Receita Federal

Maldito Leão da Receita Federal

Comemorando

O 30 de abril não é um dia para comemorar nada, principalmente no meu caso, onde a culpada é a Receita Federal do Brasil (RFB, para os íntimos). Em tempos de redes sociais malignas (Escândalo Cambrige Analytica), e com o Facebook ajudando a destruir pessoas e instituições para quem lhe paga melhor, eu não deveria escrever sobre isto.

Enfim, vou escrever e publicar, sob minha conta, responsabilidade e risco.

Datas comemorativas

Desde que criei o blog, escrevo sobre estas datas comemorativas, a maioria de péssimo gosto. O 30 de abril nem é muito significativo, para a maioria dos povos no mundo. Se bem me lembro, a primeira vez que falei sobre minha ojeriza a estas datas foi no Dia do Motociclista. Tenho sido repetitivo e, cada vez mais, convicto.

Dia Nacional da Mulher.

Como assim ? Não existe o Dia Internacional ? Precisa de um dia nacional ? Com todo respeito à valorosa enfermeira Jerônima Mesquita, mas nem 3 % das mulheres brasileiras sabiam ou sabem da data e da motivação. Algum leitor(a) conhece alguma pessoa que comemora o Dia Nacional da Mulher?

Dia Internacional do Jazz.

Tudo bem, reconheço que toda a manifestação musical, em qualquer lugar do planeta e qualquer gênero, merecem especial deferência. Mas separar rock, jazz, samba e outros gêneros, me causa espécie. Parece-me algum tipo de segregação de defensores de determinado gênero. Amigos que gostam de jazz não estão nem aí para a data.

Dia do Ferroviário

Em 1854, num 30 de abril, era inaugurada a primeira ferrovia do país. Abria-se, mesmo antes da abolição (fake) da escravidão, um grande e promissor mercado de trabalho. Mas os políticos, cuidaram de criar o dia no Rio de Janeiro, em São Paulo e esculhambaram tudo. Certamente, não foi por isso que a profissão e as ferrovias foram vilipendiadas e esquecidos.

Outras datas

Se bem que existem algumas outras datas “exóticas”. Cito algumas: Dia da “Medicina Veterinária”; Dia da “Romaria dos Cavaleiros de São Jorge”; Dia das “Igrejas Evangélicas Assembléia de Deus”, para falar das nacionais. É provável que existam milhares de datas internacionais curiosas como o Dia da Rainha (Países Baixos e possessões holandesas); o Dia da Liberdade (Vietnam) – talvez a mais significativa, para eles; a Véspera de Bealtaine (Feriado Druida) – acreditem, a véspera !

30 de abril é, no calendário romano, vivemos sobre o calendário gregoriano (mas isto é outra história), o dia da véspera das calendas de Maio. Interessante não?

Ah!, quase ia esquecendo. Nesta data, foi registrada a morte de Belchior, um ano atrás. Mas, definitivamente, não dá para “comemorar” e muito menos celebrar, a data da morte de ninguém.

Nós, uma vez que estamos vivos, morremos por causa da Receita Federal, todos os anos. Destarte, voltemos à proposta de instituição do Dia Nacional contra o Leão Injusto.

Receita Federal

Mas o que é a Receita Federal, mais conhecida pela figura do Leão faminto e que morde a tudo e a todos?

É um órgão do governo federal que se preocupa somente em ferrar com quem não tem como sonegar. Aqui aplica-se, perfeitamente, o Dilema Tostines. O brasileiro sonega muito porque a RFB ferra a todos, ou a RFB ferra, seletivamente, porque a maioria que sonega fica impune?

O dilema é real, a Receita que alivia mais de R$25 bilhões de um banco é a mesma que ferra cidadãos assalariados, como eu, que não tem direito nem a defesa justa e tempestiva. Que é condenado à revelia porque um determinado fiscal ou pulha concursado escreveu que foi entregar uma intimação e o endereço que eu informei à Receita Federal durante mais de 30 anos, “… não existe …”.

Ora, ora, ora … Que tipo de gente se presta a estas coisas? Qual a vantagem que ele leva. No meu caso tem muitas explicações e complicações. Se fosse o Sérgio Chapelin, no Globo Repórter, teria dito o bordão: ” Onde vivem estas pessoas? A serviço de quem estão? O que fazem para dormir à noite? ”

Ajuste Anual

A figura do Leão ficou marcada, para o mal. Não sei qual o publicitário que atendia a Receita Federal na instituição desta imagem. Ele deveria vi a público e pedir desculpas por ter feito esta maldade coletiva se é que tem noção do mal que proporcionou a uma nação inteira. De maneira idêntica ao “Canhotinha de Ouro”, em relação ao bordão “… levar vantagem, certo ?”, estes malfeitores deveriam pedir desculpas públicas. Ou serem, eventualmente, açoitados com mil chibatadas.

30 de abril tornou-se uma data maldita, portanto deve ser incluída entre as datas “comemorativas” como a data da morte de cidadãos, verdadeiramente de bem. E não me refiro a pulhas de redes sociais e rábulas e agentes concursados da RFB.

Resolvi, neste meio tempo, fazer este post. Sofri por mais de três meses com o processo. Fiquei estarrecido ao organizar os recibos dos mais de vinte especialistas da área da saúde, que estive no ano de 2017. Descobri, surpreendentemente, que vários destes especialistas, que paguei mais caro pela consulta para ter recibo, não tem sua prestação de serviços aceita pela RFB.

Outrossim, alerto que a caixinha de maldades da Receita Federal tem muito mais. Passei alguns anos na década passada atuando com tecnologias disruptivas que permitiram à RFB ser muito mais feroz e voraz. Os cidadãos de bem não imaginam o que vem por aí. Os malfeitores já preparam as vacinas. Em outras palavras, a RFB vai pegar só gente que não pode se defender. E os que se locupletam das maldades da Receita (contadores, advogados, despachantes e Picaretas em geral – há EXCEÇÕES) estão com as horas contadas.

Desigualdade

Fui a consultórios em que aceita-se somente dinheiro e cartão de débito somente para a taxa do consultório. Afirmo, sem medo de errar. Consultei-me com um sonegador contumaz, daqueles que, certamente, usam digital falsificada no serviço público; que bradam contra os médicos cubanos para a saúde  pública; que frequentam convenções com “subvenção” de laboratórios; do mesmo modo que matam impunemente sob a proteção da corporação, .

Como se não bastasse, concluo que a RFB alcança, no seu ajuste anual, somente quem não tem como fugir. Sou obrigado a ter conta no banco para o meu salário, sou obrigado a pagar taxas, impostos e tributos exorbitantes e descabidos. Por outro lado, meu processo judicial contra a arbitrariedade da Receita Federal fica engavetado. Fico com dinheiro retido (recebido de auxílio-doença) sob o título de “depósito judicial”. Não recebo nem valores menores como o do seguro DPVAT. Tudo isto definido por uma juíza que colocou meu processo numa prateleira qualquer.

De fato, eles querem o meu parco dinheirinho só para manter a RFB, Judiciário, Executivo. O dinheiro roubado pela mulher do Eduardo Cunha, do Maia e outros tantos, eles liberam. As remissões para bancos, banqueiros e grandes fraudadores e seus advogados, eles ignoram.

Farinha pouca

Percebo que as pessoas não estão interessadas em, por exemplo, fazerem do dia 30 de abril um dia Nacional de luta contra as arbitrariedades do Poder Público. A Receita Federal é a maior forma de repressão do país. Enquanto isso cada cidadão busca, individualmente, soluções que resolvam o seu problema, a RFB pega a todos no atacado. Após resolverem seus problemas, correm para as redes sociais para divulgar “impostômetros” e outras coisas inócuas. É o verdadeiro,real e cruel, farinha pouca, meu pirão primeiro.

Além disso, o Legislativo não cuida de taxar grandes fortunas e ganhos especulativos. Não existe ninguém no poder defendendo uma revisão completa na tabela de descontos (???) do Imposto de Renda. Como resultado, benefícios, remissões e perdões tributários e fiscais são para empresas, somente  as grandes, é claro. Por conseguinte, fazem com que empreendedores e pequenos empresários sejam enganados pensando que estão no mesmo patamar da pirâmide da desigualdade social.

Em virtude de todo este depoimento/desabafo, peço desculpas aos poucos amigos que tenho na RFB. Vocês são exceção e não fazem parte desse “mecanismo”.

Em suma, por um 30 de Abril como Data de luta contra a maior Injustiça Nacional.

P. S. Certamente algum leitor vai pensar: “.. o Evandro não para com esta mania de perseguição..”. Não paro mesmo !

 

Charge: Duke

P. S. – Faço este pedido na página de apresentação, entretanto, gostaria de repeti-lo aqui. Qualquer observação, sugestão, indicação de erro e outros, podem colocar nos comentários aqui ou na página do Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *