Livre Arbitrio

Livre Arbítrio e as redes sociais

Filosofia

Pode parecer maluquice, mas a filosofia tem o poder de explicar tudo o que vivemos hoje. Anteriormente, usei o artigo de conteúdo estrutural, ” A Filosofia no Século XXI “,  para abordar as questões filosóficas comparativamente aos dias atuais e redes sociais. É claro que falar disso não dão “ibope”. O que dizer então da questão do livre arbítrio ? Percebo que as pessoas querem ter sua opinião dita por outras pessoas, não querem saber da opinião dos outros. Todas, com raríssimas exceções, não querem saber de fatos, tem opinião formadas e que se danem os outros.

Redes sociais são assim, até virarem um inferno, literalmente, e se acabarem. O Orkut está aí para não me deixar mentir, da mesma forma que o Facebook, depois das manobras do Mark para esconder seus caprichos, passará por mudanças radicais e perecerá rapidamente.

Neste sentido, após o furacão eleitoral de “categoria 5” que assolou o Brasil e não deixou ninguém discutir filosofia, vou aproveitar enquanto posso e falar sobre isto. Vai que alguém resolve proibir este assunto em blogs pessoais, como sói acontecer em países “comunistas”, autoritários e ditatoriais.

Mau Uso

Normalmente, abordo séries de TV para contrapor à vida real, já escrevi sobre varias. Foi a forma que consegui obter a atenção, principalmente dos mais jovens, para estas questões filosóficas. Assim, ” Merlí ” – uma excelente produção da Catalunha (ESP) – e ” The Good Place ” (O Lugar Bom) – uma comédia/fantasia de cunho filosófico, tem sido minhas referências no assunto.

Em “The Good Place”, na sua terceira temporada, tem um episodio com o título “O Mau Uso do Livre Arbítrio”. Entretanto, o episódio fica prejudicado, se a pessoa não tem noção do que é livre arbítrio. Não vai entender nada e nem vai conseguir descobrir o que é mau uso ou bom uso de alguma coisa.

As eleições de 2018 foram o exemplo pronto e mal acabado do mau uso do livre arbítrio, seja ele qual for. Escrevi sobre isto no post sobre o ” Voto Utilitário – Eleitor Nulo “.

Livre Arbítrio

Livre arbítrio é um negócio bacana, em tese. Contudo, vejo muita gente nas redes sociais falando dos outros e apontando dedinhos sujos de merda na direção dos outros. É uma boa estratégia, para paralogistas e gente sem noção, o que consiste numa redundância. Quando apontamos para os outros, a maioria das pessoas olham para o que apontamos e não para quem aponta. Eu chamo de diversionismo, alguns chamam estes diversionistas de enganadores.

Ao contrário do dito popular, costumo dizer que política, futebol e religião devem ser discutidos, à exaustão. Entretanto, não conheço um exemplo sequer em que discutir alguma coisa misturando conceitos destes e outros temas, seja profícuo. No caso do livre arbítrio e seus preceitos e conceitos de cunho religioso, moral, psicológico, filosófico, político e científico, afirmo que é ruim de discutir.

Em outras palavras, o argumento do livre arbítrio é um baita paradoxo, especialmente quando entram questões e dogmas religiosos. Enfim, o que vivenciamos nas eleições brasileiras recentes é a prova cabal e definitiva que, tal qual a analogia do sol e da sombra, livre arbítrio não é para todos. E muitos que fizeram suas escolhas dizendo-se livre, leves e soltos e exercendo o seu livre arbítrio, não entenderam muito do assunto.

Irresponsabilidade Moral

Certamente, não resolva nada gastar páginas e teclado falando sobre as questões que envolvem o Livre Arbítrio. Muita gente, estudiosos e doutores filósofos, muito mais qualificados do que eu, debatem o tema desde Platão e não chegaram a nenhuma conclusão. Falar de Determinismo, Libertarianismo, Incompatibilismo, Ilusionismo, Indeterminismo e suas derivações não serve para o Brasil. Cometo talvez um crime filosófico ao ser reducionista e definir que o problema no Brasil é de irresponsabilidade moral.

Desse modo, o livre arbítrio apresenta, idealmente, três requisitos principais: 1) Aleatoriedade; 2) Determinismo; 3) Responsabilidade Moral. O que fazem os minions que constituem a massa de manobra dominante do eleitorado brasileiro? São responsáveis até certo ponto. O que fazem os omissos e eleitores de votos nulos, brancos e abstenção? São irresponsáveis morais por tudo que não lhes agrada.

Em suma, não existe livre arbítrio para aqueles que votam como mandam pregadores ou propagadores de fake news. A charge que ilustra este post é exemplar, até um beócio entende. Mas vai que o beócio ganha a eleição, todos pagam o pato.

Como assim você não tem nada a ver com isto?

Livre Arbítrio em redes sociais, pero no mucho ! ! !

 

Charge: www.willtirando.com.br

P. S. – Reitero o pedido feito na página de “Advertências” deste espaço virtual. Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas. Coloquem aqui nos comentários ou na página do Facebook.

1 comment for “Livre Arbítrio e as redes sociais

  1. Paulo Murilo
    19/11/2018 at 09:26

    Muito bom ! Tеm algum sugestões pɑra aspirantes ɑ escritores?
    Eu sou planejamento parɑ iniciar meu próprio site em breve
    mаs estou um pouco perdido em tudo. Você sugerir ϲomeçando
    com uma plataforma livre сomo о WordPress oս iг рara ᥙma opçãо
    paga? Нá tantos opções lá fora quе eս sou totalmente oprimido…
    Ԛualquer recomendaçõeѕ ? Apreciá-l᧐ !

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.