Barragem Candonga

Não foi acidente (11)

Quase um parto

Uma barragem da mineradora Samarco, localizada no município de Mariana (MG), controlada pela Vale e BHP (mineradora de origem australiana), rompeu-se no dia 5 de novembro de 2015, deixando um rastro de 19 mortos (um corpo ainda não encontrado) e o maior desastre ambiental, não natural, do Brasil e possivelmente do mundo, nos últimos tempos.

Crônica de um crime anunciado. Crime que segue cheio de desculpas, cheio de atos duvidosos, cheio de enrolação. O mar de lama mais do que poluiu a bacia do Rio Doce até a sua foz, no Espírito Santo. O mar de lama atingiu profissionais e prestadores de serviço que omitiram, adulteraram e sonegaram informações reais de todo o processo.

Confirma-se o crime ambiental e contra a vida humana e as atitudes e comportamentos de autoridades se mostram deploráveis a cada anúncio de “novidades” sobre o caso.

Mandos e desmandos

Acordos feitos estão sendo descumpridos. Novo dirigente da Samarco está sendo investigado. Compromissos estão sendo, religiosamente e solenemente, descumpridos, postergados, sonegados, negligenciados.

  • Demonstrar qual a situação de cada estrutura de contenção de rejeitos. Parcialmente atendido.
  • Apresentar alternativa de contenção de rejeitos para evitar novo crime ambiental. Não atendido.
  • Apresentar estudo e plano de gestão das microbacias da Barragem Santarém. Não atendido.
  • Propor alternativas de implantação do Dique 4 para interromper carreamentos à jusante de Bento. Não atendido.
  • Apresentar plano de ação e cronograma de dragagem da barragem Risoleta Neves. Parcialmente atendido.
  • Prevenir e monitorar impactos da remobilização de rejeitos na dragagem da usina e descarte do efluente. Não atendido.
  • Garantia da segurança da hidrelétrica com elevação do nível da água. Parcialmente atendido.
  • Apresentar projetos para controle de erosão e reconformação do curso d’água entre Fundão e Candonga, discriminando metodologia e cronogramas. Não atendido.
  • Apresentar projetos e cronogramas para contenção e gestão de rejeitos dentro do leito dos rios atingidos. Não atendido.
  • Apresentar trabalhos a serem executado até início das chuvas para contenção de sedimentos e melhoria das águas. Parcialmente atendido.
  • Apresentar quantificação do acúmulo de sedimentos na calha dos rios e afluentes, do dique S3 até Candonga. Não atendido.

Condescendência

Existem outros acordo e atividades que deveriam ter sido cumpridas, nenhum deles é tarefa hercúlea. Vale, BHP e sua controlada Samarco sabem como deveria ser feito, tem dinheiro para ser feito. Mas os acionistas internacionais não gostariam de ver seus lucros ameaçados.

Autoridades, mandatários, judiciário, ministério público… é muita gente para pouco atendimento e punição.

Não vamos nos esquecer.

22 de julho – Dia Mundial Contra a Mineração em Larga Escala.

NÃO FOI ACIDENTE !

Foto: Portal UAI

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.