Show me the code

Show Me The Code

Show me the code

Certamente, a expressão título em inglês (Show me the Code) , para muita gente, vai parecer prepotência, um jargão literário ou algum tipo de falácia destinada a impressionar incautos e neófitos.

Não é !

Em outras palavras, explico dizendo que existe um filósofo de botequim que traduz esta expressão. O comentarista esportivo, quando quer que alguém mostre o que realmente tem de virtudes, diz “… vamos ver quem tem garrafa vazia para vender …”. Filósofos, da mesma forma,  tratam o tema na questão da ética, e da verdade.

Bíblia

Como se não bastasse, até na bíblia encontramos suas versões de show me the code, sendo que a mais simples, objetiva e lapidar, é a representação da verdade, mostre-me o código.

e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará

(João 8:32)

Piração

Enquanto você lê este texto, alguns amigos e conhecidos vão fundir o cabeçote e, portanto imaginarão que eu pirei de vez.

Certamente eu não enlouqueci, meus caros e minhas caras …

Por exemplo, como testemunho da minha lucidez, falo do DECRETO Nº 8.638 DE 15, DE JANEIRO DE 2016, que mostra uma mudança significativa em políticas públicas na área de tecnologia da informação.

Embora o Decreto indicado acima não proíba ou indique que o código aberto não é permitido, preocupa-nos a pasteurização de algumas palavras. Em suma, falar de transparência, abertura, segurança, privacidade, dentre outros termos, exige definição clara de significado.

Ficamos preocupados com “mudança” de rumos decretada sem que existam discussões qualificadas e feitas por profissionais de cada setor envolvido.

Filosofia

Tecnologia é uma coisa de altíssima neutralidade, como toda ciência ou atividade que exige pesquisa, estudo, aplicação. A linha divisória da aplicação desta tecnologia, para o bem ou para o mal, é imaginária e determinada pelas pessoas que a utilizam.

Sou praticante da filosofia de que todos que fazem alguma coisa obscura, que não mostram o que estão fazendo, ou estão defendendo interesses exclusivamente comerciais ou estão escondendo o que fizeram com vergonha.

Assim é com software ou programas de computador e, tem sido com a vida dominada por redes sociais que mostram o que as pessoas não são. Em se tratando de empresas comerciais, entendo que não queiram mostrar seus “segredos” de negócio. Entretanto, quando se trata de poder público, não é democrático e transparente esconder códigos. No âmbito pessoal, cada um faz o que quer, mostrar o que quer, só não queiram que eu aceite como verdade o que as pessoas tem exposto nas redes sociais, esta patuleia ainda não entedeu a relação entre ´privacidade, segurança, confiabilidade e coisas afins.

Há muito atuo na defesa do código aberto para o setor público, não importa a esfera de governo e nem o nome dos mandatários. Sempre defendi esta posição. Sempre atuei nesta linha, e é de acordo com minhas convicções.  Portanto, é inadmissível que qualquer um dos Poderes constitucionais, em qualquer esfera, privilegiem programas de computador que não mostram o código.

Libertas e Show me the code

A palavra liberdade, fortemente apropriada para as liberdades do software livre, nem sequer é mencionada nas legislações produzidas no país, simplesmente porque este povo detesta o significado de liberdade.

Sou de uma unidade da federação (Minas Gerais) em que a palavra Liberdade tem significado na história deste país. Entendo que não existindo liberdade para atuação com software, outras adjetivações como as que vemos no Decreto, ficam à mercê da “neutralidade” dos tecnocratas de plantão.

Liberdade em tecnologia da informação só torna-se uma verdade se o código é aberto, auditável, verificável e possível prever os resultados.

Infelizmente, a adoção de redes sociais superficiais e ágeis nos últimos tempos, tem invertido, completamente, a lógica do debate, da compreensão e separação de neutralidades e isenções.

Em outras palavras, a coisa toda virou um “Fla-Flu” digital instantâneo onde os interesses obscurantistas norteiam e guiam as ações de todos.

Enfim, como diria o Capitão Nascimento: “Vai dar merda” e portanto “Show me the code” deverá ser entendido como muito além de um jargão de tecnologia da informação.

Libertas Quae Sera Tamem !

 

Imagem: Reprodução Código Binário em tela de modo texto.

Nota do Autor

Reitero, dentre outras, o pedido feito em muitos textos deste blog e presente na página de “Advertências“.

  • Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas.
  • Coloquem aqui, nos comentários ou na página do Facebook, associada a este Blog, certamente serão todos lidos e avaliados.
  • Alguns textos são revisados, outros apresentam erros (inclusive ortográficos) e que vão sendo corrigidos à medida que tornam-se erros graves (inclusive históricos).
  • Algumas passagens e citações podem parecer estranhas mas fazem parte ou referenciam-se a textos ainda inéditos.

Agradeço a compreensão de todos e compreendo os que acham que escrevo coisas difíceis de entender, é parte do “jogo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.