Conivência Criminosa

Condescendência criminosa

Condescendência Criminosa

Muito embora não exista algum lugar que tenha a expressão e sua definição ipsis literis, é senso comum e até jurídico, que a condescendência criminosa está intimamente Ligada a atos do poder público e de servidores públicos.Uma definição bastante aceitável nos meios jurídicos pode ser obtida entendida como:

Condescendência criminosa, de acordo com o descrito no Código Penal, “Deixar o funcionário, por indulgência, de responsabilizar subordinado que cometeu infração no exercício do cargo ou, quando lhe falte competência, não levar o fato ao conhecimento da autoridade competente:”

Pena – Detenção, de 15 (quinze) dias a 1 (um) mês, ou multa.

Na Administração Pública, o funcionário deve ser cumpridor da lei. Portanto, este crime aplica-se tanto ao agente superior hierárquico que não responsabilizou subordinado que cometeu a infração (“Deixar o funcionário, por indulgência, de responsabilizar subordinado…”), porém não se aplica ao subalterno ou funcionário de mesma hierarquia que não levou o fato ao conhecimento da autoridade competente, é necessária a ascendência hierárquica.

Não admite tentativa.

Fonte: Wikipedia

Este tipo de crime, estamos presenciando a todo o momento. E se forem prender todos os criminosos do serviço público, com cargo efetivo de concurso ou não, teríamos que criar o produto de exportação, pois não teríamos prisões suficientes. Aliás, pensei numa coisa interessante. Países da África, poderiam ganhar uma grana muito boa de receita se construíssem presídios para estrangeiros… lá tem muito espaço, daria emprego a vários africanos de países necessitados e manteria estes criminosos longe de seus países de origem.

Condescendência Criminosa (2)

Nos dias atuais, a condescendência extrapola a todos os limites inimagináveis. Aquilo que era para ser um crime somente quando chefes não atuam como deveriam no serviço público, virou epidemia.

Recentemente, protagonizei, no mesmo dia, enorme incompetência de funcionários de duas empresas diferentes, que consistem em crimes contra a economia popular e ao menos desrespeito ao cidadão e contribuinte. Talvez os apressadinhos irão argumentar que se a empresa for privada, basta trocar de fornecedor do serviços. Mas aviso aos açodados que não é bem Assim que a banda toca.

Estamos presenciando o pior tipo de condescendência. Um crime. Aquele tipo que nós mesmos avaliamos como “normal” e que passamos a aceitar como natural. E quando relatamos cada caso, as pessoas não fazem nem mais cara de espanto. E se Alguém quiser formar um grupo, ou registrar uma reclamação coletiva, não encontra nem número suficiente para mostrar que a união faz a força.

E mais e mais criminosos, cientes de que a impunidade e passividade tem imperado e aumentado entre os cidadãos, contribuintes e consumidores, aproveitam-se desta passividade para avançarem sobre a carniça.

Complacência

Esta condescendência pode ser pior e mais nefasta. Se for confundida com complacência, fica ainda mais terrível. Confunde-se tudo em tempos de redes sociais. Quando se é crítico sobre as coisas que as pessoas fazem, confunde-se com ser antipático. Quando tentamos tratar a realidade, somos vistos como pessimistas. Quanto observa-se deslizes ou desvios, inclusive de caráter, dos outros, somos taxados de antipáticos.

Estes comportamentos complacentes, ultrapassam os limites da condescendência criminosa. Prejudicam a tudo e a todos. As pessoas muito complacentes< apresentam-se como boazinhas mas, na realidade, escondem-se atrás desta carapaça para se prevenir das suas próprias falhas e incompetências. Mais do que nunca, a ironia de Stanislaw Ponte Preta, virou realidade.

Cada um que cuide de praticar aquilo que entende que os outros deveriam praticar. Até Paulo Mauf é mais coerente do que radicalóides de redes sociais.

“Restaure-se a moralidade ou locupletemo-nos todos!”

 

Charge: Sinfrônio

Pedido de Doação

Meu irmão está precisando de doadores de sangue (qualquer tipo e fator). Só assim, ele e muitos outros pacientes que precisam de sangue para transfusão ou de hemoderivados, conseguirão prosseguir com seus tratamentos. E poderão ter a esperança de uma melhoria e retomada da normalidade em suas vidas.

#DoeSangue

Carlos Henrique de Oliveira (paciente do Hospital Mater Dei)

Hemoter – Banco de Sangue

Hemoter recebe doações para pacientes que estão internados em diversos hospitais. A doação pode ser realizada para paciente específico ou voluntário para o banco de sangue.

Horário: 8h às 13h, segunda-feira a sábado (sábado, somente com agendamento prévio pelo telefone).

Endereço: Rua Juiz de Fora, 861, Barro Preto – Belo Horizonte.

Telefone: (31) 3295-4584

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *