anúncio de que a Anitta será a artista principal da abertura olimpíada. Quem? Anitta?

Pois é.

A cantora se apresentará na cerimônia de abertura da olimpíada, especula-se que o cachê é tão milionário que Wesley Safadão ficou com vergonha do cachê que ganhou em Caruaru.

Senão vejamos …

Faz algum tempo que os produtores da moçoila, depois de se livrarem da “empresária” anterior, projetam uma carreira internacional para ela. Imaginam que será a Beyoncé daqui algum tempo. Aí cai no colo dos interessados uma oportunidade de ouro. Apresentação em rede mundial de TV de graça. De graça não, regiamente remunerada nos mesmos moldes de micaretas, picaretas, folias e afins.

Aí colocam um bode na sala (o valor do cachê) para a patuleia e a mídia das fofoqueiras ficarem discutindo o tema e esquecendo do entorno. Diversionismo puro.

À exceção dos fãs da artista, gente especialista em redes sociais de 140 caracteres, toda uma nação que pensa começa a se questionar sobre, numa oportunidade única, colocarem uma artista alpinista e de qualidades pra lá de questionáveis (menos para os fãs e teletapados) representando a cultura de um país.

Disto sim, eu tenho vergonha. Não do país, mas das pessoas que fazem parte deste tipo de conluio e se locupletam com estas coisas. Não respeito nenhuma destas pessoas. Desde quem no COI aceitou suborno para colocar esta artista na abertura da olimpíada até a própria artista.

Foto: Glamurama

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.