Empreendedores de Palco

Empreendedores de palco em ação

Evangelizadores

Em primeiro lugar, o mercado de trabalho ficou acirrado e vai piorar. A guerra de gerações (os millennials já estão sendo substituídos pelos centennials que ´enterram` baby boomers) recrudesceu. Empreendedores de palco viraram os evangelizadores do Terceiro Milênio, como os jesuítas na Idade Média.

Por analogia, é compreensível que empreendedores de palco utilizem de técnica de palestrantes de auto-ajuda. Não sabem do que estão falando, estão distantes do mundo real dos negócios, tem pouquíssima ou nenhuma experiência profissional. São estudantes medíocres, possuem cultura geral sofrível. Portanto, odeiam quem é generalista e se dão bem em alguma especialidade tecnológica ou, em outras palavras, fogem de quem tem experiência. Detestam questionadores que possuem e compartilham conhecimento para a patuleia, evitam o espírito hacker.

Empreendedores de palco são os evangelizadores da vez. Atuam vendendo palestras, os webinars (pra estar dentro da moda tem que ter web como prefixo !). Bradam seus conhecimentos de tecnologia e coisas como startups. Enfim, agem como se mais ninguém conhecesse destes mecanismos de auto-ajuda de vendedor de livros.

Agora é webinar !

Empreendedores de Palco

Por exemplo, o caso da Bel Pesce, “Menina do Vale”, é lapidar. A partir da auto-promoção, vendendo a ideia de sucesso, mostrando seu “case” associado ao empreendedorismo e o selfmade entrepeneurs (tipo EU SOU FODA E ME BASTO !). Quando a máscara caiu, deveria servir de exemplo para abaixar a bolinha de muito empreendedor de palco. Mas não passou de uma quarta-feira de cinzas no carnaval que se tornou a avalanche de auto-ajuda empresarial. E nem vou falar das pirâmides e venda de produtos no tal marketing de rede, epidemia esparramada em redes sociais.

Anteriormente, escrevi um artigo que era o único contraponto sobre o assunto startup e o desenfreado mundo dos empreendedores de palco. O texto ´Existe um Lado B do empreendedorismo digital`, na Revista FONTE, não foi nenhum sucesso de público, e nem de crítica. De acordo com o texto, mostro que o número de fracassos, e até mesmo os ditos sucessos propagados, é altamente questionável.

Mas é curioso ver que empreendedores de palco rejeitam questionamentos. São superficiais nas suas histórias (aliás, tenho lido e ouvido cada estorinha falaciosa de arrepiar os cabelos). Mas é assim com a auto-ajuda e está sendo com empreendedores de palco.

Falam e escrevem o que o povão quer ouvir.

Afinal, este é o “mundinho” das redes sociais. Espaço onde apoiam impeachment de uma presidenta por causa da gasolina a R$2,80 e por usar dinheiro público para ações e programas sociais. Omitem-se com gasolina a R$4,20, dinheiro em malas escondidas na casa da mãe ou jóias. Entretanto. possuir imóveis e obras de arte no exterior é “normal”, mesmo com origem do dinheiro duvidosa. Não passam de capitães-do-mato a serviço das oligarquias de uma república de panakias (recomendo a leitura).

Me engana que eu gosto

Este discurso de auto-ajuda é intencional, maléfico, cruel, perverso, falacioso, enfim, coisa de enganador.

Omite-se ou elevam números (afinal, os números governam o Mundo mesmo !) e obtêm sucesso aparente. E os críticos são sempre rotulados de invejosos ou de não conhecerem o tema.

Empreendedores de palco, raramente, respeitam e consideram o que dizem outros especialistas nas suas  ´competências`. Da mesma forma, a exceção fica por conta daqueles que pertencem à mesma ´igrejinha`. Se rezam na mesma cartilha, formam um compadrio, onde para os amigos tudo e para os inimigos os rigores da lei. E, assim sendo, conseguem arregimentar mais e mais fieis seguidores, como na pirâmides.

Algum tempo atrás, um amigo queria me convencer a entrar numa pirâmide. Eu dizia que era pirâmide e ele dizia que eu estava errado. O discurso com o qual fora adestrado era convincente (para tolos, é claro!). Insistente como são estes tipos, eu disse que entraria, desde que ele pagasse o ´pedágio`. Quando meu CPF começasse a receber as ´recompensas`, a primeira coisa que faria era restituí-lo, com algum ganho. Assim que a casa caiu, ele, aqueles que  diziam ter ganho, perderam muito dinheiro. Conheço gente que entrou na mesma pirâmide e perdeu mais de 100 mil dólares e anda com nariz empinado falando em Bitcoin, sem saber como funciona

Em suma, empreendedores de palco e gente falaciosa, aparecem aos borbotões, assim como é certo que o ditado ´todo dia sai um bobo de casa` está com os números desatualizadíssimos.

Empreendedores de palco são a bola da vez. C´est la vie !

 

Charge: Gazeta do Povo

2 comments for “Empreendedores de palco em ação

  1. Rodrigo
    30/03/2019 at 08:54

    Texto ótimo! É bem isso que hj em dia acontece com a onda dos masterclass e variados. O pior que todos abordam basicamente os mesmos assuntos que é a parte motivacional (propósito, missão, visão, gestão de tempo e suas variações) na hora de apresentar ferramentas técnicas a coisa complica. Parabéns pela publicação!

    **Único ponto negativo (bem negativo mesmo) é quando cita o impeachment da Dilma, quase sangrou meus olhos aqui. kkkkkkkkkkkkk

    • 30/03/2019 at 09:03

      É deste jeito… tem que colocar alguma coisinha … senão todo mundo “concordando” não rende prosa… 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.