Séries Contaminantes

Séries Contaminantes – Coronavírus

Maratona

Certamente, a palavra Maratona significa uma prova de atletismo presente na história universal. Mas que vem sendo apropriada, sabe-se lá porque, quando se faz um esforço sobre-humano para ver séries de stream ou TV por assinatura e, assim sendo, criou-se o verbo “maratonar”. Eu não considero esforço nenhum ver as séries numa maratona, até prefiro vê-las assim. Neste sentido, criei uma trilha de posts publicadas, aqui neste blog, e oferecidas para outras mídias e canais que fazem parte de um projeto maior. Estas séries contaminantes são muito interessantes e dependem de vários fatores para agradarem ao público.

Por outro lado, conheço muita gente que me pergunta sobre dicas e o que acho interessante nestes canais de stream e assinatura. Sempre pergunto, antes de tudo, qual é o tipo de espectador e do que ele gosta. Surpreendentemente, a resposta “gosto de tudo” é mais comum do que imaginamos e revela que as pessoas não entenderam a pergunta.

Séries Contaminantes

A proposta de séries contaminantes e associação com o alvoroço, justificável, sobre a pandemia do Coronavírus, é uma espécie de chiste. Neste texto publicarei dicas de documentários, sem spoilers, que recomendo assistirem no seu refúgio em tempos de isolamento voluntário.

TV aberta x TV por assinatura

TV aberta x TV por assinatura

Ao contrário da TV tradicional que, com toda a certeza, emburrece as pessoas, documentários podem fazer parte do rol de séries contaminantes que iluminam e esclarecem. Algumas séries ou episódios, consideradas ficção (e. g “15 Milhões de Méritos” em Black Mirror) ou não-documentário (e. g. “O Mecanismo“) trazem muita realidade. A questão que abordo em todas elas é se a vida imita a arte ou a arte copia e transforma nossas vidas.

5 Dicas Contaminantes

Em outras palavras, o assunto é tão interessante que dá para escrever um livro. Entretanto, não posso, por conta da audiência, demorar muito para escrever, tomar muito tempo do leitor enquanto lê e, vamos apenas às 5 dicas de séries contaminantes, sobre vírus, epidemia e pandemia e sociedade, em ordem de importância segundo meus critérios. São episódios de uma série ou séries inteiras, verdadeiros documentários ou ficção a partir de realidades contemporâneas.

PANDEMIA

Fico pensando se estivéssemos em 1920 ou 1820 quando outras pandemias afetaram o mundo. Sem TV e muito menos redes sociais e séries contaminantes. Talvez as pessoas não entendam e esteja menosprezando esta pandemia por conta da má informação ou deturpação provocada por certas pessoas incultas e com extrema má intenção.

A série Pandemia (original Pandemic – Netflix) é um documentário primoroso e estará no destaque de tudo que for recomendado para “maratonar” neste afastamento forçado. Traz passagens claramente alusivas ao que estamos vivendo nos dias atuais, uma citação não me sai da cabeça: “… certamente, teremos uma pandemia em breve, a questão é quando ela acontecerá…”.

É recomendável ver a série na ordem dos episódios para não perder o fio da meada ou ficar sem entender alguns acontecimentos. Este tema (Pandemia) está presente em muitas produções (documentários, ficção e não-ficção), mas esta série merece ser vista antes de tudo que já tenha sido feito.

ROTTEN

A série me chamou a atenção por uma questão da política brasileira e do ministro da economia (Paulo Guedes). Em viagem à Argentina, o presidente da república fez discurso citando o abacate (Fruto). Após pesquisas de menos de cinco minutos com duas palavras mágicas “Abacate” e “Chicago Boys” a indicação da série brotou e vi numa maratona só, todos os episódios.

Rotten (Podridão), também da Netflix, é uma série que pode ser vista em maratona sem ordem dos episódios. O primeiro é “A Guerra do Abacate – 57 min) e vale a pena ser visto com a máxima atenção às nuances, aos depoimentos e as condições em que o enredo é desenvolvido. Se tivermos a capacidade de comparar o que olharmos sobre o abacate no mundo e a fala do presidente, entenderemos muito de economia, mais do que o próprio, e entenderemos, a partir dos demais episódios, no que nos metemos.

Nesta série, existem episódios em que o Brasil e citado, e em alguns destes episódios entenderemos o que existe de mais podre no mundo dos negócios e comércio internacional. A questão de como é suja e podre a questão dos alimentos no planeta Terra vai muito além da questão da fome de grandes populações em países pobres e poucos privilegiados em países ricos.

Uma verdadeira aula através de um documentário denso e realista sobre as coisas que comemos e nem imaginamos as tragédias humanas por nós financiadas.

EXPLICANDO

Em apenas duas temporadas, com episódios relativamente curtos, a produtora Vox Midia conseguiu a proeza de arrebatamento e completo esclarecimento através de um documentário. Explicando (original Explained – Netflix) é uma das séries contaminantes que vale a pena investir como maratona.

Um dos temas mais impactantes foi abordado no episódio 7 da segunda temporada (27 da série inteira) cujo nome “The Next Pandemic“. O curioso é que ele foi liberado no canal de stream em 7 de novembro de 2019, quando ainda nem se cogitava sobre a pandemia do COVID-19. Filmado a partir de conceitos e epidemias anteriores (SARS, FLU etc) é assustador ver que um documentário fazia previsões que estamos experimentando neste exato momento.

Pequenas lições de vida que servem para muitas pessoas que acham que buscas pelo Google explicam sobre algum tema de maneira eficiente.

DESSERVIÇO AO CONSUMIDOR

Série de poucos episódios mas que expõe as vísceras do que vivemos atualmente. Qualquer pessoa que vir a série irá identificar um parente, amigo, vizinho que está ligado a um dos episódios.

A minha atenção para a série foi despertada quando comecei a pesquisar sobre reciclagem de lixo para resolver um problema doméstico e comunitário. Qualquer um que more num condomínio ou que tenha adultos em casa, saberá do que estou falando. O brasileiro, por natureza, é mal educado em relação a reciclagem e desperdício, em todos os sentidos.

Procurando na Internet sobre o tema (Wikipedia) deparei-me com a série que trata de temas aparentemente desconexos como vape, cosméticos, móveis de mdf. A princípio, até pouco importantes, os episódios mostram, como o consumidor tem sido enganado por propagandas e modismos.

Um alerta para que não continuemos sendo espoliados nos nossos direitos e aprendamos a exercer um pouco de cidadania.

BLACK MIRROR

Depois de indicar quatro séries caracterizadas como documentários, coloquei uma de ficção, mas que tem tudo a ver com a nossa realidade. Black Mirror é o tipo de série que derruba um monte de preconceitos e supera um monte de desculpas que as pessoas dão para não assistir séries e ficarem viciados.

A grande vantagem é que você pode ver qualquer episódio a qualquer momento, a desconexão entre eles é aparente, mas o conteúdo pode ser inter-relacionado se avaliado como filosófico ou sociológico.

Entretanto, a série exige que as pessoas pensem muito, que façam analogias e que tenha uma percepção de contexto contemporâneo mais aguçado. Pessoas que vivem em redes sociais, com dedinhos ágeis, irão se identificar com dois, três ou mais episódios. Recomendo que a maratona de Black Mirror comece pelo primeiro episódio da primeira temporada. em seguida recomendo um episódio sobre meritocracia, que abordei em “Milhões de Méritos – Black Mirror“,

Aqueles que virem a série e utilizam coisas como Tinder, Bitcoin, Youtube e outros vão se assustar. Em muitos dos episódios, verão o seu próprio comportamento refletido na arte imitando a vida.

Bora pras Séries Contaminantes?

Recomendo, a princípio, estas séries para “maratonar” e estejam certos que republicarei textos com recomendações na linha da comédia, aventura e outras especialidades.

Existem inúmeras séries documentários ‘explosivas” que acabem num post como este e que encaixam na hipótese de séries contaminantes, mas escolhi as cinco por serem mais atuais e relacionadas com o que vivemos em nosso país. Queria citar apenas uma como destaque, e que foi objeto de um texto meu recente: “Quem matou Malcolm X” e que abordei em “Malcolm X – Um Legado de Honra“, imperdível até pelos questionamentos e discussões em pauta nos EUA.

Enfim, existem outras plataformas com séries e documentários que vale a pena, Prime e Youtube são duas bem atrativas, Netflix é o melhor custo x benefício. Se cuidem, lavem as mãos com sabão e denunciem aqueles que cobram preços abusivos em máscaras e álcool-gel.

 

Imagem: Reprodução Netflix

Nota do Autor

Reitero, dentre outras, o pedido feito em muitos textos deste blog e presente na página de “Advertências“.

  • Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas.
  • Coloquem aqui, nos comentários, ou na página do Facebook, associada a este Blog.
  • Alguns textos são revisados, outros apresentam erros (inclusive ortográficos) e que vão sendo corrigidos à medida que tornam-se erros graves (inclusive históricos).
  • Algumas passagens e citações podem parecer estranhas mas fazem parte ou referenciam-se a textos ainda inéditos.

Agradeço a compreensão.

4 comments for “Séries Contaminantes – Coronavírus

  1. Futebol Escrito
    19/03/2020 at 18:50

    Professor, acha que até nas cidades de interior, chegaremos na contaminação coletiva? Ou não é para tanto?
    Aproveitando o gancho e falando de esporte (que é o que sabemos aqui na página) já assistiu a série do jogador do Sunderland? Qual sua opinião?
    Um abraço!

    • 19/03/2020 at 22:26

      Não vi a série. Série sobre futebol tenho visto mais de torcedores no PRIME.
      Sobre contaminação, quanto mais afastado, mais difícil de proliferar.
      Mas, como muito bem explicitado na série PANDEMIC, os recursos serão insuficientes se contaminar UMA pessoa.
      Veja que TODO o Estado de Minas Gerais tem menos de 800 leitos para infectados pelo COVID-19… Divinópolis
      é interior? Quantos mil habitantes? BETIM? CONTAGEM? Aí pega cidades como Brumadinho, Esmeraldas e outras…
      Estamos COMPLETAMENTE despreparados. Eu nos mantemos afastados ou vamos ter SÉRIOS PROBLEMAS, de verdade, sem fantasia.

      • Futebol Escrito
        29/03/2020 at 15:36

        Bacana. Uma sugestão de conteúdo para uma futura postagem: a questão das mídias sociais e os jogadores. Temos casos recentes que podem ser abordados. Thiago Neves, R10, e etc.
        Muitos não sabem como utilizar.
        Sobre a série, é bem legal… depois se puder, assista.

  2. 29/03/2020 at 17:51

    Sobre jogadores(as), artistas, políticos e as m[idias sociais (não são somente os de futebol, a coisa está bem complicada no mundo inteiro. Um filósofo contemporâneo disse bem… as redes sociais deram voz a verdadeiros idiotas… jogadores com dinheiro pagam “amigos” para fazerem merda e os agentes de jogadores são uns beócios… (agentes e empresários de artistas são mais inteligentes). Os assessores de políticos são piores do que os donos… e os jornalistas… ah!… já escrevi, mais de um texto. Não vale a pena publicar… Fico só arrumando treta com este povo “influencers” de rede social e fake-de-famosinho ….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.