Batata na Chaleira

Batata na Chaleira Azul

Batata na Chaleira

´Batata na Chaleira` é uma expressão utilizada por um caudilho já falecido quando uma história era contada, geralmente pela mídia, e a história deixava muito mais ´pontas soltas` do que informações e fatos. Não é a batata que é azul e nem a chaleira, é, sobretudo, o conjunto nefasto da obra resultante das redes sociais que nos assusta.

Optei por resgatar esta expressão, pouco conhecida dos mineiros, pois aqui os chavões, especialmente do futebol, são mais restritos e enigmáticos, desde o ´no futebol não tem verdade que dure 24 horas` até outros pífios como ´mineiro trabalha em silêncio`.

Trabalha não, CONSPIRA.

Filosofia

A ´batata na chaleira` é algo como ver um elefante numa árvore e ficar discutindo quem colocou lá. Ou, como dizia o filósofo, tem gente que ao ver um sábio apontando as estrelas, olha para as estrelas, enquanto outros, olham para a ponta do dedo do sábio.

As redes sociais, por outro lado, fizeram recrudescer a estultice e pressa das pessoas em se manterem (MAL) informadas. E muitos se julgam no direito de dar palpites em tudo, sem a mínima qualificação para falarem de certos assuntos.

Éramos, anteriormente, 100 milhões de técnicos de futebol, hoje somos 200 milhões de usuários de redes sociais, influenciados por 200 milhões de pessoas sem noção em busca de audiência.

 

Batata na Chaleira Azul

E o Cruzeiro Esporte Clube experimenta uma grande ´batata na chaleira` após o rebaixamento. Em todos os sentidos, em todas as áreas de conhecimento e por todos os torcedores.

Em suma, repetimos os mesmos erros de dois anos atrás, os mesmos erros de oito anos atrás e agora com o agravante do rebaixamento consumado. Reitero que publiquei a série ´Príncipe Azul` de baixíssima repercussão e compreensão e ainda tenho que ficar explicando o que escrevi lá atrás.

Recentemente fui agredido verbalmente numa rede social e acusado de não fazer nada pelo Cruzeiro e querer aproveitar o momento para aparecer ou coisa parecida.

Quando vejo alguns comentaristas e ´salvadores da pátria`, especialmente em redes sociais como o Twitter, dando palpite sobre o que não conhecem, amparados por titulações que seriam usadas para eu limpar a bunda após uma bela de uma cagada, fico pensando, sem dúvida alguma, como tem gente tola e estúpida se passando por torcedor.

É certo que futebol é paixão e estultice, mas quando qualquer racionalidade é questionada a partir deste tipo de paixão, me faz refletir.

Tem alguma coisa errada (´batata na chaleira`).

Deja Vù da Chaleira

Noam Chomsky fala sobre política, mas concluo que vale para o torcedor do Cruzeiro hoje e o que as redes sociais estão provocando.

´… As pessoas confiam naquilo que satisfaz as suas emoções e paixões, mesmo que os fatos não correspondam aos seus desejos…`.

E estes torcedores querem que seus desejos repetidos pelas redes sociais sejam transformados em realidade. A mídia reforça estes desejos com seus representantes colocando desejos e opiniões como ´fatos` transformando a expressão ´batata na chaleira` numa realidade trágica que une-se à constatação de Chomsky.

O torcedor do Cruzeiro está completamente confuso e minha teoria de que aqueles que comemoraram mais o rebaixamento do rival local, alguns anos atrás, são os mesmos desesperados que não sabem para onde correr neste momento.

Infelizmente, perdemos totalmente a guerra de uma possível racionalidade, mesmo no futebol. E está proibido criticar, ao menor sinal de discordância em redes sociais, logo aparecem as ofensas, agressões e outros absurdos como ameaças à integridade física.

Caudilho e Batata

O velho caudilho nem imaginava que sua expressão estaria desatualizada mas em pleno vapor em tempos de redes sociais. A   ´batata na chaleira` foi completamente substituída por ações intempestivas, imediatismo e incompreensão geral.

Enfim, como diria Pondé sobre pensar no deserto e questões filosóficas, não é para o bico da maioria dos torcedores de futebol. E olha que, recentemente, escrevi sobre a situação do possível colapso do Cruzeiro quando ainda era crise ( Príncipe Azul – Entendendo de Crise ), ou dois anos atrás quando iniciei a série ´O Príncipe Azul`

Vamos em frente, mas sem os arroubos desta gente neófita, imediatista, desqualificada e que pensa com o fígado.

 

Charge: Alpino

P. S. –  Reitero também o pedido feito em muitos momentos da vida deste blog e presente na página de “Advertências“. Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas. Coloquem aqui nos comentários ou na página do Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.