Procrastinação

A procrastinação que vem de berço

O primeiro texto que publiquei na Internet, lá no início da Internet “.com.br” era sobre uso de tempo. Naquele texto, que sumiu no buraco negro da Internet, eu afirmava que o chavão “estou sem tempo” era a bengala que gente incompetente, e outros completamente sem noção de mundo, usavam para dar uma desculpa indevida. Dizia eu que as 24 horas diárias (e aí tecia algumas críticas às imposições e decretos da sociedade sobre nossos horários) eram iguais para todo mundo, e que tudo era uma questão de fazer ou não planejamento.

Procrastinação

Lato Sensu, procrastinar é o mesmo que deixar para depois. Parece inofensivo. Deveria ser inofensivo. Consultando alguns dicionários, podemos colher mais de uma dúzia de significados – adiar, postergar, protelar, tardar, atrasar, pospor, demorar, espaçar, prolongar, prorrogar, delongar, retardar, protrair, diferir – alguns plenamente inofensivos, outros mais graves, sempre dependendo do contexto. Todos os significados se prestam, inclusive, para ironias, analogias e metáforas. Entretanto, quando usa-se procrastinar, a coisa fica séria.

Origem

Quando tento falar da origem, não falo da origem da palavra, mas do comportamento. Como sou apenas um observador comportamental, não tenho experiência e nem observações sobre este comportamento em outras sociedades ou grupos que não sejam no Brasil, inferi que este comportamento vem de berço. E, nem sempre,devemos atribuir este péssimo hábito aos indígenas ou escravos, muito menos aos baianos, como muitos brasileiros o fazem, pejorativamente.

Entendo que o comportamento de procrastinação é devido à cultura e forma como as crianças são educadas. Se no ensino fundamental a professora exige um dever de casa para amanhã, em situações de educação normal, o responsável pela criança olha o que foi pedido e coloca o estudante para fazer a tarefa indicada antes da próxima aula. Noutra situação, se uma criança é obrigada a arrumar os brinquedos de seu quarto, não o faz e alguém faz por ela, ela sentirá desobrigada a arrumar o que quer que seja no futuro. Quando vai ganhando independência, sem disciplina e consciência de organização, a procrastinação ganha os diversos significados anteriormente indicados e vira hábito.

Educação

Repito que não conheço a cultura de outros países sobre o tema, mas por estrangeiros que já conheci e observei, eles não consideram normal os atrasos, prolongamentos, demora, protelações muito comuns nas empresas do Brasil. Mas o pior é que atribuem isto às empresas com as quais tratam e não às pessoas.

Enquanto professor universitário, tinha o hábito de planejar toda a disciplina durante o semestre e entregar para os alunos o calendário completo de aulas, trabalhos, provas etc. O comportamento procrastinatório ficava exacerbado. Quanto mais importante e trabalhoso, mais era atrasado e adiado o seu começo, logo, os efeitos de finalização eram uma consequência. Algumas vezes, testei este tipo de comportamento colocando alguma questão que exigiria a leitura antecipada e apresentação de dúvidas. Os que comportavam como esperado eram sempre os mesmos, coincidentemente, os mais interessados e educados de maneira diferente.

A minha conclusão é de que a faculdade ou universidade não conseguiria mudar ou atenuar este comportamento e que, a pior das conclusões, o mercado de trabalho estaria, cada vez mais, habitado por hordas de procrastinadores profissionais.

Redes Sociais

Com o avanço avassalador de usuários de redes sociais no Brasil (realmente, os planos das operadoras de telefonia são ultra-sedutores !) , que exigem e praticam imediatismo, dois ou mais comportamentos impróprios estão se sobrepondo a prejudicando empresas e pessoas.

O imediatismo de respostas das redes sociais, a rápida existência de manifestações em redes sociais (em algumas delas, se você procurar alguma coisa postada 15 minutos atrás, não encontrará nem rastro – exceto se a Polícia pedir) tem possibilitado ocultar a procrastinação.

Frases como “só quero saber do que pode dar certo”, expressões como “mimimi” e outras são usadas sem a mínima cerimônia para deixar quem cobra sobre compromisso e disciplina sem palavras.

Efeitos nocivos

Vejo que a procrastinação, em todos os seus significados, estão deteriorando relações nas empresas, que está excluindo quem fala ou tenta praticar disciplina e organização e pior, está se tornando algo comum e aceitável pela maioria das pessoas que desejam sem “incluídas” em todos os modismos e comportamentos massificados.

Pra mim, virou epidemia.

Não é fácil controlar ou educar pessoas para não reproduzirem este comportamento. Às vezes nos pegamos “empurrando com a barriga” até o prazo final. Pode ser normal não conseguirmos cumprir prazos, mas deixar de fazer tudo no prazo previsto ou deixar para começar na última hora, tem prejudicado muito organizações e o planejamento de outras pessoas. A procrastinação está escondendo a incompetência profissional e colocando atividades educacionais e empregos sob risco.

Qualifico a procrastinação desenfreada adicionada ao excessivo uso e dependência de redes sociais, como o maior problema das empresas nos dias de hoje. Já vi pessoas defenderem a ideia de “deixa rolar… uma solução vai aparecer” (não eram alunos em dia de prova esperando o espírito santo de orelhas baixar).

Aprendi muito com uma técnica que é conhecida como GxUxT (de Gravidade x Urgência x Tendência) e passei a tratar cada problema com um GUT mental, e a ênfase na TENDÊNCIA (normalmente varia entre 1=VAI SE RESOLVER SEM FAZER NADA até 5=AGRAVA-SE 50% A CADA PERÍODO DE TEMPO SEM AÇÃO). Mas este tipo de educação deveria ser ensinado, de forma lúdica, no ensino fundamental. Cachorro velho não aprende truque novo.

Charge: Willtirando.com.br

Pedido de Doação

Meu irmão está precisando de doadores de sangue (qualquer tipo e fator), só assim ele, e muitos outros, conseguirão prosseguir com o tratamento e ter esperança numa melhoria e retomada da normalidade.

Carlos Henrique de Oliveira (paciente do Hospital Mater Dei)

Banco de Sangue – Hemoter

O Hemoter recebe doações para pacientes que estão internados em diversos hospitais. A doação pode ser realizada para paciente específico ou voluntário para o banco de sangue.

Telefone: (31) 3295-4584

Horário: 8h às 13h, segunda-feira a sábado (sábado, somente com agendamento prévio pelo telefone).

Endereço: Rua Juiz de Fora, 861, Barro Preto – Belo Horizonte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.