Minha Mãe

Mãe é para sempre

Data sobre a mãe

Em primeiro lugar, já falei sobre estas datas ditas “comerciais”. Portanto, vou ser repetitivo e o “Dia das Mães” é uma destas datas. Se bem que, a minha mãe não precisa de uma data para ser homenageada. Certamente, ela sabe muito bem e tem perfeito discernimento sobre isso.

Em outras palavras, prefiro não reproduzir a ladainha comercial deste dia.

Uma vez que, a minha está muito viva, mas longe de mim, por opção dela, uso este espaço para homenageá-la. Assim sendo, homenageio todas as mães do mundo com um simples poema. Um poema de quem viu sua progenitora ir embora, o que não é meu caso.

Poema

Para Sempre

Por que Deus permite
Que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite
É tempo sem hora
Luz que não apaga
Quando sopra o vento
E chuva desaba
Veludo escondido
Na pele enrugada
Água pura, ar puro
Puro pensamento
Morrer acontece
Com o que é breve e passa
Sem deixar vestígio
Mãe, na sua graça
É eternidade
Por que Deus se lembra
– Mistério profundo –
De tirá-la um dia?
Fosse eu rei do mundo
Baixava uma lei:
Mãe não morre nunca
Mãe ficará sempre
Junto de seu filho
E ele, velho embora
Será pequenino
Feito grão de milho

por Carlos Drummond de Andrade

Homenagem à minha mãe(*)

Assim sendo, enfim, destarte, por isso, porquanto, uma vez que, visto que, já que, em virtude de, desta maneira, destarte e tantas outras explicações, e como minha não vai ler mesmo, fica aqui a minha homenagem a todas as mães.

Entretanto, por exemplo, se algum dedo-duro ou X-9 mostrar a ela ou para alguma das homenageadas na data, tentando deturpar minha homenagem terá a minha ira. Decerto, eu não deixarei pedra sobre pedra mostrando a cada uma que bons filhos não devem aparecer somente para almoçar nesta data.

Enfim, as palavras de Drummond são suficientes para homenagear todas as mães do mundo, vivas como a minha, cheias de saúde ou não, mas servem para mostrar a todos que datas não servem para mostrar o que devemos demonstrar todos os dias, enquanto nossas mães estiverem vivas.

(*) Minha mãe, certamente, não vai ler este texto, nem meus irmãos e outros parentes, entretanto, é como a homenageio.

Imagem: Reprodução do Arquivo Pessoal Luzia Fagundes de Oliveira

 

Nota do Autor

Reitero, dentre outras, o pedido feito em muitos textos deste blog e presente na página de “Advertências“.

  • Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas.
  • Coloquem aqui, nos comentários, ou na página do Facebook, associada a este Blog.
  • Alguns textos são revisados, outros apresentam erros (inclusive ortográficos) e que vão sendo corrigidos à medida que tornam-se erros graves (inclusive históricos).
  • Algumas passagens e citações podem parecer estranhas mas fazem parte ou referenciam-se a textos ainda inéditos.

Agradeço a compreensão de todos e compreendo os que acham que escrevo coisas difíceis de entender, é parte do “jogo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.