Locaute não é Greve

Locaute não é greve

Locaute

Segundo o dicionário (pode pegar qualquer um !), Locaute (do inglês lockout – prender fora) é um estrangeirismo aportuguesado que significa a recusa, por parte de alguma entidade ou organização patronal, em ceder aos trabalhadores, as ferramentas necessárias às suas atividades laborais.

Normalmente, cidadãos ditos de bem, são agressivos e contrários a grevistas. Outros, principalmente os que apoiam golpistas e reformistas, são contra a greve, mas se não lhes é dado o que querem para manter seus lucros e mordomias, inventam a greve de patrão.

Não confundir locaute com greve é a base para identificarmos posicionamento político que qualquer pessoa que não seja empresário.

greve

substantivo feminino

POL
  1. 1.
    cessação voluntária e coletiva do trabalho, decidida por assalariados para obtenção de benefícios materiais e/ou sociais, ou para garantir as conquistas adquiridas e ameaçadas de supressão.
  2. 2.
    p.ext. cessação temporária e coletiva de quaisquer atividades, remuneradas ou não, em protesto contra determinado ato ou situação; parede.
    “g. de estudantes”

Rodoviários

A categoria profissional dos Rodoviários sempre foi confusa (tá, estou sendo hipócrita). Guiada por seus dirigentes, muitas das vezes pelegos e que desvirtuam a imagem de qualquer sindicalista, desenvolveram a política de um sindicalismo de resultados e de manipulação da categoria. É histórico e tradicional vermos os rodoviários como corporativos e fura-greve.

Recentemente, caminhoneiros e motoristas de estrada, fizeram o diabo com carreatas e caravanas à Brasília. Segundo estes sindicalistas, por causa do preço do diesel, do frete e outros “direitos” que julgavam esta sendo violados. Conseguiram o que queriam, deposta a presidenta, acharam que estavam de bem com os golpistas e seus apoiadores. Devem estar muito satisfeitos com o preço do diesel e o locaute que executaram.

Rodoviários de BH

Aqui em Belo Horizonte a coisa não é diferente. A categoria vira as costas para a diminuição de vagas na função de cobrador. A categoria sofre com a violência criminosa e omissão do Poder Público na garantia de exercer a profissão. A categoria sujeita-se a atividades estressantes e que está deteriorando as condições de saúde de seus trabalhadores. A categoria é desunida e não luta, nem para que suas reivindicações específicas e contra as reformas trabalhistas sejam respeitadas.

Esta categoria está pronta para aderir ao locaute e ajudar os patrões e famílias donas de empresas de coletivo na RMBH a conseguir aumento no preço das passagens. O alcaide faz seu teatro para não ficar mal com a população (afinal, ano que vem tem eleições e o prefeito vai querer algum cacife econômico e político, e dane-se o que foi dito na campanha).

Farsantes

As famílias que detêm o controle das empresas de ônibus em Belo Horizonte sempre mandaram em tudo. O Sindicato das Empresas sempre dominou a Câmara de Compensação Tarifária (CCT) que controla o dinheiro diário das passagens e passa a remuneração para as empresas, as planilhas de tarifas sempre foram uma farsa e o atual prefeito sabe disso. 

Estas famílias sempre utilizaram de greves forjadas para resolver assuntos de seus interesses (econômicos). No movimento dos perueiros, os patrões mandaram rodoviários ficarem parados para instalar o caos. O que se viu foi o fim dos perueiros e a criação de linhas que aliviavam o serviço das grandes empresas e colocavam em risco verdadeiros autônomos.

O locaute anunciado tem como único motivo dar a impressão de que o alcaide Kalil concederá reajuste baseado na necessidade de não haver greve. Entretanto, tanto os políticos do Arraial do Curral Del Rey como os bandidos otários que colocam fogo nos ônibus achando que isto ajuda alguém da população que sofre com a baixa qualidade e preços caros do transporte não passam de farsantes a serviço dos donatários das capitanias de transporte de Belo Horizonte.

Batam panelas pelo aumento da gasolina e pelo aumento dos ônibus. Vocês merecem !

 

Imagem: UOL

Pedido de Doação

Meu irmão está precisando de doadores de sangue (qualquer tipo e fator). Só assim, ele e muitos outros pacientes que precisam de sangue para transfusão ou de hemoderivados, conseguirão prosseguir com seus tratamentos. E poderão ter a esperança de uma melhoria e retomada da normalidade em suas vidas.

#DoeSangue

Carlos Henrique de Oliveira (paciente do Hospital Mater Dei)

Hemoter – Banco de Sangue

Hemoter recebe doações para pacientes que estão internados em diversos hospitais. A doação pode ser realizada para paciente específico ou voluntário para o banco de sangue.

Horário: 8h às 13h, segunda-feira a sábado (sábado, somente com agendamento prévio pelo telefone).

Endereço: Rua Juiz de Fora, 861, Barro Preto – Belo Horizonte.

Telefone: (31) 3295-4584

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.