Pragas Urbanas - Belo Horizonte

Pragas Urbanas do milênio

Belo Horizonte

Nasci e fui criado nesta cidade, portanto, conheço-a muito bem. Já arrumei briga com nativos de outros estados e até de outros países. Tudo por causa da minha defesa das coisas deste belo horizonte e das montanhas de Minas Gerais. Assim sendo, sou bairrista e extremista, reconheço e, certamente, melhor lugar para se viver não há. Entretanto, assim como outras cidades, de qualquer porte, algumas pragas urbanas infernizam a nossa vida.

Outrossim, recomendo a todos que nunca conheceram que a conheçam, acompanhado, é claro, por alguém que conheça e ame esta cidade. Nos meus posts de “Bate e Volta“, tenho alguns passeios altamente recomendáveis. E pasarei, em determinado momento, a indicar como fugir de pragas urbanas, uma verdadeira roubada par turistas.

Mas, porém, contudo, todavia (sempre tem um mas). A cidade tem umas pragas urbanas que só aumentam, e tem sido difícil de nos livrarmos. Toda cidade deve ter suas pragas ou coisas que seus habitantes detestam, mas certamente, algumas destas pragas urbanas tem seus defensores. Estou na fase de detestar e ficar ouriçado como um porco-espinho, quando vejo alguém insistir com estas coisas. Apresentarei algumas a seguir, e cada uma nova praga urbana que surgir será incluída e pode ter texto específico.

 

Pragas Urbanas

Anteriormente, criei este post para falar de três pragas: Drogaria Araújo, Posto Ipiranga e Boteco ruim. Entretanto, foram tantas as sugestões e tantos os comentários que sou obrigado a reformular este post. Ele tornou-se um post de “Conteúdo Estrutural” que gerará vários outros, um para uma das pragas urbanas que assolam os cidadãos de bem.

A lista tá crescendo. Se você sabe como funcionam e como nos afetam estas pragas urbanas, nos indique brevemente, faremos uma avaliação e pode ajudar em nosso conteúdo.

Drogaria Araújo

Inegavelmente, esta rede de drogarias é a mais tradicional da cidade. Faz parte da história. Quando eu era criança, o tal do Drogatel, que levava remédios em fuscas amarelos com desenho ridículo na porta, era uma atração. Os tempos mudaram e hoje os cachorros-doidos fazem as entregas, em Belo Horizonte e na região metropolitana. Mas existe uma Araújo perto de você.

A Drogaria expandiu muito em função da concorrência nacionalizada, e colocou lojas em qualquer lugar da cidade, literalmente.  Por exemplo, perto da minha casa (num raio menor do que 1km) existem quatro, e estão reformando uma loja para eu ter uma nova filial a 100 metros.

A quantidade é irritante? Sim. Mas o que mais me irrita é o atendimento e insistência de seus funcionários, brigando por produção e empurrando seus cartões de comissionamento. Aí quando chegamos no caixa ainda tem as doações do centavos ou moedinhas.

Nem discuto o modelo de gestão e algumas questões sobre remédios, genéricos e outras coisas. Mas acho que este modelo de empresa não é bom. Pelo menos pra mim.

P.S. Em função de algumas mensagens e comentários que recebi, destaco que o modelo não é bom pra mim ou para muitos dos belo-horizontinos. Estas coisas servem somente para rir um pouco em stand-up isto porque tem muito mais coisa errada.

Pragas Urbanas – Cachorro Doido

Motoqueiros que usam suas motos para trabalhar ou para ir ao trabalho e desrespeitam todas as regras de circulação e civilidade. Sou motociclista e quando alguém me chama de motoqueiro eu penso (mas não verbalizo): Motoqueiro é a Puta que te pariu. Em primeiro Lugar, sou filho de motociclista e pai de motociclista, quem é motociclista pensa como eu, punto e basta! Motoqueiro é uma raça que não pode ser confundida com motociclista.

Rubio Muradas

Raça de motoqueiros que ganham algum recurso para andar com baú adesivado com a grife “Rúbio Muradas” estampada. Uma praga.

Pragas Urbanas – Motorista de Aplicativo

Adoro tecnologia e inovação. Acompanho as transformações digitais desde o início. Trabalho com TI desde o início da década de 80 e com Internet desde 1992. Desta forma, é natural que a “desregulamentação” dos serviços de transporte urbano, como o de táxi, tenha o meu apoio.

Assim sendo, surgiram UBER, Cabify, 99 Táxi e um monte de outros nomes tipo “mais do mesmo”. No ano passado escrevi um artigo na revista FONTE (Existe um “lado B” do empreendedorismo digital – Página 54). Embora houvesse algumas limitações no artigo, eu falava sobre estas modernidades que não passam de pragas urbanas. Citei, inclusive, o UBER como algo que não era bem aquilo que diziam. O UBER nunca foi esta maravilha toda e agora, vários são os serviços que fazem parte das pragas urbanas das quais somos “reféns”. Motorista de aplicativo é das maiores pragas urbanas e falta de civilidade para o trânsito de todas as cidades. Belo Horizonte sofre com estes PÉSSIMOS motoristas que moram nas cidades da Grande BH e resolveram ganhar a vida em Belo Horizonte transportando pessoas.

Tudo em nome da economia das corridas de táxi. Economia porca? Talvez sim, em muitos casos, com certeza.

Pragas Urbanas – Posto Ipiranga

A princípio, suas propagandas nunca eram chatas, hoje ficaram repetitivas e pouco criativas. Em Belo Horizonte, os postos desta bandeira eram ruins e poucos. Lembro das duas velhinhas fofocando na janela sobre a mocinha e seu namorado no carro.

Aí veio o “pergunta lá no Posto Ipiranga”.

Da mesma forma, o bordão do posto pegou igual refrão de música ruim do Michel Teló. Os postos renovaram-se e ampliaram a rede. Serviço de qualidade que é bom. Nem perguntando. O bordão ficou chato e em Belo Horizonte, muita gente tem usado como referência para outras atividades. Enfim, tá ficando igual aquela marca de lavadora de roupas, até candidato a político tem falando a expressão.

A concorrência está dormindo, usufruindo das benesses do golpe. Ou então o povão é assim mesmo e gosta de bordões irritantes. Este bordão é muito chato se estiver associado à minha cidade. Pelo menos pra mim.

Pragas Urbanas – Boteco Ruim

Belo Horizonte é conhecida como a capital “mundial” dos botecos. Uma vez que os tais “copo sujo” são patrimônio imaterial. Outro dia, alguém da mídia publicou um ranking de quantidade de botecos por bairro. Continha erros. Colocaram a culpa dos erros nos computadores (sacripantas tem este péssimo hábito quando erram!).

Mas a capital dos mineiros (pelo menos para a maioria!) tem muitos botecos ruins. Quantidade nunca esteve relacionada à qualidade, principalmente quando o assunto é boteco em Belo Horizonte.

Mas o que mais tem me irritado é a quantidade de boteco ruim, que passa por uma sessão de boutique, vira espetaria, grill ou qualquer outro adjetivo “moderninho” e um monte de amigos do donos começam a curtir e compartilhar o lugar. O objetivo, da maioria deles, é dar um UP, falaciar o sucesso e arrumar um otário para comprar o ponto e fechar em seis meses.

Portanto, e não adianta fazermos o trabalho de consultor, empreendedores pagam e perdem milhões mas não aceitam nossos conselhos. Este tipo de boteco midiático é coisa de gente canalha, e suja o nome da cidade em relação a botecos. Pelo menos pra mim.

Exceção às regras das pragas urbanas

Enfim, tenho evitado Drogaria Araújo, Postos Ipiranga, Cachorros Doidos, Motorista de aplicativo, e botecos com badalação de rede social e muito ruins. Infelizmente, parece que eles me perseguem.

Como se não bastasse, não sou hipócrita e, no caso de taxistas e motoristas de aplicativo, tive, tenho e terei parentes que exercem estas atividades. Não ando com eles o dia inteiro e isto não os exime de estarem (des)qualificados do jeito que escrevo. O que eles fazem não tem nada a ver comigo ou com o que eu penso.

Falsidade tem limite !

No post publicado originalmente, a imagem era de um bar, muito bom, o Bar do Caixote. O bar ganhou notoriedade e cumpre aquilo que se propõe (mesmo que “descolados(as)” de rede social queiram torna-lo cult), se é que ainda não conseguiram. Retirei a referência pois estava sendo injusto. Existem exceções à regra em todas as pragas urbanas, inclusive em botecos, motoristas de aplicativo e outras. Entretanto, algumas destas pragas urbanas parece-me que não tem exceção, se as têm é porque algum funcionário dedicado cumpre além do que lhe é pedido.

P. S. – Texto atualizado em julho de 2018

 

Imagem: Blog do Flávio Gomes

P. S. – Reitero o pedido feito na página de apresentação. Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas. Coloquem aqui nos comentários ou na página do Facebook.

 

4 comments for “Pragas Urbanas do milênio

  1. Romarol
    Julho 17, 2018 at 08:16

    Evandro, o bordão “Posto Ipiranga” é praga nacional. Não tem nada haver com BH. Já, a Drogaria Araújo….
    Sobre bordões, faça um texto sobre os bordões de locutores de futebol do rádio e da televisão. Desça o cacete: Luiz Roberto e Mário Henrique, provavelmente estão entre os piores…

    • Julho 17, 2018 at 08:31

      Romarol, concordo que a praga do posto Ipiranga virou nacional… a ideia era ressaltar as pragas das grandes cidades. Para você ter uma ideia, depois que escrevi sobre isto numa rede social, um amigo associou com uma “Araújo” da cidade dele… logo outros se manifestaram…
      Aqui em BH, motorista de “aplicativo”, motoqueiro com baú da RÚBIO MURADAS Batas e outras pragas estão dominando… Tá ficando complicado…
      Sobre os bordões, são a muleta dos narradores e comentaristas… bons tempos do “não tem coré coré”,faz parte do folclore e não tem como falar em um “pior” do que outro…
      Tem gente que não ouve o Pequetito pois não suporta ele (um dos melhores narradores de rádio do país), associando letras de música e poesias a gols…
      torcedor medíocre gosta mesmo é do que reflete a imagem dele… O CAIXA taí .. até o elegem deputado…

      • Romarol
        Julho 17, 2018 at 08:42

        Vou te contar: tem muleta que vai virar caixão de tão insuportável. O cara repete… repete… repete…. é igual àqueles comentários, de sempre, no PHD. Gostei do seu blog! Tem muitos textos interessantes. Parabéns!

      • Julho 17, 2018 at 09:03

        Obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.