O Ovo da Serpente

Ovo da Serpente tupiniquim

Serpent´s Egg

A princípio, para motivar a escrita de textos, utilizo-me do cotidiano, adicionando de minha impressões sobre mudanças e redes sociais. Atualmente, entrei num período sabático, que resolvi denominar “recesso” – igualmente aos poderes Judiciário e Legislativo. De fato, as mudanças no campo da política e da nossa sociedade tupiniquim estão consistentes com o Fim do Mundo. Pensei muito e resolvi fazer uma analogia com o filme “O Ovo da Serpente”, do original Serpent´s Egg. O filme nos remete a uma época em que as pessoas não sabiam como surgiam os males e efeitos perversos da política. Sem dúvida, a mídia, naquele contexto, era controlada por Goebbels e as “verdades” repetidas mil vezes. Como eu era “de menor”, tive que burlar uma regra para ver este filme. Enfim, assisti à obra de Bergman com elevado interesse, curiosidade, atenção e, desta forma, concluo que a história vai se repetir.

A origem do título O Ovo da Serpente, conforme o Wikipedia, traduzido do original, na obra Julius Caesar, de Shakespeare. Numa fala de Brutus, foi dito “And therefore think him as a serpent’s egg. Which hatch’d, would, as his kind grow mischievous; And kill him in the shell.”. Surpreendentemente, temos um dito popular, que não se sabe muito bem a origem, bem a propósito da história do “ovo da serpente”. “Quem pariu Mateus que o embale” é plenamente aplicável em nossos dias em terra brasilis.

Comentário

O “Ovo da Serpente” e o veneno contido na natureza humana

O Ovo da Serpente

Existem algumas definições no filme, daquilo que depreendo, é provável que estejam sendo reproduzidas no Brasil, como farsa, tragédia ou calamidade pública. Assim sendo, o que mais impressiona é uma frase do filme que apresenta o contexto histórico da história e nos revela algo que estamos vivenciando.

Contexto

“O governo mostra-se impotente. 
Um confronto entre os partidos parece ser inevitável. 
Apesar de tudo isso as pessoas vão trabalhar, a chuva nunca para 
e o medo cresce como o vapor que emana das pedras. 
Pode ser sentido como um cheiro penetrante. 
Todos o suportam, como um veneno, um veneno de efeito lento, que 
se percebe apenas no pulso acelerado ou como um espasmo de náusea”

Enfim, como escreveu algum observador atento: “O Ovo da Serpente é o veneno contido na natureza humana.

Ovo da Serpente Tupiniquim

Por outro lado, quem não viu e não teve capacidade de contextualizar o enredo daquela obra hollywoodiana, não vai entender a transposição para a situação atual do Brasil.

Mauro Santayana, em abril de 2013, escrevia “O Golpe da Informação

Anteriormente, José Henrique P. e Silva disse que “… Nesse contexto, nenhuma democracia é tão forte contra situações como esta. É preciso estar atento. Não podemos superestimar a capacidade de resistência da democracia. O homem não é simplesmente bondade, como muitos desejam ou apregoam. Os “monstros” não nos atacam de fora, mas surgem de dentro. Por vezes, com nossa intolerância, com nossos preconceitos, nós somos o réptil que está tentando romper a casca, apenas não nos reconhecemos.”

Destaco que o grifo acima é do autor da frase e que, presumivelmente, foi escrito alguns anos atrás, uma vez que nenhum golpe ou tragédia estava sendo urdida em algum porão da nossa frágil democracia guiada.

Seriam Santayana e José Henrique, autores dos textos indicados portadores de algum dom da predição? Acredito que não e, como se não bastasse, tenho lido muito e escrito sobre assuntos, desde 2016 com a criação deste espaço, que converge com estas ideias contidas no “ovo da serpente”.

Dúzias de Ovos

O Brasil está sob condições severas e graves, semelhantes à obra ficcional de Bergman. Entretanto, nos últimos meses, após as eleições gerais de 2018, a situação apresenta-se tenebrosa. Os seguidores dos eleitos defendem a linha de pensamento que colocou presidente, governadores e parlamentares que a maioria entende como o melhor para o país. Ou seria, por outro lado, o melhor para cada uma das cabeças teleguiadas pela mídia e redes sociais.

Enfim, a introdução perversa das redes sociais e mídias digitais na cabeça. mentes e corações dos brasileiros, dominada por fake news e influencers, ferrou com todos os avanços.

Certamente, seremos acusados de “torcer contra”, “não saber perder” e culpados de tudo que estiver errado. O país está errado desde 1808 e não tem jeito de consertá-lo como imaginei desde que me politizei e entendi a importância do voto e de nossas escolhas.

Enfim, o preço a ser pago, individualmente e coletivamente, será muito alto. O retrocesso e os vários ovos de serpente estão aí, sendo chocados.

Curiosidades

2 de janeiro

  • Dia de Inanna: uma homenagem à deusa suméria do vinho e dos grãos. Beba até cair e se empanturre como um porco para curar a ressaca de ano novo ou a deusa vai te castigar.
  • Em 1920 nascia Isaac Asimov, escritor russo que nenhum diretor de Hollywood tem competência para adaptar às telonas.
  • Em 1921 era fundado a Societá Sportiva Palestra Itália, aka Cruzeiro Esporte Clube, nos dias atuais,  uma vez que teve o nome mudado por questões políticas e abordadas neste texto.

 

Imagem: Blog Militância Viva

P. S. – Reitero também o pedido feito na página de “Advertências” deste espaço virtual. Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas. Coloquem aqui nos comentários ou na página do Facebook.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.