Saúde Mental

Os Alienistas e a saúde mental

Livros e Autores

A saúde mental é o título de duas obras literárias. Acima de tudo, “O Alienista” original, pra mim, é o livro de Machado de Assis, considerado uma ficção literária humorística. A cópia, é do escritor estadunidense, Caleb Carr. Considerando que Machado de Assis morreu em 1908 e sua obra tornou-se Domínio Público em 1978, o título e até o enredo, da obra de Carr, publicada em 1994, parece não ter correlação.

Fiquei curioso, quando vi que, um pouco antes do prazo de início do “Domínio Público”, Nélson Pereira dos Santos escreveu, dirigiu e produziu um filme do gênero comédia chamado “Um Azyllo muito Louco” (em inglês “The Alienist“).

Como se não bastasse, fico surpreso quando vejo que em 2018 estreou a série “The Alienist” (original Netflix), baseada no livro de Carr. O livro de Machado de Assis foi publicado em 1882, a série Netflix é ambientada em meados dos anos 1890.

Enfim,são somente coincidências. A saúde mental é tema que atrai muitos curiosos e até especialistas.

Que loucura !

Todos Loucos

No livro de Machado de Assis, o personagem central, Dr. Simão Bacamarte, é o doutor que estuda a saúde mental dos habitantes de determinada cidade e ganha “alvará” para internar quem quiser. A novela machadiana seria uma interessante série de produção nacional. Traria a discussão da saúde mental para patamares atuais.

Muitas frases do protagonista são repetidas hoje como se de Machado de Assis fossem. Não entendem de ficção. Por isso não entendem diálogos hollywoodianos.

Confesso que não vi o filme de Nélson Pereira dos Santos e nem li o livo de Carr, mas vi a série da Netflix, de uma paulada só. O filme brasileiro foi indicado no Festival de Cannes de 1970. Será que a série estará nas indicações do Grammy ou coisa parecida.

Adoro a história e li o livro várias vezes. A questão a “Casa Verde” faz parte do imaginário de pessoas que nunca leram o livro, mas ouviram alguém dizer que casas pintadas de verde tem pessoas loucas dentro. Conheço uma pessoa da minha idade que comentou: “… nunca pintaria minha casa de verde …”.

Evito, atualmente, ler o livro de Machado de Assis. Não quero ser confundido, eventualmente, com um louco.

A saúde mental é tema sério !

Saúde Mental

Embora alguns amigos, ainda bem que são amigos, vez por outra sugiram que eu devesse procurar um especialista, nunca fui. Acredito que sou normalíssimo e sintomas de algum problema de saúde mental são naturais, reflexos da minha lucidez. Como na obra original, vejo que estão todos loucos, e alguns merecem a alcunha de Simão Bacamarte.

É provável que as redes sociais transformaram gente normal e malucos potenciais em sociopatas contumazes. Infelizmente, s profissionais da saúde mental equiparam a todos como normais. Discordo completamente desta visão e estou mais na linha de Raul Seixas e outros pensadores como Aristóteles.

Frases

Sou louco porque vivo em um mundo que não merece minha lucidez.
Bob Marley

O louco, o amoroso e o poeta estão recheados de imaginação.
William Shakespeare

Se me apetece rir de um louco, não preciso de ir procurar muito longe; rio de mim mesmo. 
Sêneca

A arte de ser louco é jamais cometer a loucura de ser um sujeito normal.
Raul Seixas

Nunca existiu uma grande inteligência sem uma veia de loucura.
Aristóteles

Fonte: Internet

 

Eu costumo dizer, um dia vira frase feita, que louco, de verdade, é aquele que se você der uma nota de cem dólares e mandar rasgar, ele rasga e te devolve as duas metades. Já que se ele não rasgar, concluo que está no perfeito estado de saúde mental.

Em outras palavras, não existe ninguém normal.

A Série

Enfim, virei um maníaco, não depressivo e compulsivo de séries. Embora isto não de defina com algum problema,  distúrbio ou transtorno moderno. Entretanto, tenho ficado louco, nos limites aceitáveis da boa saúde mental, com estes(as) críticos(as) de redes sociais da série. Um bando de neófito que assiste um ou dois episódios de uma série e sai criticando e escrevendo “não recomendo”. Chegam ao ponto de esfregar títulos acadêmicos, obtidos em qualquer botequim da esquina, para vender sua sapiência.

Por outro lado, tenho problemas com os “adorei”, “dez motivos para ver” e outros típicos de fãs de atores ou autores que escrevem para cumprir roteiro de macaca de auditório.

No caso da série Alienista, fiquei imaginando que poderia ter outras temporadas baseadas em episódios menos reais. Posteriormente, numa sequência, imagino uma série ou temporada com os casos relatados por Machado de Assis. Não é bairrismo, suspeito que Machado de Assis escrevia novelas muito melhor do que escreve Carr.

Sem dúvida, a série baseada no livro de Carr trata a saúde mental de forma mais realista. A série nos faz imaginar como era no final do século 19 e até meados do século XX.

Com efeito, o tratamento representado na série é muito cruel. Algumas cenas são duras e não é uma comédia romântica. Logo, falar em preconceito parece piada quando percebemos uma pálida ideia de como eram tratados as pessoas com distúrbios mentais.

Vida Real

O horror retratadona série eu Imagino que esteja ultrapassado, ao menos no Brasil. Mas que não deve ser menosprezado por ninguém, mesmo que sejamos todos loucos.

Existem analogias que nos fazem pensar no assunto.

Por exemplo, conheço um habitante de redes sociais que está louco, de pedra. Mas se nem a família dá conta, fazer o quê ?

Analogamente, um destes blogueiros desconhecidos fez uma interessante abordagem sobre a Gilmar Mendes, do STF. Dizia ele, entre outras, “… O que dirá Gilmar Mendes, o *Simão Bacamarte* do Judiciário, sobre o habeas corpus do médico estuprador …” sobretudo se houvesse uma possível “recaída” do criminoso solto.

Em suma, eu diria: loucura, loucura, loucura ! ! !

 

Imagem: Reprodução Internet

Pedido de Doação

Dois anos após, reitero meu pedido inicial.

Meu irmão está precisando de doadores de sangue (qualquer tipo e fator). Só assim, ele e muitos outros, que precisam de sangue para transfusão ou de hemoderivados, conseguirão se tratar. E poderão ter a esperança de uma melhoria e retomada da normalidade em suas vidas.

#DoeSangue

Carlos Henrique de Oliveira (paciente do Hospital Mater Dei)

Hemoter – Banco de Sangue

Hemoter recebe doações para pacientes que estão internados em diversos hospitais. A doação pode ser realizada para paciente específico ou voluntário para o banco de sangue.

Horário: 8h às 13h, segunda-feira a sábado (sábado, somente com agendamento prévio pelo telefone).

Endereço: Rua Juiz de Fora, 861, Barro Preto – Belo Horizonte.

Telefone: (31) 3295-4584

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.