Crescendo aos 6.1 - Dreamstime.Com

Aos 6.1, desaprendendo e crescendo

E então, chegamos aos 6.1

Ser aniversariante no início do ano tem muitos traumas e muitas situações emblemáticas, estas tratamos com muita leitura e compreensão, aquelas tornam-se alvo de reflexão e pode provocar mudanças. Assim sendo, chegamos aos 6.1 (para quem não entende de automóveis e motores, falar “aos 6.1” vai soar muito estranho.

Anteriormente (quatro anos atrás) falei sobre a ojeriza que tenho da data comemorativa do “Dia do Fico” ( ver “Dia do Fico – Eu não Mereço !” ). Portanto, entra ano e sai ano tenho que reforçar a importância da data para que eleve-se o conhecimento de todos, IMNSHO.

Mutatis Mutandis aos 6.1

Entretanto, existem coisas que não mudam na sua essência no conteúdo, apenas apresentam-se de forma completamente diferente. O curioso é que aos olhos dos outros parece que estamos desaprendendo com o passar do tempo. Contudo, na realidade, estamos evoluindo e pensando em nós mesmos como agente de mudanças.

Assim sendo, o que eu tinha como trauma até a adolescência, transforma-se em lição de vida e aprendizado.

Por exemplo, eu não gostava de aniversário em janeiro por dois motivos aterrorizantes:

1) Ganhar presentes de Natal sempre vinham com um “Feliz Natal, Boas Festas e Feliz Aniversário…”, e

2) Quem dava um presente no Natal ou não tinha dado nenhum presente, tascava uma agenda no dia do aniversário.

Desta forma, respondam por favor (retórica !), tem coisa mais traumática para uma criança ou adolescente nascer na primeira quinzena de janeiro?

Causando aos 6.1

Outrossim, com o passar do tempo aprendi que pode ser pior; imagine saber que nasceu por que foi fruto de uma tabelinha mal calculada no carnaval do ano anterior (o que não aconteceu no meu caso).

Com o avançar da idade sabemos reconhecer amigos e diferenciá-los de outros seres de comportamentos hostis, obtusos e ignorantes. Os tempos recentes, não somente pela ocorrência da malfadada Pandemia, que provocou em mim até uma “pausa” na vida ( “Pausa durante uma Pandemia” ).

Assim sendo, aos 6.1 vamos nos revelando e vendo revelações. Quando leio uma mensagem reservada dizendo: “Você, Evandro, está sendo meu ombro amigo dos anos 20 fico muito feliz e em êxtase. Especialmente vindo de pessoas como a autora da frase que poderiam nem se manifestar em tempo de redes sociais obtusas e rasteiras.

Como tenho escrito em minhas “frases” diárias na trilha “Entre sem BATER” publicadas no Facebook e Twitter, mais vale um reconhecimento destes do que mil emoticons de quem não entendeu lhufas.

Caminhando e Cantando

Duro é o caminhar e terrível é o cantar em tempos nebulosos, bicudos e tempestuosos como os que vivemos em 2020.

Contudo, resolvi parafrasear algumas frases que li numa destas redes sociais e as quais não consegui atribuir autoria, nem com o grande “irmão” Google.

  • Depois de amar os meus pais, os meus irmãos, o meu cônjuge, os meus filhos e os meus amigos, agora comecei a amar-me a mim mesmo.” Tá certo que é presunçoso, mas aos 6.1 tenho este direito adquirido.
  • Percebi que não sou ′Atlas e, assim sendo, o mundo não repousa sobre os meus ombros.
  • Há muito não pechincho com vendedores individuais que são explorados por produtores, centavos ou reais podem ajudá-lo e, portanto, não me tornarão mais pobre do que sou.
  • Vou parar de falar aos idosos que estão repetindo uma história já narrada, melhor que eles revivam o passado o quanto quiserem.
  • Não vou aprender que corrigir as pessoas que estão erradas é politicamente incorreto e falta de educação, em outras palavras, não corrigir é hipocrisia.
  • Afastarei, cada vez mais, das pessoas que não me valorizam ou que me julgam pela minha opinião; eles podem não saber o meu valor, mas eu conheço.

Em suma, desaprendendo, apanhando e desapegando é a melhor forma de crescer aos 6.1. E, nesta data, pratico o desaprendendo a cada temporada, reforçando algumas manias que um 6.1 se apega.

 

Imagem: Dreamstime

Nota do Autor

Reitero, dentre outras, o pedido feito em muitos textos deste blog e presente na página de “Advertências“.

  • Observações, sugestões, indicações de erro e outros, uma vez que tenham o propósito de melhorar o conteúdo, são bem vindas.
  • Coloquem aqui, nos comentários ou na página do Facebook, associada a este Blog, certamente serão todos lidos e avaliados.
  • Alguns textos são revisados, outros apresentam erros (inclusive ortográficos) e que vão sendo corrigidos à medida que tornam-se erros graves (inclusive históricos).
  • Algumas passagens e citações podem parecer estranhas mas fazem parte ou referenciam-se a textos ainda inéditos.

Agradeço a compreensão de todos e compreendo os que acham que escrevo coisas difíceis de entender, é parte do “jogo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.