Teje Presa

A PM e as peças teatrais

Estou impressionado. Deveria ficar? Não.

Algumas coisas vistas com naturalidade hoje em dia, já foram absurdos autoritarismo cometido nos tempos de chumbo. Uma música era censurada, ninguém ficava sabendo. O máximo da divulgação foi uma novela que teve estreia adiada por conta de censura a um personagem

Pode, Arnaldo?

Polícia interrompeu uma peça e prendeu os atores por conteúdo “inadequado”.
Juiz autoriza tortura psicológica sobre estudantes para desocupar uma escola para saciar opinião pública.
Polícia dá tiro de borracha em jornalista rendido e com as mãos levantadas.
Polícia prender jornalista em uma favela porque ele denúncia violência policial.

Pode Isto, Arnaldo? É evidente que a resposta pra essas perguntas é NÃO !.

Abuso

Tudo descrito acima isso aconteceu, muito recentemente. E não há indícios de que as autoridades que praticaram esses atos venham a ser repreendidas. Um ou outro, somente porque houve denúncia. O denunciante corre risco de acordar com a boca cheia de formigas.

O que vejo nas redes sociais é um desejo de vingança e sangue incontrolável e perigoso. Existe a necessidade de ir a fundo nas investigações, ir a fundo em algumas e deixar outras de lado é desonestidade. Investigar somente algumas acusações não pode ser um cheque em branco para que autoridades policiais possam fazer o que quiserem, à revelia da lei, contra qualquer pessoa ou pior, contra as pessoas “marcadas para morrer”.

Infelizmente o debate foi substituído pela condenação sem julgamento das redes sociais. Seletivamente, a maioria das pessoas republicam aquilo que mais lhes faz bem, cheios de si, sem critérios, de maneira vil. Todos que detêm algum tipo de  poder, sem limites, recorrendo  às autoridades menores e comprometidas, apoiados por aqueles que querem continuar gozando de suas imunidades, estão se virando, prejudicando a tudo e a todos. 

O bonde tá descendo o morro, sem freio. E os passageiros continuam vendo a bandinha tocar.

Charge: Lila

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.