(DES) Igualdade Social

Igualdade Social e os Pobres de Direita

Fla-Flu ou Gre-Nal ?

O que a igualdade social tem a  ver com o anagrama de dois dos maiores confrontos futebolísticos do país? A princípio, nada. Mas é provável que tenha tudo a ver. Cheguei a pensar, durante minha vida de futebolista, imaginei que a maior e mais terrível rivalidade citadina, fosse o Fla-Flu. Estava completamente errado, o Gre-Nal supera tudo.

Entretanto, depois da Copa do Mundo, ou melhor, depois da Copa das Confederações, quando houveram as tais manifestações de massa, por causa de R$0,20 de aumento de ônibus, o país entrou na espiral de manipulação de massas. De maneira absurda a mídia e os golpistas chamaram aquele ano de “O ano que o Gigante Acordou“.

Patético !

Assim sendo, a igualdade social, quando é mostrada sempre como desigualdade, faz com que as pessoas pensem quem tem que ser assim.

Após a Copa das Confederações, as patetices dos manipulados caíram no esquecimento. A nossa sociedade apodreceu, subjugada pelos déspotas derrotados nas urnas com o propósito de desrespeitar a vontade popular.

 

O brasileiro medíocre não tolera a igualdade social.
 
Para ele, a qualidade de vida individualizada não significa viver 
de acordo com o que ele merece ou planeja. O mais importante, e 
seu objetivo de vida, é ser reconhecido por todos como melhor que 
o outro. Mesmo que sejam somente aparências.

Adaptação de ideia que circula na Internet.

Igualdade Social

Entretanto, o que deveria ser debatido sobre igualdade social, virou briga de torcidas organizadas. A desigualdade social explodiu e todos os pequenos avanços de grande parcela da população pobre esvaíram-se. A disputa por um lugar ao sol saiu das arquibancadas, foi para as ruas e virou combate entre torcidas desorganizadas.

Em outros tempos e noutras sociedades / nações, a luta pela igualdade social foi ou é diferente. Aqui no Brasil, embora digam que é um país democrático, as diferenças de gênero, descendência racial, posses patrimoniais e grupos sociais determinam direitos e deveres.

A falácia aplicada neste povo é a Argumentum ad Populum, também conhecida como “Apelo à quantidade”. Brasileiro é, sobretudo, egoísta e individualista. É ensinado a agir assim desde cedo. Seja para a escolha do time de futebol, nas eleições e em outras situações, poucos se sentem confortáveis com perdedores. A história da humanidade, e no Brasil é assim, é contada pelos vencedores. Todos querem contar a sua história e não admitem esta ao lado de perdedores. Por isso nem no berçário as crianças fazem escolhas.

A igualdade social deveria começar pelo direitos e acesso amplo, geral e irrestrito, como: à educação;  à saúde;  ao trabalho; à moradia,dentre outros  previstos na tal Constituição Cidadã, tão vilipendiada depois do advento das redes sociais. Mas,pelo contrário, o que se vê é o maniqueísmo na educação básica e pobres pedindo o fim do SUS.

Com toda a certeza, a hipocrisia campeia e o fundo do poço é logo ali

Desigualdades

De acordo com Rosseau e outros filósofos mais contemporâneos, o desrespeito aos direitos fundamentais proporciona satisfação em poucos. Aqueles de classe social mais favorecida conseguem, parcialmente, seus objetivos. No Brasil, o caso chega a ser de polícia. A maioria dos que querem atingir seus objetivos, precisam passar por cima de tudo e de todos.

Logo, o ciclo vicioso é  perverso além de manter a maioria dominada.

Inegavelmente, estas desigualdades levam de roldão os pobres e aqueles que mais necessitam de igualdade social.  Saem da escola mais cedo, começar a trabalhar mais cedo, trabalham em atividades mais insalubres e, consequentemente, possuem mais dificuldades em tudo. Para piorar, os déspotas e classes dominantes pagam outros pobres que sonham em ser liberas, mesmo não tendo capital e nem propriedade. Estes vassalos ficam ao lado dos que querem o fim dos direitos trabalhistas, imaginando que exploração outro homem algum dia.Pensa nos seus lucros e detesta a intervenção do Estado para tudo, pois acha que o Estado não pode atuar sobre seu capital e propriedades.

Estes capitães-do-mato pensam que estão à margem das ´bolhas sociais`.

Pobre e de Direita

Tim Maia falou sobre porque o Brasil não pode dar certo. Um dos motivos é que pobre de direita é uma aberração política. Existem diversos textos, como o de Bretch que fala do analfabeto político, que deveriam ser minimamente apreciados pelos pobres. Entretanto, não são sequer impressos ou enviados em redes sociais.

Nossos pobres não tem capital e nem propriedade e pensam que o embate capital x trabalho não existe mais. Imaginam que por conseguirem frequentar uma faculdade os fará melhor do que o outro. Como no texto anônimo, é mais importante, ser egoísta do que pensar um metro além do próprio umbigo.

O pobre de direita atende aos seus donos burgueses, sonha em ser o cão de guarda de algum poderoso, nunca vai ter capital, é um figurante no fascismo e, para agradar seus donos e ser promovido a capitão-do-mato, faz o papel de machista, homofóbico, racista, sexista e outros “atributos”. O cara come angu com couve e arrota estrogonofe.

Aprendizes de lacaios estão proliferando como fake news de redes sociais !

 

Charge: Mafalda

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.