Justiça de Rábula Concursado

A ditadura do rábula concursado

Rábula

O Brasil é, precipuamente, um país atípico no tratamento de diversas questões. Desde o mais vil rábula até o empresário mais correto. Pau que dá em chico não costuma dar em Francisco,uma vez que, raça, religião, sexo, idade, orientação política, classe social, tudo é tratado de maneira diferenciada. Não conheço a história da maioria dos países, percebo que quase todos obtiveram sua independência a fórceps, muitos com derramamento de sangue. Muitos povos ainda não possuem seu território e são submetidos a crueldades e tiranias.

No Brasil não é assim, e minha visão vai além dos livros escritos por quem considera-se vencedor.

Da mesma forma, a Constituição “cidadã” privilegia alguns em detrimento de outros. Existe rábula que é tratado como advogado. Sempre tiveram privilégios e não conheço outra profissão ou corporação que tenha tantos privilégios e prerrogativas “constitucionais”.

Anteriormente, desde o Brasil Colônia, criaram esta casta tem privilégios absurdos, que costumam chamar de prerrogativas. Isto alastrou e conheço muita gente que escolheu esta profissão pelos privilégios e benesses.

Conforme disse o síndico Tim Maia, não poderia dar certo.

Ruy Barbosa

Sou fã, inegavelmente, do grande  baiano Ruy Barbosa; das suas frases; de seu pensamento; de sua lógica de estadista e cidadão e das suas atitudes.

“De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto.” Ruy Barbosa

Desde que entendi esta pérola real e atualizadíssima do pensamento tupiniquim, passei a admirá-lo e estudá-lo.

Senti a vergonha que ele sentia, quando via rábulas triunfando, mas assim mesmo ele continuou lutando, da mesma forma que continuo escrevendo sobre assuntos “tabus” para não-iniciados.

Ditadura dos rábulas concursados

Observei muitos acontecimentos, posicionamentos e manifestações de juristas, advogados e operadores do direito. E, em vista disso, chega a ser deprimente a nossa completa perda do chamado Estado de Direito ou, em outras palavras, a passividade do brasileiro aterroriza.

CASOS

Um procurador do MP, usando de argumentação e justificativa claramente políticas, que refletem sua opinião de rábula, a respeito do atual governo, mandou tirar do ar a campanha das Olimpíadas.

Outro rábula, ops! procurador, ligado à Operação Lava-Jato, afirma que é preciso, realizado no âmbito da mesma operação política parte do lawfare, “refundar a República”.

Enquanto isso, um desembargador federal suspende sessão por entender que a roupa de uma advogada não estava no padrão de qualidade apropriado. Ele, desembargador, julgava necessário uma vestimenta “melhorzinha” para o tribunal “dele”.

Ministros, juízes e assemelhados nomeando filhos, filhas, noras e afins. Se bem que, se não for possível nomear sob a própria tutela pratica-se a nomeação “cruzada” ou troca de favores.

Juízes quem cometem crimes se aposentam com vencimentos Integrais. Portanto, acham normal ganharem uma, duas, três, dez vezes mais do que o teto constitucional. Entendem estes doutos que merecem auxílios e complementações além do racional e honesto para com o país.

Um ministro do Supremo, em plena sessão, e com transmissão por TV, pede respeito e diz “… aqui você não trata as pessoas como trata seus capangas …”.

Assim sendo, estou na turma do “Pega fogo Cabaré !

GOTA D´ÁGUA

Publicizo este post ao ver o desaforo e parcialidade de uma rábula, travestida de procuradora/juíza do Paraná. Durante a inquisição do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, a concursada emitiu opinião. Como se não bastasse, passou uma carraspana no depoente exigindo que fosse denominada “doutora”.

“Doutora” em quê mesmo?

Ora, ora… não consta na Constituição Federal, que o Ministério Público, tenha entre suas atribuições, refletir a opinião pessoal de seus integrantes. muito menos a preferência partidária, que lhes é vetada. Falar em “… refundar a República …”pode, inclusive, tipificar um crime constitucional. Pedir para ser aclamada como “doutora” e outros absurdos, só pode ser coisa de rábula.

Surgem indícios na mídia guiada de que alguns cargos de juízes, procuradores, auditores de Tribunais são, eventualmente, comprados. Existem operações policiais que identificaram concursos públicos com vagas compradas. Depois que os “aprovados” tomassem posse, ajudariam quem os colocou lá, certamente quando for “necessário”.

Em síntese, o fundo do poço ainda tá longe e o buraco é mais fundo e muito mais embaixo. Se fazem o que fazem com um Ministro do STF, com um ex-presidente, o que não fazem país afora com um pobre de um cidadão.

Enfim, Ruy Barbosa estaria escandalizado, com o que dizem e fazem em nome dele.

Em outras palavras, fecho com a frase (que me falha a autoria e tenho certeza que não é minha): “… Passar em concurso não é selo nem garantia de honestidade. Muito menos de caráter, de sanidade mental, de compromisso com o bom senso ou com o futuro …”

 

Reprodução: Internet

Pedido de Doação

Meu irmão está precisando, com URGÊNCIA, de doadores de sangue (qualquer tipo e fator). Só assim, ele e muitos outros pacientes que precisam de hemoderivados, conseguirão prosseguir com seus tratamentos. E poderão ter a esperança de uma melhoria e retomada da normalidade em suas vidas.

#DoeSangue

Carlos Henrique de Oliveira (paciente do Hospital Mater Dei)

Hemoter – Banco de Sangue

Hemoter recebe doações para pacientes que estão internados em diversos hospitais. A doação pode ser realizada para paciente específico ou voluntário para o banco de sangue.

Horário: 8h às 13h, segunda-feira a sábado (sábado, somente com agendamento prévio pelo telefone).

Endereço: Rua Juiz de Fora, 861, Barro Preto – Belo Horizonte.

Telefone: (31) 3295-4584

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.