Gargamel e Smurfs

Os do Belvedere de Baixo

Existem algumas pelas literárias e filmográficas que tratam personagens de determinadas comunidades pela região geográfica, e esquivando-se de cometerem atos falhos e politicamente incorretos, usam de neologismos, paralogismos e outras acepções que não representam o real significado de uma palavra ou expressão.

Algumas sociedades ou obras de ficção, são espelho da nossa realidade. Infelizmente, o cidadão comum não tem acesso ao livre pensar sobre reflexões e opiniões como a que exponho aqui. Mas vamos sobrevivendo.

Asterix

Asterix é um personagem pretensamente fictício criad por Albet Uderzo e Renén Goscinny no fim da década de 50. A “República de Asterix está ambientada em meados de 50 a.C. quando toda a Gália havia sido ocupada pelo Império Romano, exceto uma pequena aldeia, onde reside Asterix e seus amigos, que resistem ao domínio Romano com a ajuda de uma poção mágica que lhes concedia uma força sobre-humana. A realidade sócio-política em que vivemos pode ser associada a fatos de nossa sociedade. Poderíamos dizer que uma “poção mágica” que fortalece, liberta e garante a democracia seria um bom remédio.Não temos a garantia do Estado Democrático de Direito. Esta garantia estaria na força do conhecimento de seu povo, que são ignorantões e interesseiros. .

Smurfs

Smurfs são criaturas azuis, personagens fictícios, por supuesto, criados por um ilustrador  belga, no ano de 1958. Na realidade são pequenos monstros individualistas, governados pelo Papai Smurf e estão sempre fugindo das maldades do Gargamel e seu gato Cruel (qualquer semelhança com a realidade é viagem provocada por alucinógenos). Tem a smurfette, o gênio, o ranzinza, o robusto, e vários outros. O desenho é considerado, por alguns especialistas em leitura de entrelinhas, como uma referência ao comunismo, uma vez que todos os personagens vestem o mesmo tipo de roupa, dividem tudo o que produz, não há classes sociais, e ainda existe a oposição, representado por Gargamel, que representariam o imperialismo, com a vontade de dominar os menores. Só coincidência.

O Senhor dos Anéis

Um Anel, é o elemento central da saga, o enredo passa-se na antiguidade remota da Inglaterra, mas foi escrito no período da segunda grande guerra na Europa. Um escrito rúnico no anel pode ser interpretado como: “Um Anel para todos governar, Um Anel para encontrá-los, Um Anel para a todos trazer e na escuridão aprisioná-los”. Só uma coincidência e que não serve para aplicação nos dias atuais. Aquele povo vivia na Terra Média (talvez entre a Alta e a de Baixo) e os povos de baixo ou do além são segunda categoria.

Belvedere de Baixo

Li a expressão Belvedere de Baixo recentemente, de início não captei a ideia exata que o autor (entendo ser Daniel Camargos) queria transparecer (sei que posso ser meio lento para este tipo de entrelinhas). Na segunda vez, com mais atenção, acredito que percebi o significado, lembrei-me do Gargamel, de Tulius Detritus e passarei a usá-la (a expressão, com ou sem a permissão do autor), entendendo-o para outras regiões, mas caracterizando o que a expressão personifica.

A rigor, Belvedere de Baixo, poderiam ser aquelas regiões dos bairros São Bento, Santa Lúcia, Alto da Raja, Estoril e Buritis. Todas repletas de batedores de panelas que se acham legítimos moradores do Belvedere (as panelas emudeceram), os falastrões e boquirrotos continuam. Que me desculpem os muitos amigos que conheço e que moram lá.

A regra tem suas exceções. Alguns amigos que tenho são exceções, outros são a regra. A cidade está cheia de habitantes dignos do “Belvedere de Baixo”. E acrescento, Belo Horizonte está cheia de personagens típicos, como os do Belvedere de Baixo. Todos grotescos. Espalhados pela cidade e se achando donos de tudo e de todos. Fico imaginado a aldeia de Asterix, os reinos do Senhor dos Anéis e a nação dos Smurfs com redes sociais como Facebook e twitter.

Imagem: Reprodução Ceci Aguillera

 

Pedido de Doação

Meu irmão está precisando de doadores de sangue (qualquer tipo e fator), só assim ele, e muitos outros, conseguirão prosseguir com o tratamento e ter esperança numa melhoria e retomada da normalidade.

Carlos Henrique de Oliveira (paciente do Hospital Mater Dei)

Banco de Sangue – Hemoter

O Hemoter recebe doações para pacientes que estão internados em diversos hospitais. A doação pode ser realizada para paciente específico ou voluntário para o banco de sangue.

Telefone: (31) 3295-4584

Horário: 8h às 13h, segunda-feira a sábado (sábado, somente com agendamento prévio pelo telefone).

Endereço: Rua Juiz de Fora, 861, Barro Preto – Belo Horizonte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.