Fakenews e opressão

Combatendo fakenews

Fakenews

Fakenews é uma coisa que sempre existiu. Devia existir na Idade Média quando os emissários do rei iam divulgando os atos. Em algum lugar, mesmo antes da imprensa ser reconstruída  por Gutemberg, nascido em 1398, alguém deve ter dado uma notícia falsa em praça pública que tornou-se verdade.

Inventor da imprensa

Bi Sheng (c. 990-1051 d.C.) foi um inventor que viveu na Dinastia Song do Norte. De acordo com um livro escrito por um oficial e erudito chinês, Bi Sheng foi um plebeu que inventou a primeira tecnologia conhecida de impressão de tipos móveis. Seu método de impressão foi anotado em detalhes no livro.

Fonte: Epoch Times

E-Farsas

Com o advento da Internet, tounou-se muito comum e até perigoso o assunto de divulgar notícias falsas. Se a mídia tradicional (rádio, tv e jornal) mentia ou divulgava algo falso, era tido como verdade (ainda é !). Uma notícia no Jornal Nacional é verdade para muita gente.

Se por um lado a Internet e redes sociais tem papel fundamental na revolução informacional do Terceiro Milênio, mecanismos de validação da informação deveriam ser mais criteriosamente aplicados. Fakenews de jornalões é cortina de fumaça para enganar os bilhões de usuários de redes sociais mais preocupados e disseminadores d fofocas e inutilidades.

Após alguns anos de Internet, para combater os hoaxes ou notícias falsas, começaram a surgir sites e espaços virtuais para desmentir. Trabalho árduo e precariamente reconhecido. Sites como e-Farsas, boatos.org e outros, cresceram pelo mundo.

Combatendo Fakenews

Na condição de profissional de segurança da informação, com atividades de auditoria em ambientes informacionais e de TI, sempre combati este tipo de ação. O bom combate às fakenews tem que ser n nascedouro. Informação deturpada, é como rastilho de pólvora rumo à dinamite.

Na condição de professor que preza pelas questões conceituais que deve se basear nas evidências, perdi a guerra. Antes, avisava as pessoas de meu relacionamento, reservadamente, se observava alguma mentira ou hoax sendo propagado. Até que e determinado momento dois ou três destes espalhadores de mentiras ficaram revoltados com as minhas observações. Desde então, larguei mão de tentar alertar gente que tem a mente deformada e gosta de ser “curtido” pelas mentiras, boatos e fakenews que espalha. São uns pobres coitados adestrando seus filhos com o que há de pior.

Jornalões

Como, especialmente no Brasil, não há nada que esteja tão ruim que não possa piorar. Os jornalões, que “evoluíram” para o mundo digital, resolveram se apresentar com seções e editoriais de fakenews.

É curioso ver como órgãos da mídia como Folha de São Paulo (UOL) e Estadão (Agência Estado) se apresentam como defensores da “verdade” e esquecem de casos como “Escola Base” e “Massacre de Leme”, dentre centenas de outras mentiras perpetradas por suas imundas páginas de opinião travestidas de fatos.

Fakenews ou Opinião ?

Recentemente, o Estadão publicou editorial (ou equivalente, sei lá), criticando o marco civil legal, tratando-o como inadequado. Adequado pra quem mesmo? O Estãdão deveria adestrar seus funcionários a publicarem fatos; deveria ensinar seus repórteres serem investigativos; e a pagar a seus a editores para serem, minimamente éticos.

Em breve, outros representantes da mídia ( Recomendo  ler “Revisitando Montesquieu no Século XXI” ) estarão com seus canais e suas editorias sobre fakenews. Mais do mesmo. Manipulação a gente vê por aqui. Famílias seculares donas dos meios de comunicação que sustentam ou derrubam políticos de acordo com suas conveniências e necessidades.

Um jornalão que publica opinião como se fosse fato é amoral e aético. Não tem qualificação para falar do Marco Civil e defender bandidos a partir do que acontece em outros países. A sociedade brasileira um dia vai ter o seu espaço para combater mentira e opinião parcial travestida de notícia.

Estamos perdendo a guerra da informação que gera conhecimento. Goebbels iria adorar suas mentiras repetidas 1 milhão de vezes tão rapidamente. A história poderia ser diferente. Se o cidadão de bem nã combater, de verdade, fakenews e outros golpes, estaremos (já estamos!) ferrados.

 

Imagem: .Reprodução Internet

Pedido de Doação

Meu irmão está precisando de doadores de sangue (qualquer tipo e fator). Só assim, ele e muitos outros pacientes que precisam de sangue para transfusão ou de hemoderivados, conseguirão prosseguir com seus tratamentos. E poderão ter a esperança de uma melhoria e retomada da normalidade em suas vidas.

#DoeSangue

Carlos Henrique de Oliveira (paciente do Hospital Mater Dei)

Hemoter – Banco de Sangue

Hemoter recebe doações para pacientes que estão internados em diversos hospitais. A doação pode ser realizada para paciente específico ou voluntário para o banco de sangue.

Horário: 8h às 13h, segunda-feira a sábado (sábado, somente com agendamento prévio pelo telefone).

Endereço: Rua Juiz de Fora, 861, Barro Preto – Belo Horizonte.

Telefone: (31) 3295-4584

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.