Os 7 de Chicago - Internet

Os 7 de Chicago

Filme e Crítica

Em primeiro lugar, não tenho, nunca tive e acredito que nunca terei a mínima aptidão em ser crítico de cinema ou congêneres. Desse modo, fico até sem entender como funcionam os críticos de documentários; deve restar somente aspectos tecnicistas e detalhes, ou ficar fazendo spoiler. Certamente, prefiro fazer como tenho feito com filmes; o alvo deste texto é “Os 7 de Chicago” – original em inglês The Trial of the Chicago 7.

Contracultura

O filme é baseado num caso real, dos anos 1960, onde ativistas faziam manifestações contra a participação do governo estadunidense na Guerra do Vietnã. Portanto, os protestos ocorreram na cidade de Chicago (Illinois) exatamente no período de convenção do Partido Democrata naquele ano de 1968.

A efervescência do tema, uma vez que, após assassinatos de líderes nacionais americanos e uma guerra noutro continente, inaceitável para muitos americanos, era patente.

Neste contexto, estava o movimento negro, clamando por liberdade e Direitos Civis, que até hoje suscita discussão que remonta o Egito Antigo e venda de escravos negros por outros negros.

Os 7 de Chicago

Como escrevi anteriormente, não me importo e não desejo fazer crítica do trabalho final e mídia em que foi veiculado. Prefiro pegar o enredo, o contexto e transpô-lo para outros país (como o Brasil) e outro momento, como agora. Em suma, ao traçar este relacionamento, tento buscar que as pessoas vejam que, na maioria dos casos, as histórias se repetem como farsa e como tragédia.

Os movimentos expressos no filme “Os 7 de Chicago” são claros e bem representados. Por exemplo, quem não sabe da história só entende que “os 7 de Chicago” eram oito, e que o movimento dos “Pantera Negra” enfrentava oposição de todos, no final (pronto, spoiler !).

A questão do racismo era grave e feroz naqueles tempos; mudou alguma coisa passados mais de cinquenta anos? Certamente que não e o movimento Black Lives Matter reproduz tudo (ou quase) que o filme narra.

Por isso tudo, o filme vale a pena ser visto, desde que seja entendido como um documentário e que erros do passado não devem ser reproduzidos ou que estejamos alertas para falácias, mentiras e arroubos de déspotas esclarecidos e suas milícias.

Os 7 de Chicago no mundo

“Os 7 de Chicago” é um documentário que poderia ser ambientado hoje, sem nenhum problema, em vários países que estão retrocedendo na política e não passam de democracias guiadas.

O grande problema da maioria das nações é que a verdadeira guerra é entre os donos do dinheiro global e o resto. Entretanto, temos o agravante de que, cada vez mais, aprendizes de feiticeiro, Chicago Boys e Capitães-do-Mato, transformam-se em políticos e praticam a vassalagem para receberam migalhas na frente dos outros.

Enfim, alastrou-se para muitos países com democracias frágeis ou inexistentes, as oligarquias tomaram conta de tudo, até mesmo no mundo virtual.

No Brasil, com toda a certeza, perdemos completamente o “trem-bala” da história, o “capitão da vez” optou por seguir um déspota do que ficar ao lado do BRICS. Desse modo, teremos, nos próximos meses e até as próximas eleições, um duro caminho a percorrer e não temos nem “heróis” como “os 7 de Chicago” para alertar a maioria da população, muito menos uma Constituição que seja obedecida.

O episódio-texto de ontem ( Crônica de uma Sedição Anunciada ) mostra do que são capazes presidentes como Trump. E, em outras palavras, o que o nosso presidente pretende clonar. Nosso Congresso Nacional não tem um décimo da capacidade de defesa do Capitólio;  pelo contrario, hordas de manifestantes vão se candidatar a dar uns belos tapas em deputados e senadores do Brasil.

 

Imagem: Reprodução Internet

Nota do Autor

Reitero, dentre outras, o pedido feito em muitos textos deste blog e presente na página de “Advertências“.

  • Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas.
  • Coloquem aqui, nos comentários ou na página do Facebook, associada a este Blog, certamente serão todos lidos e avaliados.
  • Alguns textos são revisados, outros apresentam erros (inclusive ortográficos) e que vão sendo corrigidos à medida que tornam-se erros graves (inclusive históricos).
  • Algumas passagens e citações podem parecer estranhas mas fazem parte ou referenciam-se a textos ainda inéditos.

Agradeço a compreensão de todos e compreendo os que acham que escrevo coisas difíceis de entender, é parte do “jogo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.