Tim Maia - O Sindico

Tim Maia – O Sindico

O Síndico

Tim Maia brigava com todo mundo. OPS! #SQN. Todo mundo não aceitava Tim Maia. Era o cara. Era o Síndico. Só que não era reconhecido como tal. Assim como os grandes artistas, teve mais sucesso depois que faltou. Assim como outros artistas, ver muito produtor musical, produtos de shows, diretores de TVs falando bem de Tim Maia nestes 20 anos sem nosso síndico, enjoa.

O Cara

Tim Maia tinha tudo, fez de tudo, teve sua vida retratada num filme que gerou polêmica (até depois de morto Tim Maia gera paixão e ódio). Tinha um gênio forte, firme, agressivo (na visão daqueles que o odiavam e preferiam falar da pessoa e não das ideias). Era taxado de machista, preconceituoso, viciado, mas tinha um talento maior e mais denso que o seu excesso de peso e a sua gordura,

Encarava a tudo e a todos e fazia discos e músicas proféticas. Sua discografia revela uma riqueza de sons e experimentos que nos deixa extasiados. Um verdadeiro descobridor dos sete mares.

Tim Maia

O artista deixou sua marca. Fez músicas que somente ele poderia interpretar. Fez músicas que somente interpretes especiais e únicos podiam cantar. Tinha um atributo especial. Eu que atuei durante muitos anos com sonorização mecânica queria, ao menos uma vez, tomar conta do som numa “passagem” de áudio do Tim. Só para ele pedir mandando “cadê o grave?” ou “cadê o retorno”.

Naquele 8 de março de 1998, Tim Maia subiu no palco do Teatro Municipal de Niterói e não completou a apresentação. Especulou-se que seria mais um dos seus piripaques. Não era. Passou mal, entrou num hospital e saiu de lá para um cemitério.

Faz muita falta o crítico que encarava todo mundo, do todo-poderoso da Globo aos políticos no poder. Todos o temiam e sua profecia de que o Brasil não pode dar certo, está comprovada. Nem a Máfia deu “certo” no Brasil.

No país onde prostituta se apaixona, cafetão tem ciúme, traficante fica viciado e tem pobre que é direita, a chance de termos gente que pensa é remotíssima.

Fosse vivo, Tim Maia teria alguma coisa a dizer para um país em que 100 milhões de ligações dando dinheiro para a Rede Globo e seu BBB e que deixam à míngua a ciência e pesquisa do país, com evasão de cabeças pensantes. Não pode dar certo.

Classe Dominante

Tim Maia lutava contra uma classe dominante Infecunda. Imunda, hipócrita, destas que comemora a morte de Marielle Franco e Anderson Gomes. Nesta data, optei por falar dos 20 anos do Síndico. Marielle e Anderson serão lembrados daqui um mês.

O Síndico não deixaria barato! Saudades !

 

Imagem: Reprodução Internet

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *