Vacina - Medo da Tia - Armandinho

Vacina – O Fim do Mundo é Aqui

Governantes

Em primeiro lugar, existem governantes que são estadistas, outros são apenas déspotas ou capitães-do-mato. No Brasil de hoje, quando temos um déspota pouco esclarecido no comando, e uma questão sobre a vacina vira uma espécie de Fla-Flu entre cientistas e terraplanistas temos o sinal do fim do mundo.

Merkel

Para fazer o contraponto que diferencia governantes de capitães-do-mato genocidas, tomo o melhor exemplo da atualidade. A chanceler Angela Merkel, formada em Física e doutora em Química Quântica, tem se posicionado de maneira exemplar. Alguns leitores podem dizer que estou sendo injusto pois tomo como exemplo o que há de melhor. Ao mesmo tempo, rebato dizendo que Nélson Rodrigues estava errado e não faço assim por nenhum “Complexo de Vira-Latas“. Merkel, desde o começo do ano, vem dando um show de declarações e pedidos em prol da inteligência e do coletivo; por isso vem sendo considerada a grande governante do planeta neste milênio. Sua posição quanto ao isolamento social, regras de convivência, vacina e temas correlatos, tem sido perfeita.

Brasil

Por outro lado, aqui no Brasil, o presidente eleito por milhões, que trocou de Ministro da Saúde de acordo com seus desejos e opiniões de estulto militar mal adestrado e político de péssima reputação e currículo, continua fazendo das suas. Como se não bastasse toda a sua prepotência, arrogância, ignorância e outros atributos, se mete a atacar cientistas e pesquisadores em relação a vacina. Em outras palavras,  comete crimes de responsabilidade; prática atos que nem deveriam ser mostrados na mídia e segue zombando de um assunto sério.

Fim do Mundo

O começo

O fim do mundo, sobretudo no Brasil, não começou com a briga pela vacina. Muito antes de gente estulta ficar repetindo na mídia e nas redes sociais sobre os benefícios da Hidroxicloroquina e Ivermectina ante a pandemia de COVID-19 o Brasil já tinha decretado o fim do mundo.

Desse modo, vilipendiar estudos e pesquisas, nunca antes feitas na história da humanidade, para obtenção da vacina de prevenção contra SAR-CoV-2, o país já havia pulado no abismo. Não apenas começou em 2012 ( ver O FIM DO MUNDO MAIA) para todo o planeta, como pegou fogo com a Copa do Mundo e as eleições de 2014 em terras tupiniquins. Decerto, o golpe de 2016, que muitos ainda não admitem, foi a pá de cal e, surpreendentemente, impressiona que muitos mais crimes de responsabilidade são cometidos e a nação está deitada eternamente no berço esplêndido com processos contra o déspota adormecendo nas gavetas do Congresso; ” com STF e tudo ! “.

CAOS

Portanto, num país em que a agência responsável por validar alimentos e medicamentos, adota posicionamento político para agradar seu dono, não pode dar certo. Algum tempo atrás, a ANVISA publicou alerta sobre falsificações de vacinas H1N1. A vacina contra Influenza A (H1N1) foi aprendida em cidades de Minas Gerais e eram falsas; a população mesmo sabendo que a vacina era de graça nos postos de saúde comprava em farmácia.

Em outro caso, mais de dois anos atrás, uma clínica “especializada” foi acusada de aplicar vacina “vazia” contra várias doenças e exigíveis para viajar pelo país e exterior. A Polícia Civil recomendou que todos que se vacinaram na referida clínica procurassem profissionais especializados para exames.

Assim sendo, com o caos instalado de dois anos pra cá, com a loucura protagonizada por governantes estúpidos e seguidores imbecilizados e midiotizados, resta-nos perguntar:  O que vem por aí ?

Vacina

No caso da COVID-19, os brasileiros estão ficando especialistas na doença e até nas vacinas que colocariam a todos em modo de segurança. Entretanto, a confusão é tamanha que os pesquisadores e cientistas estão dedicando muito tempo a mostrar benefícios e funcionamento de uma vacina e perdendo tempo com gente que já tem opinião definida. Certamente, estes de opinião definida, estão seguindo os malditos governantes que querem a morte de muitos da população, que atrapalham seus projetos pessoais.

Revolta da Vacina

Este contexto me levou a ler mais sobre o que foi e qual o mote da “Revolta da Vacina”. Resumidamente, um movimento ocorrido em 1904 contra a Lei de Vacinação obrigatória gerando insatisfação em relação aos serviços públicos. Um médico, Oswaldo Cruz, responsável pelo saneamento do então Distrito Federal, propôs vacinação obrigatória para enfrentar a Febre Amarela, Varíola e Peste Bubônica.

Motivações políticas que quase resultaram em Golpe de Estado causaram mortos, prisões e ate deportação de habitantes do Distrito Federal para o Acre.

Fico imaginando Oswaldo Cruz neste (des)governo de loucos de hoje.

Vacina X Remédios

Em suma, a questão é de gravidade máxima, estão praticando diversionismo sobre questões científicas para defender medicamentos usados para outras finalidades e em animais.

Desse modo, quando constato que as redes sociais e suas fake news ditam o comportamento e pensamento de uma nação inteira, tenho a certeza de que  o mundo acabou para nosotros.

Um país onde o governo libera agrotóxicos de forma desmedida, alguns proibidos em vários países, que podem provocar câncer; reações alérgicas; problemas de fertilidade; disfunção erétil; paralisia; lesões cerebrais; tumores; alterações comportamentais; lesões hepáticas; abortos e má formação congênita de bebês e discute-se origem de uma vacina, é fim de linha.

Anteriormente, nos últimos dois anos, a ANVISA liberou mais de quinhentos agrotóxicos e outros “venenos” e fica fazendo jogo de enganação em relação a vacina contra COVID-19; faz proselitismo a mando do déspota-mor insano. Governantes do mundo pedindo isolamento, preocupados com planos de vacinação e o Brasil na contramão.

Armandinho

Enfim, a imagem deste texto pode parecer desconexa, mas tem tudo a ver com nosso momento. Tenho repetido uma frase com certa frequência: Quando voltarmos á Idade Média, estarei do lado das bruxas. A tirinha do Armandinho é reveladora da (IN)capacidade do brasileiro em entender o buraco em que nos metemos.

As eleições recentes deram a mostra contra o que lutamos: Racismo, Homofobia, Misoginia, Violência e tudo mais que levamos séculos para achar que evoluímos. Uma vez que crianças chegam a pensar no que disseram professoras e tutores de púlpito, e não têm o discernimento de um “Armandinho”, o recado tá dado.

A responsabilidade é dos pais que não souberam como criar esta geração Z e de Millennials.

Quem sabe o povo acorda e não espere 2022 para termos uma revolução pela vacina; quem sabe mostramos que evoluímos alguma coisa em relação a 1904.

 

P. S.

  1. Sou voluntário no trabalho de pesquisa de uma as vacinas em testes no mundo com o propósito de ajudar ao próximo. A vacina que recebi (posso ter recebido placebo) é semelhante a outras debatidas pela Internet e na mídia, estou tomando todos os cuidados que tomaria, com ou sem vacina; é o que posso fazer ante a imbecilidade humana que, com toda a certeza, está ganhando o jogo por 7 a 1.
  2. Quando se mistura política, religião e futebol os cientistas e pesquisadores deveriam ter outra forma de comunicação junto à mídia e redes sociais.

 

Imagem: Armandinho

Nota do Autor

Reitero, dentre outras, o pedido feito em muitos textos deste blog e presente na página de “Advertências“.

  • Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas.
  • Coloquem aqui, nos comentários ou na página do Facebook, associada a este Blog, certamente serão todos lidos e avaliados.
  • Alguns textos são revisados, outros apresentam erros (inclusive ortográficos) e que vão sendo corrigidos à medida que tornam-se erros graves (inclusive históricos).
  • Algumas passagens e citações podem parecer estranhas mas fazem parte ou referenciam-se a textos ainda inéditos.

Agradeço a compreensão de todos e compreendo os que acham que escrevo coisas difíceis de entender, é parte do “jogo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.