Reinaldo Azevedo - Veja

Mais uma esparrela do Reinaldo Azevedo

Jornalistas

A rigor, tenho como princípio não falar das pessoas, prefiro o pensamento de que somente os medíocres e tolos discutem as outras pessoas e não ideias e coisas. Jornalistas, repórteres e toda uma fauna de profisionais de comunicação, diplomados ou práticos, invadiram as redes sociais. Por outro lado, o caso que me levou à exceção deste post deu-se quando saíram em defesa do “companheiro de trabalho” deles (corporativismo puro  !), o tal Reinaldo Azevedo.

Assim sendo, reproduzo algumas manchetes “elogiosas” ao jornalista:

  • Reinaldo Azevedo pede demissão de revista depois de divulgação de conversa com Andrea Neves (R7.Com)
  • Grampo com Andrea Neves derruba Reinaldo Azevedo (Brasil247)
  • Reinaldo Azevedo pede demissão da ‘Veja’ após divulgação de grampo com irmã de Aécio sem indício de crime (O Globo)
  • Reinaldo Azevedo pede demissão da Veja após conversa com irmã de Aécio ser divulgada (BOL)

Grampo e Reinaldo Azevedo

Sou introspectivo, cartesiano, racional e outros atributos de altíssima qualidade que caracterizam um INTJ. Assim sendo, não foi por acaso que o MPR fez (ILEGALMENTE !) grampo no Reinaldo Azevedo para descobrir quem era ou é fonte de informação dele.

Desse modo, por que este caso de delação, seguida de demissão, assombra a nação?

Não gosto de analogias, por isso, ficarei no caso específico e sem comparações. este negócio de grampo é igual a história de pimenta no rabo do outro, em outras palavras, aos amigos as benesses da pimenta sem ardor, aos inimigos quanto mais ardida, melhor.

Se o grampo era para a senhora Neves, aquela que mandava e das mandava em redações de jornais em Minas (parece que ainda manda). Aquela que mandava encarcerar quem ousasse mostrar a realidade dos desmandos de seu “mano”, então porque se ela tratava de negócios comprando jornalistas (???) a conversa deveria ser guardada?

Em suma, Reinaldo Azevedo é, sempre foi – e na sua carta de despedida da Veja (foi DEMITIDO!) indica que sempre será – a verdadeira esparrela do jornalismo brasileiro.

Sigilo da Fonte

Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

XIV – e assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional.

Parece que o investigado era Reinaldo Azevedo, que ele estava protegendo sua fonte e por isso, a empresa que ele recebia parte de seus salários (a outra parte vinha de criminosos, alguns investigados) o demitiu.

Reinaldo Azevedo – O Embusteiro

Fico impressionado com a quantidade de jornalistas que sai em defesa deste grande embusteiro, como muitos outros na mídia tupiniquim. Como se o processo,investigação fosse sobre o desrespeito ao Incixo XIV da CF/88. Como estão rasgando vários artigos da Constituição, não me assusto com mais esta esparrela do Reinaldo e seus defensores.

Um dia ainda irão, todos estes jornalistas arrependerem-se da defesa e corporativismo que fazem e se dar conta que trabalho como deste blogueiro é desserviço ao verdadeiro jornalismo. Pulitzer ficaria ruborizado ao constatar que existem defensores de “jornalistas” que estavam sob grilhões e no bolso da “primeira irmã”.

Enfim, tenho muito mais medo é quando a patuleia começar a dar razão para este enganador de massas, lembro-me até da frase proferida por Malcolm X sobre estes representantes da mídia.

 

Imagem: Reprodução adaptada da Internet

 

Nota do Autor

Reitero, dentre outras, o pedido feito em muitos textos deste blog e presente na página de “Advertências“.

  • Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas.
  • Coloquem aqui, nos comentários, ou na página do Facebook, associada a este Blog.
  • Alguns textos são revisados, outros apresentam erros (inclusive ortográficos) e que vão sendo corrigidos à medida que tornam-se erros graves (inclusive históricos).
  • Algumas passagens e citações podem parecer estranhas mas fazem parte ou referenciam-se a textos ainda inéditos.

Agradeço a compreensão de todos e compreendo os que acham que escrevo coisas difíceis de entender, é parte do “jogo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.