Eleitor Cúmplice

Eleitores corruptos devem ser processados ?

As eleições de 2016 foram inéditas. Desde as mudanças relativas às doações até prazos, impugnações, campanha e outras novidades.

O pior que tá tendo

Passadas as eleições municipais, inclusive as cidades que tiveram segundo turno, fico imaginando que lições poderíamos tirar destas que foram, de longe, o pior período eleitoral e campanha que vivenciei na minha vida. Votei a primeira vez sob a égide do bipartidarismo e do governo militar. Como nasci e vivi na capital de Minas Gerais, só fui votar para prefeito em 1985, após a malfadada, falaciosa e atrapalhada “redemocratização”.Não vi nada pior.

Modelo Arcaico

Tenho a certeza (conheço bem a justiça eleitoral ! – aquela que cede graciosamente dados cadastrais de eleitores para entidades privadas de cobrança e crédito) de que muitas das acusações sobre doações de pessoas físicas a candidatos tem falhas primárias, coisa de gente incompetente. Louva-se o mecanismo de prestação e verificação de contas implantando, tem que melhorar. Mas, os micos devem ser eliminados. Fica feio um erro de digitação ganhar o mundo; caluniar pessoas e acusar indevidamente.

O novo modelo de controle de doações de pessoas físicas apontou seis tipos de irregularidades principais:

  • doações feitas por beneficiários de programas sociais, como Bolsa Família
  • doações feitas por desempregados
  • doações feitas por pessoas que constam como mortas nos registros oficiais
  • doações em valores incompatíveis com a renda declarada do doador
  • concentração de doadores numa mesma empresa
  • doadores responsáveis por empresas e instituições que recebem repasses de dinheiro público

Infelizmente, houve muita pirotecnia. Pra mim uma preparação para que sejam anuladas as leis que proíbem doações de empresas para 2018. Tenho convicção que vão afrouxar a lei para permitir golpes diferentes.

Eleitores corruptos

As eleições de 2016 inovaram, inovaram tanto que foi possível a qualquer cidadão descobrir que existem eleitores corruptos. Quem existem pessoas que não são candidatos mas que tem poder de eleger prefeitos e bancadas inteiras, somente ao dominar algumas tecnologias ou sendo capazes de mandar em quem domina.

Doações com valores incompatíveis com a renda declarada do doador, deveriam ser alvo da Receita Federal e passíveis de punição como a dos políticos pegos em flagrantes ou processados e condenados.

Empregados de determinada empresa doando para um mesmo candidato, e recebendo gratificações natalinas para “compensar” a doação, deveriam ser investigados, assim como a empresa ou grupo em que trabalham. Investigados, processados e condenados, nos rigores da lei. Não vai rolar nada.

Doação de dirigentes de empresas que recebem algum tipo de benefício ou contrato com dinheiro público deveriam ter análise mais detida dos tribunais de conta e assemelhados. Deveria haver uma cláusula de que empresa que tiver contrato com o setor público fica de “quarentena” por ao menos duas eleições, após o encerramento do contrato.

Eleitores pegos nestes tipos de doação irregular deveriam ser processados e se confirmada a irregularidade, condenados e até mesmo presos.

Conheço este povo.Tudo batedor de panela. Já tiveram o que queriam, agora é usufruir das benesses que o pré-sal e os “20 anos de contingenciamento” vão oferecer.

Queria ver estes eleitores presos por ao menos 8 anos. Não serão presos nem por 8 horas.

Imagem: Reprodução Internet

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.