O Alienista

O fim do mundo (14)

Série

Estou assustado com coisas absurdas que muitas pessoas começam achar normal. Não sei qual o poder da mídia nesta confusão toda. Sei que muitas coisas que nem seríamos informados, hoje batem à porta da nossa telinha sem que autorizemos. O que era para ser bem humorado ou com bizarrices de tolos e psicopatas mundo afora, chegou na nossa rua, na nossa cidade. Acredite! É o fim do mundo, como diria a minha bisavó !

Assim, O Fim do Mundo virou série aqui no blog.

Maias

Sou adepto da teoria dos Maias, antiga civilização do continente americano. Eles previram, com bastante acuidade, não tenho como provar, mas adotei a convicção deles, que o mundo terminaria em dezembro de 2012, e terminou. Estamos fazendo a história da passagem. Engraçado é que, dias atrás, alguém até duvidou que os Maias existiram ou habitaram o continente americano. Nada que um Google não resolvesse.

Preocupação 1

Nesta semana, um furacão varreu o Caribe. Até aí, nada de mais, furacões e ventanias solapam o Caribe e EUA nesta época do ano. Mas quando vejo a situação do Haiti, a nação mais miserável do mundo, que não conseguiu ajuda para sair da tragédia de um terremoto e sofre com outra mudança do clima, minha preocupação aumenta.

Minha preocupação não é somente com estas mudanças climáticas  e acidentes naturais que estão tomando proporções maiores e mais constantes, me assusta é que uma catástrofe na Itália, por exemplo, gera hashtags e campanhas de doação em todo o mundo e todas as redes sociais e outra tragédia, maior, mais devastadora e mais mortífera, não gera hashtags, sequer gera comoção em políticos de países terceiro-mundistas.

Decepcionado e envergonhado dever como a nossa sociedade está asquerosamente hipócrita.

Preocupação 2

Na sequência da “preocupação 1”, algumas pessoas me alertam que estou me baseando no público adepto de redes sociais, numa faixa etária mais baixa do que a minha. Eu ficaria tranquilo com esta “desculpa”, se fosse verdade. #SQN.

Estudos recentes, deste pessoal que propaga teorias sobre não existirem loucos e disseminam onda de “transtornos” (tudo hoje é transtorno e virose !!!, que saco !!!), mostram que jovens ficando estressados e depressivos está acima do aceitável e sendo tratado como se fosse uma coisa normal, e não uma epidemia. Preocupa quando vemos que a coisa (epidemia) chega perto da gente, na família, nos conhecidos, em colegas de trabalho.

É assustador a quantidade de pessoas com sintomas sérios previstos nestes transtornos. A maioria sem acompanhamento e com profissionais da saúde mental atochando medicamentos. A faixa etária não é só de quem é usuário de redes sociais. Estou me deparando com alguns casos próximos e assustado e sem saber para onde correr.

O curioso é que lembro-me, quase que a todo momento, do personagem Simão Bacamarte, o famoso alienista de Machado de Assis. O círculo vicioso está se consolidando, espero não ser eu algum tipo de condutor da “revolta dos canjicas” e nem terminar como o Bacamarte.

O fim está próximo e a nossa sociedade está asquerosamente hipócrita.

 

 

Charge: Aquarelas Culturais

P. S. –  Reitero também o pedido feito em muitos momentos da vida deste blog e presente na página de “Advertências“. Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas. Coloquem aqui nos comentários ou na página do Facebook.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.