Walk Alone - Centenário Cruzeiro

Walk Alone Azul

Torcidas

Tenho simpatia por alguns times nos mundo. Notadamente, na Argentina sou Boca, na Espanha Barça e na Itália Milan. Nos demais países não sou fã de nenhum, mas admiro uma torcida e um time, o Liverpool na Inglaterra. E, desta forma, a frase “You´ll Never Walk Alone” (Você nunca caminhará sozinho) me motivou a este texto.

Em primeiro lugar, é necessário destacar que tenho algumas teorias sobre torcidas. Escrevi, anteriormente, sobre a torcida da Islândia (O torcedor Viking – Tólfan), à época da Copa do Mundo de 2018. Entendo que a torcida reproduz aquilo que vê em campo. Se tem jogadores malemolentes. será inócuo torcedores gritando histericamente.

Visitei alguns estádios no mundo com torcidas sensacionais, La Bombonera, Parc de Prince, San Siro, Camp Nou, Monumental de Nunez, dentre outros. O espírito das torcidas nestes estádios é inigualável. E, portanto, sem o mínimo respeito a quem pensa o contrário, nenhuma torcida no Brasil chega perto do que vi e ouvi.

You´ll Never Walk Alone

Esta introdução, que denominei “You´ll Never Walk Alone” serve, acima de tudo, para falar do que vejo hoje com o Cruzeiro, o rebaixamento e o centenário que se aproxima. E o que vejo não é o que eu imaginava há bem pouco tempo atrás.

Iniciei, fortemente, a fase de Cruzeirense de Internet muito antes do que quase todos que vão ler este texto e de todos que vão desdenhá-lo e se apresentam, atualmente, como “influencers” da torcida do Cruzeiro. Priva-lo-eis de falar sobre mim e do que acho destes influenciadores de araque que não passam de  torcedores da geração ZZP. Em outras palavras, pouco me importa o que dirão sobre esta coluna.

Da parte da política, a coisa fica muito pior quando constato que a briga entre grupelhos de interesses se sobrepõem à história do clube e a manutenção de nossa integridade. É lastimável ver a insistência da direção provisória em manter eleições sem alteração do Estatuto de forma a dar consistência e aparentar uma democracia que nunca existiu no clube.

Estamos, como escrevi há muito tempo, num colapso dentro de outro colapso. Quando comecei escrevendo sobre “O Príncipe Azul – Filosofando Maquiavelicamente” imaginei que conseguiria fazer-me entender. Assim como imaginei, quando criei um dos primeiros sites sobre um time, que cruzeirenses do mundo inteiro iriam agregar num único espaço. Ledo engano, piorou muito, Woody Allen estava certo sobre o desejo egoísta pelos “quinze minutos de fama”. Hoje é pior, personagens e perfis das redes sociais clamam pelos 5 segundos de aparição.

Centenário

Estou preocupado com a nossa situação às vésperas de uma data marcante como é o centenário. Vejo que muitos cruzeirenses estão preocupados com quem vai ser eleito para se locupletar, como fizeram alguns, em tempos recentes. Percebo várias iniciativas entre torcedores, mais preocupadas com elevação de egos e demonstração de conhecimento ou história e pouco com o Cruzeiro.

Vejo muitos falando mais do que fazem e escondendo além do que seria racional. Estou, novamente, sendo irracional e achando que torcedor do Cruzeiro é diferente de outros pelo Brasil afora. Certamente, não perco a esperança, nem com a ameaça da pandemia que paira sobre nossas cabeças, mentes e corações.

Em suma, sobre o centenário, que seria o momento de termos nosso “You´ll never Walk Alone” está mais para o momento em que cada cruzeirense vai querer aparecer mais do que os outros, mostrar que sabe mais da história do que os outros e, eventualmente, debater com fatos e contrariar suas versões.

Walk Alone

As frases de nossos hinos “não temos em mira, nem ódio, nem ira” (Hino ao Palestra) e “temos páginas heroicas e imortais” nunca foram tão  vilipendiadas e desprezadas. Alguns torcedores preocupam-se mais com os adversários, colocam culpa na mídia (claramente adepta dos rivais rurais!), mas não conseguem olhar para o umbigo do Palestra centenário.

A luta que o Palestra enfrentou, enquanto ocorria a Segunda Grande Guerra, quando teve que mudar de cores e nomes, povoa a mentalidade do cruzeirense mediano, somente quando os adversários falam sobre “mudam de nome e de camisa” e outras imbecilidades. Torcedor cruzeirenses não conhece e respeita nem o próprio hino e a própria história.

Por outro lado, eu esperava que o Centenário criasse um sentimento do tipo “You´ll never Walk Alone”, se não em todos, pelo menos na maioria dos cruzeirenses. Perdi as esperanças, fica mais fácil colocar a culpa nas malditas redes sociais e na tal inclusão digital.

C´est La vie

Enfim, tenho vergonha do que muitos estão escrevendo e preparando para o ano do Centenário. Tenho repulsa dos aproveitadores que assaltaram o Cruzeiro. Fico triste que, vendo dirigentes preocupados com eleições e colocando em risco a autonomia do Cruzeiro Esporte Clube, tenham lustradores de plantão. Certamente não gosto do que vejo de grandes grupos de torcedores fazendo nas redes sociais, quando mais se preocupam em responder aos adversários as provocações baratas, do que entender e ajudar o Cruzeiro.

Tólfan Azul

Em tempos de isolamento social, estou (re)vendo algumas séries sobre história de equipes esportivas. Recomendo duas, ambas Netflix (existem outras mas as duas bastam para ilustrar este texto): 1) Barcelona em MatchDay 2) Chicago Bulls. Surpreendentemente, vi várias semelhanças, guardadas as diferenças e proporções, em tudo que pensamos que deveria ser feito no Cruzeiro, mas a tristeza por não ver nada disso realizado, é desesperadora.

Nossos boquirrotos, como se não bastasse a mídia que torce pelos adversários, são mais perversos e nocivos ao Cruzeiro do que os boquirrotos adversários.

Tenho uma adaptação de letra da música para a torcida do Cruzeiro. Sonhei com a minha versão musicada e cantada uníssono nas arquibancadas, foi um sonho imaginar o Cruzeiro na lista dos times do planeta que entoam este hino.

Pensem num cara pra lá de desanimado com tudo que se refira ao Cruzeiro … uma vez que prevejo que o Cruzeiro “You´ll Walk Alone”.

Dedicatória

Este post é dedicado a todos os cruzeirenses que lutam pelo Cruzeiro e pelo conjunto de torcedores, sem individualismos e egocentrismos.

 

Imagem: Camaleão

 

Nota do Autor

Reitero, dentre outras, o pedido feito em muitos textos deste blog e presente na página de “Advertências“.

  • Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas.
  • Coloquem aqui, nos comentários, ou na página do Facebook, associada a este Blog.
  • Alguns textos são revisados, outros apresentam erros (inclusive ortográficos) e que vão sendo corrigidos à medida que tornam-se erros graves (inclusive históricos).
  • Algumas passagens e citações podem parecer estranhas mas fazem parte ou referenciam-se a textos ainda inéditos.

Agradeço a compreensão.

5 comments for “Walk Alone Azul

  1. Beth Makennel Cruzeirense
    03/05/2020 at 23:15

    Evandro, também estou demasiadamente preocupada com o Cruzeiro. As vaidades das disputas políticas não pode de forma alguma ser maior que a responsabilidade de ações objetivas para reerguer nosso clube e subir o time para a série A. O ano do centenário tem que ser maravilhoso como o florido clube Cruzeiro bem merece. Nem por sonho quero pensar o meu Cruzeirão na série B em seu centenario. Será muito triste! Deus não permita isto!

    • Beth Makennel Cruzeirense
      03/05/2020 at 23:19

      Não é florido e sim Glorioso!
      O corretor errou!

    • 03/05/2020 at 23:40

      Beth, esta tem sido uma das minhas grandes tristezas… ver grandes cruzeirenses preocupando-se com a situação do Cruzeiro no ano do centenário.
      Nenhum cruzeirense quer ver o Cruzeiro na Série A2 no ano do centenário, mas porque vê-lo na Série A2 com 99 anos é diferente?
      Creio que os cruzeirenses, como você, ainda não entenderam que a questão não é 99 ou 100 anos e sim estarmos onde estamos e sairmos
      de onde nunca deveríamos estar. Pense nisto !

      P. S. E se não ouviu o cântico da torcida do Liverpool, ouça, com tradução… https://www.youtube.com/watch?v=-94n8zQnk2Y

  2. Marcos Alexandre Caldeira Nunes
    21/05/2020 at 12:18

    Evandro assista na NETFLIX Sunderland até morte, muito boa também, reflete o sentimento da torcida com relação ao rebaixamento do clube

    • 21/05/2020 at 13:14

      Eu assisti. Aliás, tenho visto inúmeras séries sobre futebol e outros esportes, a maioria documentários. Citei as duas no texto porque tem coisas que a torcida não percebe (e nem sei se deveria), mas quer dar palpite. Nos documentários, torcedor não dá palpite como querem que aconteça no Cruzeiro. O Cruzeiro está SOZINHO !!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.