Lacração - Dicionário e Gíria

Lacração é mais uma gíria de neófitos

Internet e Redes Sociais

A internet tem sido pródiga em lançar modismos e, portanto, tornou-se o paraíso dos modinhas, teleguiados e patetas. Uma gíria é lançada por algum “influencer“, só porque ouviu ou leu em algum lugar e pronto, torna-se viral. Existem termos que viram gíria e, nem sempre, o significado da gíria tem a ver com a acepção original. Lacração é uma destas gírias, parida no meio LGBTQ+ e que corre o país nos dedinhos de quem nem tem noção do significado original.

Lacração

Com toda certeza, quando tratamos de uma palavra como gíria, ela pode não ter nenhuma relação com a acepção original. A princípio, parece ser o caso de lacração como definição original e como gíria, mas os neófitos de redes sociais nem se preocupam com as “variações”.

Por exemplo, a origem da gíria lacração diz respeito à utilização do termo por parte da comunidade LGBTQ+ que deu a gíria no sentido de, ipsis literis, tapar ou lacrar alguma coisa. Diz a lenda que, originalmente, referia-se a lacrar o cu de uma inimiga com um pênis. Desse modo, lacração ou lacra, dizia respeito a botar algo no rabo de alguém para que não tivesse espaço para sair nenhuma merda.

Lacração vem de lacrar e tornou-se viral na Internet (era utilizada nas ruas) pela youtuber conhecida como Romagaga por volta de 2013, ganhando as redes sociais no sentido descrito aqui anteriormente.

Desculpem os mais pudicos, mas este é o mundo das redes sociais e das gírias que se espalham como um vírus de gripe aviária ou suína.

Arrasou

A partir da origem, muitas outras acepções e definições para a gíria passam a ser utilizadas. Alguns sem noção acham que quando se diz  “arrasa” ou “mandou bem” é uma coisa boa e para “arrasar” não ferrou com ninguém.

Em outras palavras, não é assim meus “abiguinhos“, esta gíria em especial é indicativo que alguém conseguiu alguma coisa e teve que ferrar com outra pessoa. Não existe a figura do ganha-ganha e do coletivo nesta de “lacração”.

Desse modo, de uma gíria que era coisa boa, ganhou contornos e significados irônicos e pejorativos, e o povo estulto segue usando como se fosse algo inteligente. Alguns usam como se fosse uma vitória obtida com honestidade e critério, decerto não entenderam nada ainda.

Perversão da lacração

Assim como na acepção original, quando se lacra uma coisa para não deixar brechas para vazamentos, desvios, “jeitinhos“, a gíria atua na mesma linha. Quando a lacração começa ou o “lacrou” é interjeição significa que alguém não deixou brecha nenhuma para o debate ou evolução do pensamento. A ideia é de que ao “lacrar” não se deixa margem para que se coloque defeitos ou se faça alguma réplica.

Enfim, lacração de pessoas e inexistência de abertura para tratar coisas e ideias nunca foi minha praia e não coaduno com gente que acha que “lacrar” (em todas as acepções) é algo bom.

 

P. S.  Esta e outras gírias estarão num post em construção que aborda as gírias da Internet, das Redes Sociais e afins, em elaboração e que se pretende um glossário deste blog.

 

Imagem : Dicio.com.br

 

Nota do Autor

Reitero, dentre outras, o pedido feito em muitos textos deste blog e presente na página de “Advertências“.

  • Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas.
  • Coloquem aqui, nos comentários ou na página do Facebook, associada a este Blog, certamente serão todos lidos e avaliados.
  • Alguns textos são revisados, outros apresentam erros (inclusive ortográficos) e que vão sendo corrigidos à medida que tornam-se erros graves (inclusive históricos).
  • Algumas passagens e citações podem parecer estranhas mas fazem parte ou referenciam-se a textos ainda inéditos.

Agradeço a compreensão de todos e compreendo os que acham que escrevo coisas difíceis de entender, é parte do “jogo”.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.