Tim Maia - O Sindico

Tim Maia – O Sindico

Síndico – Tim Maia

Tim Maia brigava com todo mundo. OPS !!!!,  #SQN, quase todo mundo não aceitava Tim Maia. Ele era o cara, o verdadeiro e único Síndico. Entretanto, ele não era reconhecido como tal, da mesma forma que muitos dos grandes artistas, teve mais sucesso depois que faltou aqui na Terra. Assim sendo, quando vejo, ouço ou leio de  produtor musical, produtores de shows, diretores de TVs, et caterva, falando bem do “síndico”, nestes 20 anos sem o nosso profeta, enjoa e enoja.

O Cara

Em suma, Tim Maia tinha tudo, fez de tudo, teve sua vida retratada num filme que gerou polêmica (até depois de morto o “cara” gera paixão e ódio). Em outras palavras, ele tinha um gênio forte, firme, radical e objetivo que era “agressivo” (na visão daqueles que o odiavam e preferiam falar da pessoa e não das ideias). Era taxado de machista, preconceituoso, viciado, mas tinha um talento maior e mais denso que o seu excesso de peso e a sua gordura,

Por outro lado, encarava a tudo e a todos de maneira peculiar; fazia discos e músicas proféticas, sábias e filosóficas. Sua discografia revela uma riqueza de sons e experimentos que nos deixa extasiados. Um verdadeiro descobridor dos sete mares.

Tim Maia

Certamente o artista deixou sua marca muito além da imagem passada pela mídia. Fez músicas que somente ele poderia interpretar, músicas que somente interpretes especiais e únicos podiam cantar.

Naquele 8 de março de 1998, Tim Maia subiu no palco do Teatro Municipal de Niterói e não completou a apresentação. De acordo com a imprensa “alternativa”, especulou-se que seria mais um dos seus “piripaques”. Não era, com certeza passou mal, entrou num hospital e saiu de lá para o cemitério.

Faz muita falta o crítico que encarava todo mundo, do todo-poderoso da Globo aos políticos no poder. Todos o temiam e sua profecia de que o Brasil não pode dar certo, está comprovada. Nem a Máfia deu “certo” no Brasil. No país onde prostituta se apaixona, cafetão tem ciúme, traficante fica viciado e, além disso, tem pobre que é direita, a chance de termos gente que pensa é remotíssima.

Fosse vivo, Tim Maia teria alguma coisa a dizer para um país em que 100 milhões de ligações dando dinheiro para a Rede Globo e seu BBB e que deixam à míngua a ciência e pesquisa do país, com evasão de cabeças pensantes. Não pode dar certo.

Classe Dominante

Tim Maia não apenas lutava contra uma classe dominante Infecunda, imunda, hipócrita, destas que comemora a morte de Marielle Franco e Anderson Gomes. Nesta data, optei por falar dos 20 anos do Síndico. Marielle e Anderson serão lembrados daqui um mês.

Assisti o filme biográfico sobre este enorme personagem da nossa história cultural. Particularmente, não gostei do que vi pois desfez muitas ideias que eu tinha do artista, pessoas próximas a ele também fizeram suas críticas. Atuei, durante muitos anos, com sonorização mecânica. Meu sonho era de, ao menos uma vez, tomar conta do som numa “passagem” de áudio do Tim, só para ele pedir mandando “cadê o grave?” ou “cadê o retorno?” e eu, em seguida, abriria um sorriso e colocaria os woofers para fazerem tremer o planeta.

O Síndico não deixaria barato, enfim, a saudade é imensa !

 

Imagem: Reprodução Internet

Nota do Autor

Reitero, dentre outras, o pedido feito em muitos textos deste blog e presente na página de “Advertências“.

  • Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas.
  • Coloquem aqui, nos comentários, ou na página do Facebook, associada a este Blog.
  • Alguns textos são revisados, outros apresentam erros (inclusive ortográficos) e que vão sendo corrigidos à medida que tornam-se erros graves (inclusive históricos).
  • Algumas passagens e citações podem parecer estranhas mas fazem parte ou referenciam-se a textos ainda inéditos.

Agradeço a compreensão.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.