Dois Anos - Cidade Maia

Dois anos bem vividos

Dois anos atrás

Foi num 2 de fevereiro, dois anos atrás e inesperadamente, comecei meu blog pessoal.

Algumas pessoas que me questionavam uma vez que eu oferecia tecnologia e serviços para blogs alheios e não tinha um blog pessoal. Entendi e aceitei o desafio (repetitivo e pueril, por supuesto !) e comecei com um post que exortava à doação de sangue e pedia doadores para uma causa pessoal, pois meu irmão foi diagnosticado com leucemia.

Portanto, passados mais de 730 dias, posso dizer que escrevi quase mil posts. Muitos temas como Passeio Bate e Volta (link em revisão), suscitaram blogs específicos que serão lançados. De maneira idêntica, outros suscitaram opiniões relevantes de leitores e parcos comentaristas. Entretanto, Entendo a maioria das pessoas ter extrema preguiça de escrever e optar por “curtir” sem dar uma palavra.

Tenho a certeza que vários temas deveriam provocar mentes e corações em direção ao livre pensar, mas não tiveram este efeito.

Modestamente, digo que estou até aprendendo a escrever melhor. Seria muito prazeroso se reescrevesse, um a um, os posts publicados visto que ficariam mais apropriados. Eventualmente, vou ajustando um a um.

O Fim do Mundo antes dos Dois anos

A mídia internacional anunciou uma descoberta fenomenal, que a maioria dos habituées de redes sociais deu pouca ou nenhuma importância. Descobriram construções da civilização Maia, na Guatemala, América Central, quer dizer, um aumento de dezenas de milhares de moradias e da população Maia estimada. Provavelmente, algo em torno de 10 milhões de pessoas.

Vários foram os posts com citações e referências à civilização Maia (o primeiro post O FIM DO MUNDO, viria em 31 de março de 2016, simbólico, não ?). Principalmente na questão do fim do mundo, que eles anunciaram que seria em dezembro de 2012. Muitos zombaram dos Maias e de quem acreditou neles. Desde então, tenho repetido que o mundo acabou naquela data e estamos vivendo uma transição. Não tem nada de apocalíptico, cinematográfico ou trágico.

Acreditem, acabou mesmo !

Civilização

Nestes dois anos, publiquei uma grande variedade de temas. Contudo, alguns deles, foram  marcantes. Por exemplo, quando escrevi sobre um trabalho de um jovem adolescente do Canadá, que afirmou existir estas ruínas descobertas recentemente. Estudiosos e donos da verdade, trucaram o garoto. Eu apoiei. Provou-se a correção do garoto, quer dizer, os Maias tinham fortíssima relação com a posição das estrelas. Ressalta-se que meu nickname, desde sempre, foi o nome de uma constelação – Pyxis . #TamosJuntos !

Acredito que um dia, esta nossa civilização ocidentalizada e fugaz irá descobrir os mistérios do mundo e da civilização Maia. Até lá, recomendo estudar um pouco do calendário Maia e entender porque o mundo acabou e vivemos neste mundo de passagem para o futuro.

Enfim, vivemos muito mais do que dois anos após o fim do mundo !

Dois anos e quase mil textos, mostrando a viabilidade de um blog, e sobrevivemos !

 

Imagem: Wild Blue Midia (Reprodução de imagem de construções da civilização Maia_

 

Nota do Autor

Reitero, dentre outras, o pedido feito em muitos textos deste blog e presente na página de “Advertências“.

  • Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas.
  • Coloquem aqui, nos comentários ou na página do Facebook, associada a este Blog, certamente serão todos lidos e avaliados.
  • Alguns textos são revisados, outros apresentam erros (inclusive ortográficos) e que vão sendo corrigidos à medida que tornam-se erros graves (inclusive históricos).
  • Algumas passagens e citações podem parecer estranhas mas fazem parte ou referenciam-se a textos ainda inéditos.

Agradeço a compreensão de todos e compreendo os que acham que escrevo coisas difíceis de entender, é parte do “jogo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.