Professor Clebinho

Professor, educação e conhecimento

Evolução

Primeiramente, a ideia deste post era apresentar um blog de um professor e as possibilidades que este serviço permite. Quando foi construído, algumas ferramentas muito úteis, não estavam disponíveis para blogs do WordPress (WP).

Usarei este post, principalmente, para aprimorar algumas técnicas e colocar em prática algumas ideias. Contanto que, não perca o sentido, será um dos que mais sofrerão alterações de todo o meu blog, .

Primordialmente, estará em constante mudança, experimentação, inovação. E, em respeito ao homenageado original, tudo continuará girando em torno da valorização do professor. Um agente de mudanças que se adapta às disrupturas dos novos tempos,  mantendo-se firme na árdua tarefa de educar.

Professor

O princípio é simples, sobretudo porque não existe educação sem um professor.

Entretanto, parece que todos os que falam muito de educação entendem pouco sobre a importância de um professores. E percebo que muitos que adotaram a profissão de professor não sabem o significado se ser professor, mestre ou tutor.

Se os pais negligenciam a educação; se as autoridades vilipendiam tudo que aprenderam; certamente, cada professor se obriga a elevar sua parte na complementação da educação. Seria até lógico que eu homenageasse a minha mãe, que era professora respeitada, mas poderei homenageá-la em muitos posts, como o “Ler ou não ler, não é a questão“. Embora pareça contraditório, afirmo que não é. Basta pensar um pouco por quê chegamos neste ponto da política no país.

Educação não é somente aquela que vem de berço, sem bem que a educação de berço faliu. E, por conseguinte, jogaram a responsabilidade nas costas das professoras e professores.

Educação

Falar sobre educação no Brasil é sinônimo de escárnio. Quando muitos professores, inclusive da rede pública, preferem o ensino privado, é sinal que a nossa sociedade está deteriorada na base da sua formação. A maioria dos  professores se julga onipotente, entretanto,muito gazetearam aulas básicas de civilidade e capacidade cognitiva.

Estamos presenciando um dos piores estágios da educação brasileira. Certamente, a cada pessoa que se perguntar sobre educação, haverá uma resposta. Constatamos que a maioria das respostas limita-se a um escopo restrito a experiência de quem responde. Chegamos a um ponto em que gestores da educação nunca estiveram numa sala de aula. Estão como na estória do “… jabuti não sobe em árvores…” sem saber quem foi que colocou o jabuti na árvore..

Assim sendo, a dramaticidade aumenta quando políticos profissionais e desqualificados passam seis meses antes de cada eleição apontando o dedo para os problemas da educação. Depois de eleito nem se lembra do que deve fazer. E a situação fica absurda quando algum mandatário faz alguma coisa e o seu sucessor faz de tudo para destruir.

Tecnologia

Ferramentas e tecnologia temos à vontade. Iniciativas como esta são suficientes para fazer uma revolução. Mas os professores com acesso a estas tecnologias ainda exitam em se doar.

Enfim, o mais importante é o debate, sem sectarismo, sem proselitismo exacerbado, sem preocupações com avaliações de politicamente correto. Sobretudo porque a educação, da forma como está, não pode permanecer.

Tem que mudar geral !

O Professor e a Tecnologia

É provável que, muitos professores rejeitem o uso da tecnologia por medo e estão ficando ultrapassados e anacrônicos. Da mesma foorma que péssimos profissionais de informática do milênio passado faziam para “segurar” seus empregos.

Participei, anteriormente,  de projeto que colocava tecnologia de ponta onde estudantes não tinham acesso. Entendo que é inconcebível que grupos de professores boicotem acesso de estudantes carentes à tecnologia, por puro medo de perderem a sua “aura” de todo-poderoso.

São todos ex-professores em atividade, da mesma forma que jogadores de futebol continuam entrando em campo enganando a torcida !

Conhecimento

Existe no mundo algumas filosofias sobre modo de vida, sobe comportamento, sobre as pessoas a partir do que dizem e do que, efetivamente, fazem. Entendo que o que melhor explica isto chama-se ÉTICA.

Mas o que isto tem a ver com o professor, a tecnologia, a educação?

Tem relação quando afirmamos que tudo passa pelo conhecimento, pela transmissão de conhecimento entre gerações, pelo aperfeiçoamento. A filosofia hacker é um pouco disso tudo.

Para o hacker transmitir conhecimento é fundamental. Ninguém é dono do conhecimento. Para o hacker, toda a informação e conhecimento devem ser livre. Todo professor deveria Imitá-lo. Buscar, diariamente, informação e conhecimento. Ter o prazer em passá-la para todos aqueles que estiveram a fim de pensar sobre cada conhecimento e de criarem coisas novas a partir do que lhes foi transmitido.

O conhecimento é LIVRE… o conhecimento deve ser COMPARTILHADO…

Mentores

Como se não bastasse, vejo alguns rábulas exigindo serem chamados de “doutores” e fico perplexo. Titulações não são nada. Doutor, Mestre, Especialista, Tutor, Monitor, nada disso garante conhecimento de tudo.

Além disso, tenho aprendido muito através de livros de estrategistas de guerra. Nas leituras que tenho feito de Maquiavel, Sun Tzu, Miyamoto Musashi percebo que vivemos numa guerra diária. Depreendo, dos ensinamentos e das suas aplicações, inclusive trazendo para estes tempos malucos de redes sociais e mídias digitais.

Professor submisso

Decerto, não importa a titulação, importa a mensagem. Cansei de ver professor boquirroto bradar sua titulação para impressionar. Lamento que faculdades e o ensino superior tenham sido tão vilipendiadas a ponto de professores se sujeitarem a certas situações vexaminosas. Entendo a necessidade de cada um manter seus filhos ou família, mas também entendo que tudo tem um preço.

Em outras palavras, dar aulas sem amor ou prazer; repetir conteúdos ano após ano; aprovar alunos sem a mínima condição de aprendizagem, chega a ser deprimente. Ressalto que não falo da “aprovação” adotada em séries básicas do ensino. Refiro-me à aprovação criminosa em séries avançadas e até no ensino superior. Por exemplo, ainda aqui vale uma analogia com o futebol, donos de escola fingem que pagam e o professo finge que educa.

Quando teremos um professor ou educador com espírito hacker ?

Educar, de maneira ética e com moralidade é preciso !

Parabéns ao Professor Clebinho, um pioneiro no seu meio, pelo trabalho que vem realizando.

(*) POST EM CONSTANTE EVOLUÇÃO.

 

Post atualizado em 29 de maior de 2018.

 

Imagem: Reprodução Blog Professor Clebinho

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.