Dogma X Pensamento

Dogma x Pensamento

Confronto

Este texto foi construído, originalmente, como um único artigo e que colocava o contraponto entre Dogma e Pensamento como antônimos. Entretanto, à medida que vamos escrevendo mais e pensando mais, verifiquei que deveriam dividir em dois. A princípio, fiquei sem entender o motivo de que nenhum dicionário colocava as duas palavras como antônimo. Como se não bastasse, causou-me estranheza o fato de que os sinônimos “esbarravam” nos antônimos.

Assim sendo, mesmo não sendo filólogo, me pus a avaliar a etimologia e origem destas duas palavras, principalmente em função das recentes manifestações do “povão” no Brasil que colocou algumas questões como se fossem um Gre-Nal ou um Fla-Flu. O confronto da vez agora é entre dogma x pensamento e, portanto, teremos um texto-espelho em que o pensamento estará em destaque.

 Dogma

É quase impossível, pelo menos pra mim, escrever sobre um tema, fazendo a defesa da ideia, quando esta se opõe a capacidade de pensar. E, neste particular, tentar falar desta palavra (dogma) de forma imparcial é um sacrifício. Os sinônimos do termo carregam conceitos que são a antítese do livre pensar, são cabrestos ou limitadores da capacidade maior do Ser Humano.

Por outro lado, o principal antônimo que pesquisei para dogma foi sofisma, o que carrega um viés pejorativo, ou pelo meno tenta ser assim. Entretanto, aqueles que param e pensam nesta estrutura e dicotomia não conseguem ficar isentos.

Dogma é uma crença ou doutrina estabelecida de uma religião, ideologia ou qualquer tipo de 
organização, considerada um ponto fundamental e indiscutível de uma crença. O termo deriva 
do grego δόγμα, que significa "aquilo que aparenta; opinião ou crença",[ por sua vez derivada 
do verbo δοκέω (dokeo), que significa "pensar, supor, imaginar".

Fonte: Wikipedia

Ora… ora… ora… diria o filósofo contemporâneo, mas que raios de definição é esta em que um conceito imposto, dito fundamental e indiscutível, pode ter sido originado de um pensamento?

Contradição

Como opositor ferrenho do conceito e prática de qualquer dogma, seja ele filosófico (o que é impossível), mas principalmente religioso e político, fica fácil mostrar que o termo carrega uma baita contradição.

Qualquer pessoa que se dispõe a pensar, a exercer o pensamento ou qualquer de seus sinônimos, fará questionamentos básicos a qualquer dogma. Certamente, os praticantes e seguidores de dogmas, não tem a capacidade de pensar e seus argumentos (???) são apenas reprodução do que seus líderes e pseudo epistemólogos querem ver reproduzido.

Goebbels adora este tipo de seguidor de dogmas, inspirou-se nesta premissa para cunhar a frase de “repetir uma mentira 1000 vezes e ela virar verdade”. Tem sido assim nos últimos tempos no Brasil, fake news virou verdade  e o pensamento, especialmente o crítico, virou crime.

Incertezas

Em suma, não dá para ficar aqui defendendo qualquer dogma quando a possibilidade de pensar nos torna muito mais capazes em qualquer circunstância, vivemos tempos sombrios onde vale mais uma fake news bem distribuída do que pontos de vista divergentes e bem fundamentados. Vivenciamos eleições municipais em que o discurso fácil das redes sociais inebriou incautos e neófitos.

Para fazer um texto como este existe a dificuldade até para se conseguir uma imagem isenta, por isso resolvi usar charges para os dois temas antagônicos e nada amigáveis.

Tenho muito medo do que estar porvir, enquanto dogma é a ausência (de TUDO), pensamento é a presença (de TUDO), não tem como ser imparcial.

<b>P. S.</b> Em função  do explicado no primeiro parágrafo, este texto que era bem extenso, ficou mais curto, entretanto com pequenas partes repetidas e outras bem parecidas.

 

Charge: Carlos Ruas

Nota do Autor

Reitero, dentre outras, o pedido feito em muitos textos deste blog e presente na página de “Advertências“.

  • Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas.
  • Coloquem aqui, nos comentários, ou na página do Facebook, associada a este Blog.
  • Alguns textos são revisados, outros apresentam erros (inclusive ortográficos) e que vão sendo corrigidos à medida que tornam-se erros graves (inclusive históricos).
  • Algumas passagens e citações podem parecer estranhas mas fazem parte ou referenciam-se a textos ainda inéditos.

Agradeço a compreensão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.