A princesa e o sapo

Princesas e sapos

O blog está hospedado em novos servidores. Algumas interrupções de publicações nos últimos dez dias. mas a partir de agora a retomada é firme e consistente.
Escola de Princesas
Acompanho o tema há algum tempo. Achei que ia ter resistências. Estou assustado com adesões e com algumas alternativas e situações inusitadas.
Uma pedagoga idealizou um projeto em que meninas de 4 a 15 anos, num estilo de “Dia de Princesa” de programas de TV popularescos, teriam a oportunidade de frequentar uma Escola de Princesas, nos moldes da Socila para moças adolescentes e mulheres adultas. O negócio, em menos de quatro anos decolou. Começou em Uberlândia, tem quatro franquias e está com pretensões de expansão nacional.
Controvérsias
Um projeto de sucesso; turmas com filas de espera, regras até certo ponto rígidas, uma espécie de doutrinação em que as mães destas meninas se vêm como mães de misses, preparando as filhas para serem princesas. Nem vou entrar no conteúdo programático da escola, e nem na discussão sobre as professores (haveria espaço para professores ensinarem princesas?) pois nem filhas possuo. Mal, mal adotei minha nora como filha. Já tá ótimo, imagina se ele tivesse frequentado uma escola de princesas?
Existe controvérsias complexas, como os pais que queriam matricular seu filho (garoto do sexo masculino) na escola de princesas. Rolou até sessão de esclarecimento em rede social. Mundo moderníssimo mas careta.
Prenúncio
Sei não, mas tá esquisito. Na escola a candidata a princesa aprende: A identidade da princesa; O relacionamento da princesa; Etiqueta da princesa; Castelo da princesa; De princesa a Rainha … Rola até papo de ” … à espera do príncipe…”
Fiquei pensando se tivesse uma filha a colocaria com 5, 6 ou 7 anos de idade numa escola destas. Para meus filhos, e possivelmente se tivesse filhas, escolheria, como fiz, uma escola construtivista. Não foi uma escolha errada, IMNSHO.
Fico assustado. Estas redes sociais modernas e estas princesas. Será a extinção dos sapos?
Charge: Nani

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.