Apagão Mental - Matéria Incógnita

Apagão Mental – Privatizou, encareceu e escureceu

Privatização

Há muito a questão da privatização vem sendo debatida, muito antes de neófitos denominados “o novo” serem nascidos ou alfabetizados. Entretanto, estes não tem culpa na situação que estamos vivenciando e que o apagão ocorrido no Amapá expôs de maneira lapidar. Assim sendo, quando escrevo, refiro-me ao apagão mental de tal Geração X. Geração esta que pariu e embalou estes pivetes de redes sociais que tudo sabem e defecam pelos dedos nas redes sociais impunemente.

No caso das concessionárias de serviços de energia elétrica o roteiro é simples: Privatizou, Encareceu e Escureceu, mentes e corações.

 Precarização

O tema da privataria e da precarização do trabalho foi um dos motivadores da criação deste Blog pessoal, anteriormente publiquei textos alusivos ao texto. Em “Precarização e Terceirização ampla, geral e irrestrita” anunciei que a privatização de serviços públicos essenciais estava provocando efeitos que não seriam indesejáveis.

Por outro lado, em textos diferentes a linha de abordagem era a mesma, privatização, seletividade de serviços em função do retorno aos capitalistas privatizantes e precarização do trabalho. O elemento da terceirização é o pior deles e vemos isto no serviço de energia com abusos e até crimes sendo cometidos pelas “terceirizadas” com a cumplicidade de agências reguladoras e Estado.

Privataria

Nesse ínterim, a privataria, que teve um freio de arrumação entre 2002 e 2014, recrudesceu seus processos e avançou de maneira avassaladora após o golpe. Colocaram um capitão-do-mato especialista para cuidar da entrega da Petrobrás que entrou em cena, entregou e saiu correndo.

Em “Pedro Parente – Capitão-do-Mato“, dois anos atrás, descrevi o que estava acontecendo e os efeitos deste apagão mental eram previsíveis. O Brasil é uma fonte de recursos energéticos como poucos países do mundo, enquanto deveríamos defender que o povo brasileiro seja dono destas fontes energéticas, vemos pulhas de fraldas defendendo privatização para empresas estrangeiras como se eles fosse donos das empresas. Surpreendentemente, os caras ganham centavos com ações destas empresas e se acham “donos do mundo” e de alguma capacidade pensante.

Apagão mental e energético

Se bem que, o caso do apagão ocorrido no Amapá não tem nada de acaso, surpreendente ou que não tenha sido previsto.

A empresa privada, de nome Isoluz Corsán, de origem espanhola com passado pregresso nada animador, assumiu importante posição na tunga energética do Amapá o enredo estava determinado. Uma empresa que começa projetos e os abandona por ineficiência ou desinteresse econômico como relatado no Quênia. Portanto, a situação e conflito da Isolux no Quênia foram e continuam sendo criminosamente e inopinadamente omitidas na mídia nacional.

Apagão na Pandemia

O apagão no Amapá não é um apagão mental, é físico e não tem nada a ver com a pandemia ou com as eleições.

Davi Alcolumbre

David Samuel Alcolumbre Tobelem (Macapá, 19 de junho de 1977) é um comerciante e político brasileiro filiado ao Democratas. É senador pelo Amapá e, no biênio 2019-2020, atual presidente do Senado desde 2019 e presidente do Congresso Nacional do Brasil. De ascendência marroquina, Davi Alcolumbre é o primeiro judeu a assumir a presidência do senado na história do Brasil.

Fonte: Wikipedia

É possível que os leitores deste texto devem estar se perguntando o que tem de relação a origem e ficha do Presidente do Congresso Nacional com o apagão. Com toda a certeza, é mais um capitão-do-mato a serviço das oligarquias, e responsável direto pelas privatizações do Ministro Guedes e sua camarilha

Como se não bastasse, a população do apagão mental não conseguiu mostrar aos seus filhos, a tal Geração Z ou Millennials a ligar os pontos, ou fazer o “tico e teco” funcionarem ao mesmo tempo.

Apagão Mental Coletivo

Enfim, parece que nem os fatos relativos ao apagão ocorrido no Amapá parecem sensibilizar ou ativar os neurônios dos brasileiros. Certamente, nem a possibilidade de que a “conta” do crime cometido pela Isolux venha a ser paga por todos os brasileiros faz este povo sair do apagão mental coletivo em que nos metemos. Aguardem que em suas contas de energia elétrica, do Oiapoque ao Chuí, você terão a socialização do crime cometido pela Isoluz ao Amapaenses, com STF e tudo.

Desse modo, não causa estranheza os resultados das eleições e as “comemorações” de que se acha vencedor. O povo entorpecido até por eleições de outros países, senhor de suas verdades de redes sociais, ainda não se deu conta do buraco em que nos metemos.

Ver “influencer” de rede social fazendo proselitismo e amealhando uma monte de ovelhas seguidoras é das coisas mais deprimentes que estou presenciando.

Reproduzindo Montesquieu, em duas frases que se complementam:

A injustiça que se faz a um, é uma ameaça que se faz a todos.
O que não for bom para a colmeia também não é bom para a abelha.

Em suma, maldita inclusão digital que provoca um apagão mental coletivo e perverso, expressão esta (apagão mental), que vem sendo usada há muitos anos e ainda não foi assimilada. Nem o apagão real do Amapá irá “iluminar” a mente destes lobotomizados pela idiotia reinante e ditada pela mídia, com STF e tudo.

 

Imagem: Reprodução Blog Matéria Incógnita

Nota do Autor

Reitero, dentre outras, o pedido feito em muitos textos deste blog e presente na página de “Advertências“.

  • Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas.
  • Coloquem aqui, nos comentários ou na página do Facebook, associada a este Blog, certamente serão todos lidos e avaliados.
  • Alguns textos são revisados, outros apresentam erros (inclusive ortográficos) e que vão sendo corrigidos à medida que tornam-se erros graves (inclusive históricos).
  • Algumas passagens e citações podem parecer estranhas mas fazem parte ou referenciam-se a textos ainda inéditos.

Agradeço a compreensão de todos e compreendo os que acham que escrevo coisas difíceis de entender, é parte do “jogo”.

 

2 comments for “Apagão Mental – Privatizou, encareceu e escureceu

  1. Romarol
    18/11/2020 at 06:56

    Evandro, você acha que estaríamos mais atrasados ou mais avançados nas telecomunicações se tivéssemos com a Telebrás? Sou da opinião que não há certo nem errado em conceder ou não conceder serviços públicos a iniciativa privada. O problema é realizar concessões e não termos agências reguladoras com autonomia decisória e financeira e com um corpo técnico qualificado. Neste caso o modelo é perverso.

    • 18/11/2020 at 09:38

      Romarol,
      Não é questão do que eu acho certo ou errado.
      A ENGENHARIA (especialmente a CIVIL) no Brasil desenvolveu-se de forma estupenda. Pela força das obras públicas e empresas estatais.
      Você erra (E ERRA FEIO!) quando pega UM exemplo das telecomunicações para tentar formular uma teoria “privatista”. E pega o pior exemplo. Atuei de perto nas “TELES” e vi o que foi prometido e o que foi implementado. Pegue o post que fiz sobre a TUNGA que a OI fez… ( http://evandrooliveira.pro.br/wp/2016/06/22/oi-a-maior-tunga-desde-1500/ ).
      E continua errando feio quando defende agências reguladoras que NADA FAZEM.
      Trabalhei durante muito tempo nas 3 esferas de governo (municipal, estadual, federal) e estudei bastante o assunto (dentre outros tantos) de tal forma que me deram até a qualificação de “mestre” em Administração Pública.
      O tema é extenso e o seu reducionismo para concluir que “o modelo é perverso” não exige muito.
      Desculpe pela resposta, aparentemente grosseira, mas IMNSHO, padece de fundamentação sobre PÚBLICO x PRIVADO x CONCESSÃO, desde O DL200.

      P. S.
      1) Viu que teve outro apagão ontem e que VOCÊ vai pagar a conta?
      2) De forma proposital, não entro na sua analogia sobre concessão de telefonia como outras. Capite?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.