Dia do Professor - Elegia 2020

Dia do Professor – Elegia

Dia do Professor

Em primeiro lugar, nunca é demais ressaltar que toda vez que escrevo sobre uma data “comemorativa”, meu sentimento de indignação  aumenta. E quando exercemos atividades diferentes, fica ainda mais complicado e desgastante – e, como se não bastasse, ainda tem gente que manda mensagem me criticando. Assim sendo, aqui estamos, para desopilar o fígado em mais uma data: o Dia do Professor.

Desse modo, vou ser curto e grosso, como sempre. Existe um dia internacional do professor (5 de outubro) e outra data que se comemora no Brasil (15 de outubro). No Brasil juntaram o Dia das Crianças (feriado nacional por conta da padroeira Nossa Senhora Aparecida) com o dia do professor e criaram a Semana do Saco Cheio (a história começou com universitários “malandros”).

Os países mais incultos precisam destes dias comemorativos, alguns até elegem o dia do professor como feriado, países mais civilizados não precisam disso. Assim sendo, mais uma vez, elejo uma data para fazer um manifesto, como fiz no Dia da Fotografia.

 

Elegia no Dia do Professor

Parafraseando, sem a devida venia e, certamente, de modo impertinente, o grande poeta Carlos Drummond de Andrade. Dilacero e reproduzo o sempre atual poema Elegia 1938, externando a minha indignação com quem não respeita os professores nem no seu dia.

Elegia 2020

Trabalhas sem alegria para um mundo caótico,
onde as formas e as ações não encerram nenhum exemplo.
Certamente praticas laboriosamente os gestos universais do saber,
sentes calor, frio, ira, desânimo; falta de dinheiro, fome e desejo sexual.

Influencers enchem as redes sociais do planeta em que arrastas teu mouse,
e, entretanto, preconizam a virtude, a renúncia, o sangue-frio, a concepção.
À noite, se neblina, fazem “blocks” com denúncias e mimimi
ou se recolhem aos volumes de sinistras pesquisas no Google.

Amas a noite pelo poder de aniquilamento que encerra,
mas mal sabes que, dormindo, os problemas crescem e não te dispensam de morrer.
Mas o terrível despertar prova a existência da Grande Rede e do Big Brother
e te repõe, pequenino, em face de indecifráveis emoticons e pueris 280 caracteres.

Enfim, navegas entre mortos-vivos e espertalhões desrespeitadores; e com eles conversas
sobre coisas do tempo futuro e negócios fúteis de espíritos de porco.
A literatura irreal estragou tuas melhores horas de amor e sonho.
Ao smartphone perdeste muito, muitíssimo tempo de ouvir e ser ouvido.

Em suma, coração orgulhoso, tens pressa de confessar tua derrota
e adiar para outro milênio a felicidade coletiva.
Aceitas fake news, a chuva, a guerra, o desemprego e a injusta distribuição
porque não podes, sozinho, dinamitar a ilha da fantasia de Brasília.

 

Poema Elegia 1938

Narração no Youtube.

Comemorar ?

Será que é possível usar a data para comemorar? Comemorar o quê em tempos de pandemia ondem professores são espoliados e explorados cruelmente. Certamente, questionados no que fazem por gente que não respeita nem quem os ensinou a ler.

Em outras palavras, é inadmissível sequer pensar que existe uma data de comemoração em tempos sombrios que trocam um professor por animações de péssima qualidade ou atores que mal sabem fazer conta como se fossem professores. Vemos enganadores se autodenominando coaches, tutores e congêneres posando de professores e mentores, pobre e falida sociedade.

A precarização das condições dos professores é cruel e maldita, nossa sociedade apodreceu quando professores menosprezam professores. Sem preservação da Educação e dos professores, não existem nação, cultura e história, este crime contra os brasileiros não pode continuar.

 

Nota do Autor

Reitero, dentre outras, o pedido feito em muitos textos deste blog e presente na página de “Advertências“.

  • Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas.
  • Coloquem aqui, nos comentários ou na página do Facebook, associada a este Blog, certamente serão todos lidos e avaliados.
  • Alguns textos são revisados, outros apresentam erros (inclusive ortográficos) e que vão sendo corrigidos à medida que tornam-se erros graves (inclusive históricos).
  • Algumas passagens e citações podem parecer estranhas mas fazem parte ou referenciam-se a textos ainda inéditos.

Agradeço a compreensão de todos e compreendo os que acham que escrevo coisas difíceis de entender, é parte do “jogo”.

 

2 comments for “Dia do Professor – Elegia

  1. Maria Celeste Gonçalves Campos
    15/10/2020 at 12:21

    Assino com o relator. O que esperar de bom para o professor num país cujo presidente desqualifica Paulo Freire.

    • 15/10/2020 at 20:53

      Obrigado professora Celeste por suas palavras.
      Está muito difícil e não dá para implodir nossos algozes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.