Hipocrisia Profissional

Concorrência e hipocrisia

Começam a surgir questionamentos para os profissionais de auto-ajuda do meio empresarial. Aqueles que deram origem ao termo auto-ajuda, que ficaram bilionários escrevendo livros e palestras motivacionais estão se esbaldando e desfrutando da fortuna que fizeram. Foram destronados, de certa forma, pelas redes sociais e grupos virtuais.

Palanque

O palanque é o mesmo, mudam os personagens de púlpito. Em alguns países com sociedades mais complexas e com governos mais rígidos, até os missionários e pastores estão sofrendo críticas por não conseguirem cumprir o que prometem. O empreendedorismo de palanque está começando a ser questionado no Brasil e no mundo.

Falsos profissionais

Nas empresas e corporações, os maus profissionais, picaretas na verdade, aqueles que participam de reuniões sempre com as mesmas frases feitas, ainda sobrevivem. Contam com o conluio de seus parceiros. Transformam situações que não dominam em hipocrisia, prejudicam os profissionais, e em grande medida os consultores externos, com atitudes que demonstram que quase todos não querem sair de sua zona de conforto.

Ambientes deteriorados

A qualificação destes comportamentos é medo do desconhecido e auto-proteção predatória..

Participei de situação recente em que o dono da empresa não dominava o negócio e a técnica e tecnologia  utilizada no seu negócio. Apoiava-se e ainda apoia-se em colaborador indicada como especialista. Especialista que não resiste a três perguntas objetivas e que exigem respostas precisas. O empreendedor preferiu continuar com seu especialista a ouvir ou adotar orientações que ofereci na condição de consultor. Assuntos graves foram procrastinados e colocam ou colocarão o negócio sob risco. Enquanto o empreendedor não perceber que em algum momento terá que obter resultados positivos, a sangria e incompetência serão protegidas pela hipocrisia organizacional.

É fácil detectar estes ambientes empresariais sob risco. Pessoas em posição de comando que não dominam os processos, pessoas que se apresentam como proficientes para o trabalho que não possuem qualificação mínima, empresas com colaboradores atuando em bicos e eventuais ou estudando para atividades completamente fora da linha de aproveitamento na empresa, concorrência profissional fundamentada numa falsa solidariedade corporativa e processos não documentados e muita decisão, inclusive estratégica, sem fundamentação e documentação de suporte.

As empresas,especialmente as pequenas e ditas mais ágeis, ainda vão pagar um preço muito alto pela informalidade, agilidade e hipocrisia. Aliás, estão pagando, e colocando a culpa nos outros. É mais fácil.

Meme: Reprodução Internet:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.