Múltiplos Brasis

Dois “Brasis” é puro reducionismo ambicioso

Tenho lido muitas coisas nas redes sociais que não concordo. Até bem recentemente, respondia a tudo e a todos de acordo com o meu pensamento.

Manipulação

Observei que a quase totalidade das pessoas que se manifestam em redes sociais não querem debater nenhum tema. Querem somente expressar suas convicções, que na maioria dos casos não são convicções pessoais e sim senso comum divulgado pela mídia de massa.

Claro que a maioria das pessoas agindo assim, fica a impressão de que todo mundo age assim. Não é verdade, existem exceções. Algumas exceções são bastante agradáveis. Dá para evoluir com muito pensamento diferente e até com o contraditório.

Entretanto, a grande massa de incluídos digitalmente, reproduz, de maneira avassaladora, o ideal manipulador e opressor. Os livros de Paulo Freire que tratam da pedagogia da pergunta, da autonomia e da indignação deveriam servir para orientar este povo, mas eles não gostam de ler e ainda saem às ruas com cartazes do tipo “Fora Paulo Freire” e apoiando um Alexandre Frota da vida. Vai entender !

Dois “Brasis”

Num destes posts de redes sociais, li que “Existem dois “Brasis”: o dos políticos e o nosso. Nós trabalhamos e eles ganham dinheiro. Discordo e muito.

Existem MUITOS “BRASIS”.

O brasileiro foi “ensinado” a enriquecer ilicitamente, ter cargos por indicação e não por mérito, a se locupletar (Ruy Barbosa já falava sobre o tema). Vem desde 1808 e o maldito D. João VI. Mas TUDO estava escondido…

TUDO vem crescendo e evoluindo. Quando vimos (esta geração de rede social não sabe o efeito) a teoria do Gérson (pobre canhotinha) ganhar fama, a coisa já funcionava do jeito que vemos no noticiário hoje (Emílio Odebretch confirma isto), antes dele existia Mendes Júnior, Andrade e outros… Mas NINGUÉM que fazia parte da festa denunciava E somente ampliou-se a festança.

Na ditadura, e antes das diretas já, nem votávamos direito. Pelé foi crucificado por opinar sobre o brasileiro saber votar. Aprendemos alguma coisa?

Então… Falar  sobre estes dois “Brasis” sem incluir empresários que enriqueceram desde Getúlio Vargas é um erro histórico e grave. As gerações incluídas digitalmente, que nem tem noção sobre o que venha a ser fazer um boletim num mimeógrafo, discutem estas questões a partir de afirmações como esta “existem dois Brasis… “. O que, na minha opinião, é perverso e incompleto em relação a nossa atual crise.

Sem futuro

Ouvi de um sociólogo/economista, que dá palestras sobre startups e inovação uma avaliação muito interessante sobre a nossa situação atual (BRASIL) e todos estes acontecimentos… e as ideias dele não comungam com esta história de “dois brasis” e muita baboseira reproduzida por filósofos de botequim à serviço do status quo.

Vejo que estamos ficando sem perspectiva de futuro. Cazuza tinha razão.

Meu partido
É um coração partido
E as ilusões estão todas perdidas
Os meus sonhos foram todos vendidos
Tão barato que eu nem acredito
Eu nem acredito
Que aquele garoto que ia mudar o mundo
(Mudar o mundo)
Frequenta agora as festas do “Grand Monde”
Meus heróis morreram de overdose
Meus inimigos estão no poder
Ideologia
Eu quero uma pra viver
Ideologia
Eu quero uma pra viver
O meu prazer
Agora é risco de vida
Meu sex and drugs não tem nenhum rock ‘n’ roll
Eu vou pagar a conta do analista
Pra nunca…

Imagem: Pintrest

Pedido de Doação

Meu irmão está precisando de doadores de sangue (qualquer tipo e fator), só assim ele, e muitos outros, conseguirão prosseguir com o tratamento e ter esperança numa melhoria e retomada da normalidade.

Carlos Henrique de Oliveira (paciente do Hospital Mater Dei)

Banco de Sangue – Hemoter

O Hemoter recebe doações para pacientes que estão internados em diversos hospitais. A doação pode ser realizada para paciente específico ou voluntário para o banco de sangue.

Telefone: (31) 3295-4584

Horário: 8h às 13h, segunda-feira a sábado (sábado, somente com agendamento prévio pelo telefone).

Endereço: Rua Juiz de Fora, 861, Barro Preto – Belo Horizonte.

2 comments for “Dois “Brasis” é puro reducionismo ambicioso

  1. Maria Celeste Goncalves Campos
    Abril 18, 2017 at 14:53

    Evandro, o comentário foi escrito durante o JN de ontem, após um dia de trabalho no serviço público de saúde, onde falta tudo ( de água a medicamentos) exceto reformas. Trocam o piso, o teto, a pintura e etc…, mais de uma vez ao ano. Como ando com preguiça de pensar, só vou ampliar um pouco meu leque. Assim, existem dois “Brasis”: o da turma que trabalha e o da a turma que ganha muito (mas muito) dinheiro. Nesse grupo estão incluidos politicos (estou á procura de um honesto), banqueiros, empreiteiros….e etc….

    • Abril 21, 2017 at 14:44

      Dra. Celeste, entendo a lógica de seu comentário, entretanto, continuo discordando. Adicionaria como justificativa a questão
      de que analogias parciais (ou até mesmo totais em alguns casos), são prejudiciais à compreensão do contexto integral.
      Parafraseando Guimarães Rosa, O Brasil são muitos ! 😉

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *