Nova Germano - Samarco

Não foi acidente (15)

O assunto vai e volta. Quase um ano. Das manchetes de portais e capas de jornais, para as páginas Internas em cadernos diversificados (Cotidiano é o preferido, quando deveria estar no Caderno de Polícia) e em alguns órgãos da mídia virou notinha de colunista.

Uma barragem da mineradora Samarco, localizada no município de Mariana (MG), controlada pela Vale (Multinacional de origem brasileira privatizada) e BHP (mineradora de origem australiana), rompeu-se no dia 5 de novembro de 2015, deixando um rastro de 19 mortos (um corpo ainda não foi encontrado) e o maior desastre ambiental, não natural, do Brasil e possivelmente do mundo, nos últimos tempos.

Crônica de um crime anunciado. Crime que segue cheio de desculpas, cheio de atos duvidosos, cheio de enrolação. O mar de lama mais do que poluiu a bacia do Rio Doce até a sua foz, no Espírito Santo. O mar de lama atingiu profissionais e prestadores de serviço que omitiram, adulteraram e sonegaram informações reais de todo o processo. O mar de lama segue matando e prejudicando pessoas.

Confirmou-se o crime ambiental e contra a vida humana e as atitudes e comportamentos de autoridades se mostram deploráveis a cada anúncio de “novidades” sobre o caso. Não vamos nos esquecer. Não somos a mídia comprometida. Os últimos lances preocupam ou aliviam?

Autorização Oficial

O Governador do Estado de Minas autorizou a desapropriação de terremos de particulares limítrofes à Barragem de Fundão para que ali se construam diques e novas barreiras evitando novos crimes ambientais e contra a vida. Algumas áreas de Bento Rodrigues poderão ser inundadas e sumirem pra sempre do mapa. Ficará a lembrança.

Foram construídos diques e o denominado S4 estaria na área de Bento Rodrigues. Entretanto, o IBAMA, que não assinou o Termos de Ajuste de Conduta (TAC), manifestou que alguns pontos importantes relativos à segurança destas soluções não estão sendo tratados adequadamente. Os diques construídos estariam com suas capacidades esgotadas e o período de chuvas poderia colocar em risco a segurança da solução.

A última barreira que dificultava a construção do dique era relativa à preservação de Bento Rodrigues. Questão vencida !

Precipitação

Assim como em 2008, que o depósito de rejeitos na Barragem de Fundão foi feito de maneira prematura, segundo relatório do especialista Andrew Robertson, engenheiro canadense considerado dos maiores especialistas mundiais em barragens de rejeitos e que é consultor da Samarco desde 1996.

Adicionalmente, Andrew verificou que problemas iguais ocorreram em outros anos, tudo devidamente relatado, e que existe o temor de outros especialistas que o uso precipitado da nova barragem e novos diques possam incorrer nos mesmos erros que levaram ao crime de Fundão.

Imagem: Samarco

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.