Haja Coração !

Haja coração para o torcedor

Torcedor Cibernético

Primeiramente, cabe ressaltar que este texto é uma adaptação do texto original publicado no site Cruzeiro Org. O público alvo é, principalmente, de cruzeirenses. Certamente, isto não significa que torcedores de outros clubes não devam ler e até pensar sobre a temática. Neste sentido, existe muito mimimi de guerreiro de teclado e pouca ação e intelligentsia destes simpatizantes. Haja coração!

A trilha do ´Torcedor Cibernético` é somente uma visão particular do que se transformou o torcedor de futebol.

Neste “capítulo” vou abordar uma questão que tem provocado polêmica entre cruzeirenses que me leem. A carapuça quando vestida por alguns, vira ofensa. Assim sendo, os mais despreparados partem para ataques pessoais, chegam ao disparate de me considerarem ´inimigo`.

Haja coração para aturar este pobres coitados simpatizantes que nunca serão.

Haja coração

Tento, por exemplo, mostrar que a expressão ´torcedor de radinho` não se refere a todos que escutam jogos do Cruzeiro pelo rádio, ou seja, é uma metáfora. Alguns torcedores se sentem ofendidos, ou tomam as dores dos outros, e saem praguejando. Parece que tem surtido efeito com poucos, é um avanço, mas muito pequeno.

Vamos com calma !

No dia 8 de abril passado, um domingo, o Cruzeiro venceu seu tradicional rival estadual, revertendo uma vantagem que parecia intransponível e conquistou eu 37º título estadual. Na súmula diz que eram 44.230 pagantes e 49.906 presentes, e eu estava lá.

Nada daquela história de “… eu acredito …”, torcedor tem que torcer sempre, na arquibancada ou pelo radinho, o que não significa que não possa e deva fazer suas considerações e críticas a todo momento. Estávamos lá para torcer e ajudar time quando precisava.

Ao final da partida, a saída foi um desastre. A forma como a Minas Arena faz a gestão do estacionamento é temerária, perigosa e desrespeita todos os direitos de consumidor; como se não bastasse, a PM é autoritária, a BHTrans tem gente estúpida no comando e o pessoal do estacionamento é mal adestrado. Todos cumprem ordem erradas, se bem que o torcedor bárbaro faz a sua parte com maestria e extrema falta de civilidade.

Neste ínterim, um cruzeirense amigo passava mal em seu carro que viria a consumar um infarto dias depois, e eu a poucos metros dele e sem saber de nada durante semanas.

Afinal, tudo era festa e o torcedor de radinho queria saber é de buzinar dentro do estacionamento na reprise dos gols pelo rádio (ali é o verdadeiro ´ibope` de audiência do torcedor teleguiado).

Torcedor Guerreiro

Este meu amigo tem vivido seu calvário desde então. Seu infarto não teve nenhuma relação com a emoção do futebol. Ele é um torcedor de arquibancada, apaixonado e bastante equilibrado. Um conhecedor das coisas do Cruzeiro desde o tempo do treinador Lincoln Alves. Portanto, não se submete às situações vexaminosas que muitos dos cruzeirenses protagonizam, hoje em dia.

Chegamos a um ponto em que cruzeirenses fantasiados de mídia tentam contar a história de forma falaciosa. Se o pior tivesse acontecido, decerto viraria manchete de jornal. Os inescrupulosos em busca de hits e audiência iriam delirar. Enquanto isso, eu ainda passo por reclamão, turrão e outras coisas, inclusive na visão de alguns simpatizantes patetas que gostam de me rotular.

O cruzeirense guerreiro resistiu a um infarto que iniciou-se após o término daquela decisão. Está, atualmente, em franca recuperação. Aguarda, ansiosamente, a liberação do DM para seu retorno aos estádios. Por enquanto é somente mais um torcedor acompanhando o Cruzeiro pelo seu radinho bem sintonizado.

Somos Cruzeiro

Enfim, somos Cruzeiro e, indubitavelmente, haja coração para aturarmos gracejos de adversários sobre sofrermos e isto ocasionar infartos e quejandos. Cruzeirense não sofrem, o nosso adversário nunca nos decepciona, o Cruzeiro às vezes sim. Mas faz parte daquilo que chamamos de torcer para o futebol que gostamos.

Precisamos parar e pensar que tipo de torcedores estamos formando, vejo alguns pais fazendo coisas para seus filhos gostarem de torcer pelo Cruzeiro que são deprimentes. Anteriormente, já disse que não quero ensinar ninguém como torcer, além disso, não tenho a pretensão de mostrar como adestrar filhos a serem cruzeirenses (isto é coisa de torcedor do 6a1o). Entretanto, devem haver limites, que as redes sociais não conseguem impor.

Haja coração também para acompanhar o comportamento de cruzeirenses nas arquibancadas, nas redes sociais, no clube, nas mesas de boteco. É muito Cruzeiro FUTEBOL clube, mais virtual do que real e pouco Cruzeiro Esporte Clube. Muito mimimi de guerreiro de teclado reclamando de preço de ingresso (eu também não gosto dos preços, mesmo sendo Sócio do Futebol com direito a dois ingressos ´cativos`) e pouca ação e intelligentsia.

Sinal dos tempos !

Muito além da questão do Torcedor cruzeirense de A a Z, temos uma verdadeira mudança comportamental nos torcedores de futebol. A inserção de tecnologias da informação e, em especial os jogos de computadores de futebol, mudaram toda a lógica de comportamento do torcedor. Esta abordagem de (des)qualificação do torcedor dos dias atuais precisa ser aprofundada.

Pedido de Apoio

O torcedor que inspirou esta coluna é real e precisa do apoio de todos e não somente de cruzeirenses. Ele estava na arquibancada nesta decisão e estará em muitas outras mais. Infartou na decisão do rural mas não foi por emoção pois viveu muitas e tem inúmeras outras histórias maravilhosas para contar,

Se você interessa em saber a história e mais detalhes sobre o que precisa este nosso guerreiro, escreva para solidariedade@cruzeiro.org

O coração do guerreiro ainda pulsa, que a força esteja com você.

#TamosJuntos !

 

Imagem adaptada do livro de Wanderson Lana.

P. S. – Reitero o pedido feito na página de “Advertências” deste espaço virtual. Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas. Coloquem aqui nos comentários ou na página do Facebook.

4 comments for “Haja coração para o torcedor

  1. Marco Godoy
    Julho 25, 2018 at 15:26

    Neste universo de torcedores, de tamanha diversidade cultural, étnica e social não existe um tipo de torcedor. Temos em comum gestos e gritos que nos enlouquece dentro e fora das arquibancadas. “Somos loucos, somos Cruzeiro”.

    • Julho 25, 2018 at 15:33

      Marco, vai muito além. Nem gestos e gritos temo mais em comum. Diferentes torcidas organizadas tem bandeiras e torcem mais para si próprias do que para o time. Fica pior quando ficam competindo quem bate atabaque mais alto e canta a música diferente da outras torcida. Se você tver curiosidade, veja o link do “Torcedor de A a Z”, tem quase todos os espécimes.

  2. camilla
    Julho 25, 2018 at 16:13

    “pessoal do estacionamento é mal adestrado”. complicada essa frase, hein?.

    • Julho 25, 2018 at 17:03

      Camilla, pode ser… entretanto, posso te relatar, se for do seu interesse, ao menos duas dúzias de episódios que corroboram a minha frase que pode ser considerada como “pesada”. Entretanto, as respostas que recebo destes “agentes” (era MUITO PIOR com a empresa que assassinou um torcedor e foi trocada). Mas quem comanda e os tais supervisores (jaleco laranja) adestram muito mal e a resposta do tipo “estou cumprindo ordens” comprova isto. Não é complicada, é DURA, FACTUAL e REAL.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.