Desembargadora do Mal

Desembargadora do mal

Redes Sociais

Quando digo que o mundo acabou … faz tempo. Patetas e teleguiados tomaram conta das redes sociais e uma desembargadora do mal é somente mais uma aproveitadora a usar outros como massa de manobra. E as falácias manipulam até os que se dizem letrados. Falácias e sofismas ganham o mundo e viram fato.

Estou muito desanimado. Venho dizendo e escrevendo sobre este cotidiano mas está difícil. Por um lado é bom pois tem assunto todos os dias, mas estamos caindo na vala comum do “todo mundo fala disso” e não avançamos nada…

Aí uma desembargadora do mal serve de “exemplo” para sociopatas travestidos de cristãos e de politicamente engajados. Os covardes gostam de se esconder atrás do que outros escrevem e se foram “otoridades”, melhor ainda.

Argumentum ad verecundiam

Tenho sido acusado, com frequência, de escrever muito e não dizer nada. Agora vou abrir espaço para explicar sobre o que escrevo.

Argumentum ad verecundiam é uma expressão em latim que traduz uma falácia. Funciona assim. Alguém, um paralogista, não tendo um argumento para mostrar a sua opinião (geralmente uma opinião de sociopata) usa da autoridade de alguém (o nome ou a opinião) para tentar parecer que a sua opinião tem fundamento e está correta.

Aí, incautos e gente tapada se baseiam na “otoridade” de quem proferiu uma opinião questionável para esquecer as razões e fundamentações da proposição. Redes Sociais se prestam a compartilhar esta mentira deslavada, uma falácia na boca (ou teclado) da autoridade (que muitas das vezes nem pode ser confirmada e vira e-farsa) e a coisa se alastra pior que um rastilho de pólvora, sem controle.

Este é o caso da fala da desembargadora do mal.

Desembargadora do mal

A empáfia e insanidade destes paralogistas extrapola qualquer sentido racional. Resolvi não falar sobre a execução da vereadora do Rio de Janeiro e seu motorista no dia do fato, vai ficar para outro momento. As opiniões no calor do fato estavam me cheirando muito mal. O cheiro contaminou a tudo e a todo.

Uma das coisas que me cheirou mal foi a opinião de uma pretensa desembargadora ( rede social tem disso … ) que se expressou sobre o assassinato da vereadora. Marília Castro Neves ganhou sua notoriedade, como na frase de Andy Warhol, que nas redes sociais resume-se a 15 segundos que viram uma eternidade. Virou pauta da mídia, tá feito o trabalho.

Esta Castro Neves publicou numa rede social, julgamento de valor e opinião sobre a vereadora assassinada. É um direito dela. A princípio sim. Já escrevi que a minha opinião é simples: Juízes manifestam-se SOMENTE nos autos. Se manifestam sobre autos de outros juízes, estão cometendo desvios éticos e profissionais. Mas estes desvios de conduta viraram rotina e são aceitos pelos cidadãos “de bem” que cometem os mesmos desvios no dia-a-dia.

Não quero nem saber do conteúdo publicizado pela desembargadora do mal (a partir de informação falsa de rede social). E nem vou reproduzir a folha corrida da representante do Judiciário. Se fizesse isto, como a maioria está fazendo, estaria cometendo a falácia de envenenar o poço. Não é necessário.

Ela é só mais uma a cometer a falácia e vejo vários perfis compartilhando o que ela escreveu, como se fosse verdade, um monte de teleguiado curtindo e não se discute a falsidade e falácia da desembargadora.

Estes falsos representantes do politicamente correto ainda se escondem atrás de “… vamos aguardar pelos fatos”; ” … vamos esperar a investigação”; “… não desejo a morte”; “… tiveram o que mereciam”; “… está diante de Deus para seu julgamento”. Isto é ser covarde. Influenciam muita gente e não tem a hombridade de depois de “investigado”, fazer algum comentário. E nem vou entrar no mérito se estas pessoas são do judiciário, ligados a alguma seita cristã ou possuem púlpito para guiar outras pessoas. São covardes!

Farsa

Este tipo de situação é muito comum no Brasil. Geralmente envolve a politica rasteira e em ano de eleição se alastra. Era prerrogativa da mídia de massa fazer este tipo de manipulação. A revolução digital ganhou aliados.

A farsa agora tem desembargadores e “formadores de opinião” que ajudam a construí-la. Os do Judiciário fazem greve por conta do auxílio-moradia e se prestam a aproveitar um cadáver, e contam com ajuda da mídia e teleguiados, para praticar diversionismo. Não tem retorno.

Maldita inclusão digital !!! Malditos Farsantes !!!

 

Charge: Blog Para Além do Cérebro

2 comments for “Desembargadora do mal

  1. Rafael
    Março 25, 2018 at 02:56

    É a mesma juíza que disse que Jean Wilys não mereceria a bala de sua execução ee que ia “ali se matar” ao saber da existência de uma professora portadora de Síndrome de Down. Parafraseando Barroso, é muito mau sentimento.

    • Abril 3, 2018 at 19:31

      Rafael, esta desembargadora faz o que a maioria dos que habitam no Judiciário fazem. Ela faz em rede social. Conheço MUITOS que só não estão e rede social por causa da idade. Juízes, desembargadores e muitos outros do Poder Judiciário são PODRES. São a regra.
      A exceção é exceção !

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.