Rainhas da Sinecura

Sinecura – As rainhas e o poder

Sinecura

Tenho receio das interpretações que podem dar para o uso deste termo pejorativo, da forma como pretendo associá-lo. Entretanto, nem sei se é a primeira vez para este tipo de caso mas que é bem aplicável, creio que é. O termo é sinecura e vou falar sobre as rainhas da sinecura do país.

Sinecura

Uma sinecura (do latim sine, "sem" e cura, "cuidado") é um tipo de emprego ou função, quase 
sempre em cargo público, e que praticamente não requer responsabilidade, trabalho ou serviço 
ativo. 
Historicamente, as sinecuras servem como instrumento de poder dos governantes, que as concedem 
em troca de favores políticos. Neste sentido, vincula-se também à prática do nepotismo.

Embora sinecuras não exerçam qualquer poder político de facto, podem possuir poder de jure. 
Em alguns governos, como o do Reino Unido e Canadá, as sinecuras possuem um caráter oficial de 
honraria, e como tal, são concedidas a políticos ligados ao governo.

Fonte: Wikipedia

Posso ser acusado de um monte de coisas com este texto, machismo, sexismo, assédio e outros tantos. Decerto, será mais uma grande injustiça pois, tenho a certeza de que estou emitindo apenas uma opinião. Certamente, muitas carapuças serão enterradas até o umbigo e o ódio e rancor desta redes sociais vai falar mais alto.

Assim seja !

Sinecura “Solteira”

O país precisa de reformas de verdade ou de construção de coisas novas. Chegamos num estado de coisas que estão destruindo muitas coisas boas e lustrando absurdos seculares.

Por outro lado, entendo que se alguma coisa é prevista em lei, que deva ser cumprida, mas se a lei se torna anacrônica, deve ser mudada, revogada, extinta. A sociedade muda e imoralidades perpetuadas numa lei não devem ser mantidas.

Mas o Brasil, como diziam os filósofos Tim Maia, Kafunga e outros, “não pode dar certo” ou é o pais onde “o certo é errado e o errado é certo”.

A sinecura das filhas de militares que, criminosamente, mantêm-se solteiras para continuarem recebendo polpudas pensões é imoral. Aliam-se a estas rainhas da sinecura, as filhas de deputados e outras profissões que usurpam do Erário de maneira acintosa criando uma casta de beneficiárias quase eternas.

Um peso e duas medidas

Um país em que o Poder Legislativo promove uma reforma como a trabalhista, em curso desde que assumiram Temer e seus aliados, mas mantêm a benesse para mulheres que mentem que são solteiras, não pode ser levado a sério.

Não existe justiça (a propósito, o Poder Judiciário é um símbolo da sinecura aplicada) que tenha medidas diferentes para situações similares. Inopinadamente, uma sociedade que aceita a precarização do trabalho, que pratica o salve-se quem puder e que aplica o “farinha pouca, meu pirão primeiro” e se cala diante deste privilégios e benefícios oligárquicos, não pode esta sadio.

Nossa sociedade apodreceu e as pessoas ficam buscando dar um jeitinho, ignorando o coletivo e praticando seu hedonismo pueril e oco. O Mundo acabou e muita gente não se deu conta, e aí daqueles que apontam fatos que corroboram este “status” do nosso país e do nosso planeta.

Rainhas no Poder

Existem casos que quando vão a público chocam as pessoas (perfis) de redes sociais. Entretanto, estes casos quando expostos na mídia, revelam apenas uma pontinha do iceberg. Trabalhei com uma pessoa nesta condição, filha de militar que recebia a pensão do pai falecido, era casada mas não oficialmente, deveria ser investigada, processada e condenada a devolver tudo que recebeu indevidamente. Mas ela nem ficava constrangida quando o assunto ia para a mídia, a frase estava pronta: “Não faço nada ilegal”. Uma servidora pública federal, que vivia em regime equiparado ao casamento, e acha isto legal, não sabe o que é Ética e Moral, portanto, não é nenhuma referência de civilidade.

O Poder da Sinecura

Este absurdo é atribuído ao Marechal Deodoro da Fonseca, certamente “legislando” em causa própria. Não tenho certeza e nem quero ir lá atrás, na história de um país de vices golpistas, para ter argumentos. Atualmente, vemos vices militares defendendo regalias e outras formas de corrupção sendo enaltecidas pelo Judiciário.

Em suma, um país que mantêm estas pessoas, especialmente filhas “solteiras” neste estado de sinecura eterno, não pode dar certo. agora até “ministras” que usufruem desta benesse são louvadas em verso e prosa pela mídia. Já somos países de primeiro mundo há muito tempo, Reino Unido e Canadá não chegarão aos nossos pés nunca.

Haja ignorância, e idolatria a malvados favoritos !

 

Charge: Tiago Recchia

P. S. –  Reitero também o pedido feito em muitos momentos da vida deste blog e presente na página de “Advertências“. Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas. Coloquem aqui nos comentários ou na página do Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.