Olha a Crise

Crise: Empreendedores despreparados (7)

A ideia desta série de posts com este tema é apresentar situações que todo empreendedor ou candidato a patrão deveria parar e pensar, antes de sair culpando os outros pelas dificuldades de um negócio próprio.

Deixar a carteira de trabalho pra trás e empreender ou virar patrão exige muito mais do que conhecimento do ramo. Aliás, a maioria dos que aventuram no mundo do patronado se dão mal no ramo que julgam conhecer. Quem se dispõe a aprender, a entender o que é gestão, aumentam as chances de não naufragar.

Neste post, trato de questões que cada indivíduo que as aplica na vida pessoal e leva para os negócios e empreendimentos contamina seu novo negócio ou sociedade. São os péssimos hábitos pessoais contaminando novas propostas e empreendimentos.

Separar a “poupança”

Infelizmente, o trabalhador assalariado não se esforça para poupar. O empreendedor que negligencia o investimento, não prospera.  Assim como o assalariado deve separar uma poupança, de qualquer valor, ANTES de pagar as contas, o empreendedor, ao obter receitas deve separar um percentual para investimento futuro.

Metas e objetivos

O empreendedor deve ter metas e objetivos de investimentos futuros. E estipular formas de economizar para atingi-las. Se quer ampliar o negócio em três anos, ou se a capacidade da linha de produção necessita de espaço físico e uma ampliação se fará necessária, deve-se preparar recursos para as ampliações. Deixar as capacidades produtivas estourarem, pagar funcionários temporários ou horas extras para ir avançando, nem sempre é a maneira mais inteligente. Assim como a queda nas vendas, o aumento delas sem capacidade de ampliação, pode colocar o empreendimento sob risco.

Controle dívidas

Dívidas são naturais para pessoas físicas e jurídicas. Nestes momentos de crise, ter boa reputação creditícia vale tanto quanto ter uma carteia de clientes saudáveis. Dívidas devem ser gerenciáveis. Dinheiro pego com agiotas, bancos, cheques especiais, créditos pessoais, cartões de crédito não são gerenciáveis. Exigem aumento de receitas impossíveis de cobrir e momentos como os atuais no Brasil. Trabalhe planejadamente para não ter dívidas nocivas como as citadas e use sua “poupança” indicada inicialmente como “fundo de emergência”. Um ótimo fundo de emergência, com liquidez rápida, gira em torno de seis meses de despesas fixas. Menos que isto, qualquer emergência pode prejudicar seu negócio.

Especialistas

Todas as atividades empresariais possuem especialistas. Empreendedores podem conhecer extraordinariamente da sua atividade-fim. Ocasionalmente, conhecem de algumas atividades-meio, raramente conseguem dominar os assuntos de atividades acessórias do seu empreendimento. Na dúvida, nunca deixe de consultar um especialista em economia, direito, contábil, organizacional. A instituição SEBRAE tem consultores altamente capacitados. Muitos consultores podem ajudá-lo a organizar seu empreendimento com custos que compensam. Nem sempre é uma boa ideia imaginar que suas experiências de vida sejam aplicáveis ao seu empreendimento de forma automática.

Imagem: Jornal do Empreendedor

P.S. O consultor Evandro Oliveira ADVERTE: Multinível, Marketing de Rede, Avião, Pirâmide e afins NÃO SÃO atividades de empreendedores de verdade e estas recomendações não são aplicáveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.